(pt) Revista Anhangá número 2

CON TREMENDO ORGULLO CRIMINAL PRESENTAMOS LA “REVISTA ANHANGÁ: EN GUERRA CONTRA LA CIVILIZACIÓN Y EL PROGRESO HUMANO DESDE EL SUR” EN SU SEGUNDO NÚMERO, SACADA POR LA EDITORIAL “PUNTA DE LANZA”, ESTA REVISTA CONTIENE MÁS DE 150 PÁGINAS Y MÁS DE 40 TEXTOS/TRADUCCIONES, HACIENDOSE UN REFERENTE DE VITAL IMPORTANCIA PARA EL ECO-EXTREMISMO EN HABLA PORTUGUESA DEL CUAL, ESTAMOS SEGUROS QUE LAS MENTES AMENAZANTES DE LOS INDIVIDUALISTAS EXTREMISTAS TOMARÁN REFERENCIA.
EL PELIGRO DE LA PROPAGANDA ECO-EXTREMISTA Y SU EXPANSIÓN NO SE DETIENE, TAMPOCO LOS ACTOS DE ITS Y GRUPOS CÓMPLICES.
¡ADELANTE CON LOS ACTOS Y LAS PALABRAS!
¡FUERZA PARA LOS INDIVIDUALISTAS!


REVISTA ANGHANÁ

EDITORIAL

“Para nós, o Watu (Rio) é uma entidade, não uma bacia hidrográfica igual os brancos falam. Assim como lá na Índia tem o Rio Ganges, que é sagrado e as pessoas entendem isso, nós temos o Watu, que sustentou durante muito tempo a nossa existência e o nosso imaginário. Mas aqui no Brasil, rios podem virar esgoto, porque eles são vistos só como um corpo de água. […] As crianças hoje olham e perguntam para aos pais: “O Rio morreu? O Rio acabou?”. Para uma infância isso é uma marca que não tem como recuperar […] Olhar para a Terra, o Rio e a Floresta como mercadoria é um engano muito grande que vai nos enterrar a todos.”, Krenak Ailton sobre a morte de Watu pelas mãos das mineradoras Samarco e Vale

Pindorama — o regresso da conspiração eco-extremista desde este lado do Sul era já prometido, os tremores de terra que recentemente aterrorizaram os civilizados por aqui foram as reações animistas dos passos dados pelos guerreiros da Máfia ITS, novamente rumo à indiscriminada caçada nas extensões da antiga Terra das Palmeiras. Repousamos por alguns ciclos lunares entocados nas sombras e a escuridão. O motivo é porque parte de nosso Editorial se enfadou de uma investigaçãozinha esdrúxula de nome Érebo. Contrariamente ao que esperavam, não nos foi ameaça e então outra vez cá estamos, orgulhosamente dando vida a este projeto propagandístico iniciado há um ano, a Revista Anhangá – Em Guerra Contra a Civilização e o Progresso Humano Desde o Sul, que agora entra em sua segunda edição.

Devido uma série de acontecimentos o primeiro número desta publicação foi lançado inconcluso, mas agradecemos aos wachos que tomaram a importante decisão de lançá-lo. Longe das condições em que conceberam a versão inaugural do projeto, sai agora o N° 2 desta Revista contando com mais de 100 páginas munidas de escritos que nutrem a teoria e prática do individualista eco-extremista. Esta edição nasce de um tremendo esforço cúmplice de manos e minas afins do Sul e Norte. O período entre a primeira publicação e esta é marcado por uma significativa expansão dos grupos ocultos aderentes a ITS, que além de rugidos e mais acometidas pelo Sul, surgiram e cresceram também nas terras do Velho Continente, aquele onde pisaram os bárbaros, os vikings, que com ferocidade e paganismo implantaram o terror no cerne das civilizações europeias. Os esporos do eco-extremismo foram levados por fortes ventos e cruzaram as grandes águas até caírem nos solos da Grécia, onde caminha agora Seita Iconoclasta e Caçadores Noturnos; Reino Unido, terra maldita de Misanthropos Cacoguen e Espanha, extensões de Criminosos Animistas. Já pelo Sul e Norte o ânimo dos guerreiros não se detém, contamos com proximamente uma dezena de mortes em mais de 50 diversificados ataques; pacotes incendiários e explosivos abandonados indiscriminadamente estraçalhando a carne e impondo o terror; incêndios selvagens contra máquinas, instituições e objetos; explosivos abandonados contra alvos específicos e exitosamente detonados; ataques armados contra seguidores de cristo e montanhistas deixando mortos e crivados de bala; ataques armados contra estruturas de megaempresas; ameaças de bomba, envenenamento e maldições; punhaladas homicidas contra sacerdote e funcionário de universidade; ataques bombistas contra universidades e centros de pesquisa; tiro certeiro em crânio de vice-reitor de instituto tecnológico; assassinato de drogada e tantos outros que por questões estratégicas não foram reivindicados publicamente. Como apontam os meios gringos já somos uma ameaça terrorista internacional crescente no mundo. O que se originou lá pelo ano de 2011 no México se espalha pelos quatro cantos como uma maldita praga e agora tem presença em diversas cidades de vários países em três continentes. A Máfia Eco-extremista é nutrida pelo ódio catastrófico contra o progresso humano que destrói a tudo o que é Selvagem, contra o progresso civilizado que exterminou os nossos antepassados, suas crenças e modo de vida, contra a lógica ocidental de domesticar e manipular o que é silvestre, contra o esquematizado pensamento religioso moderno e o racionalismo ateu que deprecia e destrói o senso animista de sentir, ver e entender o mundo, e sobretudo pela serenidade e Caos que habita dentro de nós, a força antiga que nos empurra a reviver os adormecidos instintos e recordar os nossos antepassados e que um dia fomos parte de tudo isso, do entorno e vida selvagem, antes da chegada dos civilizados.

A alguns de nós nos enfurece saber através de nossos avós e bisavós que há três gerações passadas fomos forçados a abandonar nossas terras ancestrais e submetidos a sobreviver marginalmente no entorno domesticado enquanto as florestas eram cortadas, os montes explodidos e escavados e os rios barrados e drenados; nos dói não poder chamar o que vemos ou comunicarmo-nos através do nosso idioma akwén porque mataram-no por dizerem que falar a nossa própria língua é sinal de demência e atraso, nos entristece saber que nosso entendimento foi completamente entorpecido por costumes e crenças alheios aos que praticamos desde tempos imemoriais e que em seu lugar nos empurraram goela abaixo o cristo. Por tudo isso é nossa guerra, por nós mesmos, pelos Antigos, pelo pouco que resta do entorno selvagem e pela certeza de que os atos daqueles que assassinam os Espíritos da Natureza não quedarão impunes. Landerretche soube muito bem disso após os wachos cúmplices da Horda Mística do Bosque enviarem a seu endereço um pacote explosivo que detonou em suas mãos e que, por sorte [dele], não o matou. O bastardo é um dos cabeças de uma das maiores mineradoras do mundo. Certeza que seu nome segue entonado nos cânticos de guerra dos mafiosos e que cedo ou tarde a vingança outra vez toca a sua porta. Samarco e Vale são outros dois monstros mineradores responsáveis por causar destruições de proporções colossais como a do Rio Doce e tantas outras, por isso a citação do Krenak. Outro motivo para a citação é porque no passado e por aquela mesma região foi onde centenas de nossos bisavós foram forçados a abandonar as suas terras. Os rios, as florestas, os solos, os animais, os montes, tudo era morto ou tomado com a chegada do progresso e dos civilizados e com isso morria também parte de nós. Em vista disso não nos resta mais nada senão a guerra de vida ou morte, somos inadaptáveis a este mundo moderno; não apenas por sensatez, mas sobretudo por instinto e pelo chamado primitivo daqueles que vieram antes que acudimos. Caminhar nas urbes sentindo através do chão a respiração ofegante da Terra sepultada pelo cimento não é algo que deixaremos passar despercebido, por isso regressamos com o segundo número da Revista Anhangá, esperando que o material contido nesta publicação nutra e muna o imaginário e a força de tantos outros individualistas guerreiros e as guerreiras, tal como Regresión, Ajajema, Extinción e Atassa tem feito.

Nesta edição serão encontrados escritos sobre a espiritualidade eco-extremista, potencialidade do individualismo, debates e críticas sobre moralidade e valores civilizados, reflexões sobre humanismo e violência indiscriminada, escritos sobre veganismo e a evolução da dieta, críticas a ideologias esquerdistas e a crença numa revolução, escritos sobre reavivamento de memórias e práticas guerreiras, cosmologia pagã, apontes sobre misantropia e extincionismo, apontes sobre primitivismo, lições tiradas de grupos terroristas, banditistas, de assaltantes e movimentos de libertação, além de vários poemas, canções, textos filosóficos, manifestos pessoais, um manual para a fabricação de Peróxido de Acetona e uma análise crítica desde um olhar eco-extremista da mais recente obra de Theodore Kaczynski.

Como um órgão difusor da Máfia Eco-extremista esperamos que o material contribua não só para aqueles guerreiros e guerreiras que estão de pé e em guerra contra o Sistema Tecno-Industrial, mas também à aqueles e aquelas tendentes à selvageria, aos criminosos, antissociais, egoístas, misantropos, anarquistas caóticos, niilistas terroristas e tantos outros que semeiam no aqui e agora o Caos no interior desta civilização, que atacam seus valores, suas estruturas e instituições e também os seus engenhos tecnológicos.

Com profundo respeito pedimos a Yayá que desde sua gruta nos dê sabedoria em nossos movimentos. Certamente quando os civilizados escutarem o assobio estridente do vento, saibam que desde a tocaia fomos convocados por este furioso espírito para atacar e matar. Por vingança, apenas. Tais como as catástrofes somos uma das respostas da Natureza Selvagem a toda esta artificialidade, porque também somos parte dela e de sua reação. Indiscriminados bravios desprovidos de valores morais, como as tempestades, terremotos, furacões e outras catarses que não elegem classe social, sexo ou cor na hora de suas manifestações homicidas. E para finalizar queremos carinhosamente agradecer aos manos e as minas cúmplices destas terras e de fora, a Nẽn-pém, XXX, Urucun, Xale, aos manos da Revista Ajajema e alguns outros que dispensaram citações, que ademais de contribuírem de algum modo para o seguimento desta revista são também fonte de grande inspiração; alguns geograficamente mais próximos, outros mais distantes, mas todos na mesma guerra contra a civilização e defendendo com garras o mesmo projeto, a Máfia ITS.

Pedimos que os Espíritos da Terra acobertem os passos dos afins de sangue e de guerra e que a terrível fúria de Yayá recaia sobre aqueles que destroem a Natureza Selvagem.

A Tocaia segue até a tua morte ou a minha… GUERRA!

Grupo Editorial Ponta de Lança

Outono de 2018

Contato: [email protected]

(Japon) Masacre ancestral 150 humanos muertos!

Via MA


Esta vez no fueron temblores de la tierra; en medio de olas históricas de calor la Naturaleza ha demostrado su autoridad ante las creaciones humanas y se ha vengado e impuesto el terror y el caos bajo la nación tecnológica.

La región oeste de Japón ha experimentado en las últimas semanas como ciudades están siendo completamente engullidas por destructivas inundaciones que barrieron barrios completos, llevando consigo coches, humanos, animales, casas enteras y lo que se atrevía a estar en el camino de las viiolentas corrientes. El agua ahogó salvajemente los sueños de miles de personas y dejó un saldo de más de 150 muertos, sepultando en escombros lo que restó de las zonas afectadas. Las lluvias torrenciales que azotaron el país causaron también deslizamientos de tierra y resultaron decenas de desaparecidos, sumergiéndose no sólo en agua, sino tambien en desgracia toda la vida humana de las cercanías. Es como si de pronto dijese “retroceda”, a la nación altamente tecnológica que se atreve a desafiar constantemente la fuerza de lo Desconocido.

El escenario catastrófico es no menos que una manifestación feroz de las energías del Caos en contra del humano moderno, nosotros de su lado estamos e incluso de eso somos parte, de la reacción salvaje. Nos alegramos de toda esta desgracia contra la civilización y de los cientos de muertes en esta matanza.

¡La Naturaleza salvaje seguirá cobrándolos, malditos!

¡Sus edificaciones al suelo y la vida humana perecerá frente a la ira de lo Desconocido!

(es) Sobre Animismo

Traducción de “On Animism”.


El bosque esta vivo donde sea que uno mire
Desde la imponente vida de los viejos arces y abetos
Hasta los mas ínfimos y etéreos mundos del sotobosque
Desde el gran oso negro hasta el ciervo de cola blanca
Hasta los aparentemente infinitos reinos de insectos
Sospecho que hasta las mismas rocas de esta vieja tierra tienen vida propia
Y que es una estupidez moderna el haber olvidado que el mundo es hogar de muchos espíritus
Perdiéndose el exceso divino de la vida del mundo

(es) Sobre el Uno y los Muchos

Traducción de “On the One and the Many“.


He aquí que estamos comúnmente familiarizados con los infinitos rostros de la divinidad
El poder oscuro de la tormenta de primavera
Cubriendo el mundo bajo su velo negro
La silenciosa gracia del sol dorado que parte el cielo
Antiguos movimientos que traen regalos de cielo al bosque invernal
El pulso del viejo rio
Estimulándose en el exceso de la temporada
Los suaves pasos de cervato sobre la tierra cubierta de helechos
Gentileza ocultando su silencioso poder
La risa distante del viejo coyote desde las colinas siempre-verdes
La brillante violencia de su temerario reino
Pero Dios no es ni uno ni dos
Y en peculiares momentos puede que accedamos a aquel reino singular mas allá de las cosas
Regresando a esa fuente mas antigua
Y si solo por un breve momento pudiésemos caminar con aquello sin forma
Y acaso atrapar un destello de esa basta vida del todo
Desde donde las variadas divisiones son las innumerables obras de una vida
Pero Dios no es ni uno ni dos
Y el todo divino es nuevamente roto por la júbilo del exceso

[en] (Mexico) 58th Communique of the Individualists Tending Toward the Wild

The Great Consumer rose up again threatening the air of the great city, in the middle of one of the areas under the greatest surveillance and on one of the most used means of public transport in the Metropolitan area. We left there our terrorist footprint. On Saturday July 14th late at night we boarded the Number 10 Metrobus around Insugentes Sur, and we abandoned an incendiary device around the motor. We got off and without a problem waited for our gift to do its thing. Some meters away we saw that the device exploded and began a fire and everything started to burn. The few passengers on the bus were evacuated at Durango station while the arrival of firefighters ended our Saturday night party. No matter, the bus was damaged and we obtained new experiences for future attacks on public transport.

The lies of the press and the authorities were of course forthcoming and they were quick to state that our attack was the result of a short circuit. How funny, without a problem we could do the same on another bus line, even on a Mexibus in any given municipality of Mexico State. They’ll shut up when that happens. Let them be warned, they won’t be able to sweep it under the rug. This type of incendiary attack is not new, many accomplices of ITS in Chile have put it into practice. For example, they did so in January 2016 when they destroyed a Transantiago bus, following it up with another such attack in August 2017. Here in Mexico, the Pagan Sect of the Mountain, now affiliated with ITS, planted bombs in various Mexibus buses in October 2015.

Disgusting faggot citizens, they won’t be safe even on their accursed buses!

Fire and more fire to the cities!

With the force and guile of the Wild!

Individualists Tending Toward the Wild – Mexico City

Popocatzin Clan

[pt] (MÉXICO) Comunicado 58 de ITS – Clã de Popocatzin: Incêndio em Ônibus da Metrobús

Comunicado 58 de ITS en idioma portugues. Via MA.


O Grande Consumidor voltou a se levantar ameaçadoramente pelos ares entre a cidade grande, no meio de uma das áreas mais vigiadas e em um de seus transportes públicos mais utilizados na área metropolitana, deixamos a nossa pegada terrorística.

No Sábado, 14 de Julho, tarde da noite, abordamos o veículo 010 do Metrobús na altura da Insurgentes Sur, e abandonamos um artefato incendiário próximo ao motor, descemos e sem problemas esperamos que o nosso presente fizesse a sua parte. A alguns metros começamos a ver como era que o artefato iniciava o fogo e tudo começava a arder. Os poucos passageiros foram evacuados na estação Durango enquanto a chegada dos bombeiros terminou a nossa festa de “Sábado à noite”. Mas isso não importa, o veículo ficou com danos e nos preenchemos de uma nova experiência para futuros atentados no transporte público.

As mentiras da imprensa e das autoridades não tardaram muito eles se apressaram para dizer que o nosso atentado “foi um curto-circuito”. Que piada, sem problema algum poderíamos fazer o mesmo em outras linhas do Metrobús, até mesmo no Mexibús de qualquer município mexiquense, então as bocas se calariam quando isso acontecesse. Ficam advertidos, não poderão tapar o sol com a peneira.

Este tipo de atentado incendiário não é novo, já puseram em prática os cúmplices de ITS no Chile, que em Janeiro de 2016 incendiaram por completo um veículo da Transantiago, e o mesmo aconteceu em agosto de 2017. Aqui no México a Seita Pagã da Montanha (agora unida a ITS) abandonou várias bombas em diversas veículos da Méxibus em Outubro de 2015.

Putos cidadãos asquerosos, não ficarão tranquilos nem em seus malditos transportes!
Fogo e mais fogo a suas cidades!
Com a força e a astúcia do Selvagem!

Individualistas Tendendo ao Selvagem – Cidade do México

-Clan del Popocatzin

Notas:

https://twitter.com/oscarin1198/status/1018359098000080897/video/1

https://www.elsoldemexico.com.mx/metropoli/se-registra-incendio-en-la-estacion-del-metrobus-durango-1840975.html

(pt) (Editorial) Revista Ajajema N° 5 – Contra el Progreso Humano Desde el Sur

Quinta editorial de la Revista Ajajema traducida al portugues. Via MA.


EDITORIAL

“(…) I’m out my mind, see fear in your eyes

I’m sick, I despise myself again

The tears never come, my body is numb

I feel like a god amongst the men

Cut out my eyes, feed me with lies

That I don’t never have to see again

I feed the hate, I feed the truth

I give the pain to the youth

Fuck the devil for your wealth

Pistol chilling on my shelf

I control my own death

I don’t need no fucking help (…)”

-X

Começa um novo ciclo para a Terra e com ele chega a nova edição da nossa Revista Ajajema. Novamente fortalecidos pela majestade do frio assassino. O inverno está apenas começando e já foram registradas temperaturas históricas abaixo de zero, tanto na capital quanto em outras regiões. De fato o sul do Chile tem registrado fortes nevascas. O terrível frio exitosamente já conseguiu acabar com a vida de quase uma dezena de humanos… e é apenas questão de tempo para que esse número aumente.

As andanças dos criminosos misantropos de ITS continuam pelo sul. Os individualistas seguem impunes e desejando mais e mais. Seus artefatos são a prova disso e apenas o destino não quis que os dispositivos dos irmãos matassem ou ferissem a alguém. Os demônios não conseguiram se libertar com a explosão terrorística dos pacotes explosivos da Horda Mística do Bosque nem com os artefatos incendiários dos Sulistas Incivilizados. Deve apenas ter sido pelo acaso ou por algumas outras razões. A verdade é que os manos de ação não deixaram de tentar de novo e de novo. Esperamos pacientemente e com máxima alegria o dia em que um desses dispositivos se ativará nas mãos de algum estudante ou executivo, esperamos e sabemos que mais cedo ou mais tarde se desatará o fogo ou a explosão infernal dos irmãos.

É essa a verdade, os cúmplices atentadores do sul continuam em seu caminho mortífero de guerra contra a civilização e o humano. Apenas eles sabem quando e como retornarão. Com o último acontecimento que soubemos da máfia sulista, podemos dizer que os esquerdosos da Universidade Católica Silva Henríquez se salvaram por um fio. Como gostaríamos que alguns de seus combativos e revolucionários estudantes abrissem o presente dos manos da HMB. Que bom teria sido ver um deles com as mãos remendadas que nem as de Landerretche…

Os cúmplices terroristas continuam a guerra e, não, o nosso caminho propagandístico pelo sul não deu para trás nem irá recuar, é por isso que estamos aqui, seguindo “na beirada do desfiladeiro”. Continuamos elogiando e espalhando o germe da tendência Eco-extremista com a nossa quinta edição da Revista.

É assim que o nosso caminho editorial nos preencheu de riquíssimas emoções, vivências e cumplicidades. No caminho, contatamos valiosos irmãos que contribuem na propaganda. Como não lembrar do nosso primeiro número lá em meados do final de Janeiro de 2017, apenas alguns dias depois que ITS-Chile feriu as mãos de Landerretche o nosso projeto saiu. Em uma espécie de zueira sarcástica contra os aparatos de inteligência que buscavam como loucos os irmãos, nós em nosso projeto nos alegramos com o atentado dos manos e chegamos a incluir até mesmo as instruções para fazer um pacote-bomba, alegria e zombaria que seguimos sustentando até hoje. De fato, nossos contatos mafiosos para esta edição conseguiram acessar um set fotográfico do pacote-bomba usado contra a UCSH e outro set de fotos do niple de aço, em abril passado. Estas fotografias são o registro da impunidade Eco-extremista, são as únicas pegadas dos fantasmas misantropos mais buscados do sul. São também as únicas pistas que encontraram do feroz atuar dos manos.

Não nos resta mais nada a não ser seguir em nosso caminho de apologia ao Caos misantropo e é por isso que a partir da nossa toca e com especial carinho saudamos a iniciativa editorial do Brasil com sua “Revista Anhangá“. Saudamos os irmãos do blog “Maldición Eco-extremista” por nos manter informados dos ataques de ITS a nível internacional. Também enviamos abraços cúmplices ao projeto musical “Iconoclasta” que com suas terríveis letras afins nos fez estremecer o espírito. Enviamos também a todos os demais irmãos que se encarregam de apoiar a tendência nos demais blogs em diferentes idiomas. Aos que estão colaborando sempre na edição de vídeos e aos que ultimamente se deram a tarefa de criar e gerir alguns canais no “Telegram”. Sabemos que nas sombras estão sendo gerenciados interessantes projetos de difusão e esperamos que logo venham à tona. Para todos eles e elas, para os que estão aqui e para os que virão, muita força ancestral para os seus projetos!

É uma grande alegria para nós como grupo editorial evidenciar o avance da difusão oral da tendência Eco-extremista, mas a alegria é maximizada quando se trata do avance da guerra e a práxis extremista nas mãos dos ITS. Nós nos alegramos no Caos quando nos inteiramos de que os atentados da Máfia ITS se materializaram na Europa. Primeiro na Grécia, lá por Janeiro deste ano. Apenas alguns dias depois os individualistas aparecem no “Abismo Europeu” que com uma bomba alarmaram a região. Mas a expansão da Máfia não parou por aí, dois meses mais tarde conseguem atentar em terras espanholas, iluminando a noite. Depois novamente atentam os manos da Grécia, e somando a isso há o retorno infernal da SSS-ITS-Brasil, que em pouco mais de um mês regressou com dois atentados separados, sendo que no último queimaram uma igreja.

Desta forma, somos testemunhas do violento e furioso avance da tendência mafiosa, junto aos contundentes atentados e assassinatos perpetrados pelos irmãos no México e de como o modus operandi do pacote-bomba se estendeu pelas terras do sul, tanto no Chile como na Argentina, gerando assim inéditos atentados e violentas explosões. A Máfia ITS conta em sua história com 57 comunicados oficiais e 4 entrevistas. Inimigos mortos, sangue, explosões, incêndios, disparos, conjurações, dezenas de reportagens na TV, Egos, misantropia, paganismo, Caos, primeiras páginas, alarmes nacionais e ridiculosidade policial são algumas das consequências dos atos dos irmãos.

Ante tudo isso nós seguimos firmes e orgulhosos defendendo e propagando o ódio contra toda a civilização, contra o asqueroso humano moderno, contra os seus rituais e os seus costumes. Seguimos com as palavras em nome do Desconhecido, seguimos invocando com cada editorial o espírito assassino dos Fueguinos, Ajajema.

Espírito ancestral: queime a todos, queima-os como você costumava queimar, queima a civilização e seus habitantes, desata a tua vingança…

Irmãos atentadores do sul, continuem com as suas ações de terror, que nós seguimos firmes com a Máfia até as últimas consequências. Continuem nos entregando afiados comunicados e terríveis ações, porque Ajajema por aqui seguirá. Que os demônios antigos sigam controlando as suas mentes. Possuídos pela mística ancestral dos povos antigos, que sigam agindo.

Com as divindades místicas dos Patagões presentes na guerra extremista sempre; com Wöllapatuch, “O Grande Assassino”, com Kenos, com Yoaloch e com os nossos espíritos protetores Yefádschel. Assim também com os de carne e osso; com a ancestral Lola Kiepja, com o índio Selk’nam Tschikiol e com o corajoso Utschich. Viva aos atentados contra a civilização!

E por último. Irmãos, sintamos o frio, assim como sentimos o calor. Que o paralisante gelo nos adormeça o corpo e que isso nos recorde de que estamos vivos, que os efeitos naturais do corpo adaptando-se ao gélido ambiente sintam e desfrutem. Contra a cultura híper-civilizada do humano moderno pervertido que vive no inverno como se estivesse no verão. Malditos imbecis que não podem apreciar a superioridade do clima frio. E que fique claro que isso não é um chamado para morrermos de frio, não. Este é um chamado para sentir a majestosidade do ambiente, para levar nossos corpos, mesmo que seja um pouco, até uma parte de como se desenvolveram os velhos humanos.

Nos montes e em suas cidades, com o Frio e o Calor, que continuem as feitorias de ITS!

A Ajejema segue com sua glória à Máfia…

“(…) Can’t keep my dick in my pants.

I gave her dick, she got mad.

She put her tongue on my dick.

That lil’ bitch got her throat fucked.

Skeet on your main bitch’s forehead.

Don’t want your pussy, just want head (…)”

-X

Grupo Editorial Revista Ajajema

[pt] Segunda Entrevista a Individualistas Tendendo ao Selvagem

Segunda entrevista a ITS traducida al portugues. Via “Maldição Ancestral” (MA).


Por quê mataram-na?

A pergunta pode ter várias respostas, mas vamos direto ao ponto, o assassinato da mulher na Cidade Universitária foi uma brutal e sufocante reação de repulsa ao ser humano moderno. Por acaso você acha que uma pessoa vagando na madrugada cambaleando devido as drogas químicas ingeridas é digna de seguir vivendo? Nós pensamos que NÃO, é por isso que ela recebeu o que queria, o que ansiava profundamente, a morte.

Todos os membros de ITS repudiam completamente os vícios do ser humano moderno, rechaçamos nitidamente a sua diversão asquerosa, nós odiamos aqueles que com pouco ou muito dinheiro que tem vivem alterando os seus sentidos, estes e estas que apenas removem oxigênio do mundo, são um desperdício, um lixo de pessoas, sejam homens ou mulheres, são o mesmo vírus que infecta esta bela Terra e é por isso que merecem a sua extinção.

A mulher assassinada na CU é o reflexo fiel de uma sociedade decadente que vive com pesar, pessoas fracas que não podem enfrentar a vida com toda e sua crueza, e decidem se drogar com substâncias estranhas, covardes que estão no mundo epenas vegetando inutilmente.

É engraçado que a reação por ter assassinado uma mulher dentro da CU seja tanta, e embora não seja estranho, é certeza que o mesmo teria acorrido se uma mulher tivesse sido morta na Cineteca Nacional, no Politécnico, ou em qualquer outra área onde as feministas operam. A CU, como já dissemos, é um dos berços do progresso, ali é onde o humanismo pestilento é escondido e ensinado sob o enganoso manto do “pensamento próprio e crítico”. Já vimos as amostras de repúdio e ficamos com um sorriso derramando bile. Todas estas feministas são umas idiotas que com estas demonstrações banais sabem apenas se ver como indefesas, se veem como umas “vítimas revitimizadas”, algo completamente contrário ao que quiseram demonstrar. Para todas as feministas e “feministos”, ou seja, para todos os progressistas, a nossa mais hedionda e execrável cuspida. O novo e mais escandaloso atentado realizado em seu berço é a prova de que isso não é um jogo e de que estamos falando sério. Chamem-nos de assassinos, covardes, pós-modernistas e toda a sua besteira, nenhum de seus insultos através de um computador, nem suas marchas, nem suas assembleias esquerdozas, nem o repúdio podem apagar o que fizemos.

Ah! E é claro, sim, estamos contra o progresso, odiamos a sociedade tecnológica, e não nos importa merda alguma se nos chamem de “incongruentes” com este discurso, isto é, quando usamos computadores para lançar nossas as mensagens misantropas contra as massas.

Como podem provar que foi vocês?

Lembram da vez que o grupo de ITS “Máfia Eco-extremista/Niilista (ME/N) disse em Junho do ano passado que haveria mais derramamentos de sangue? Não era uma piada e olha, aí está a prova. Vale ressaltar que ITS tem vários grupos operando no México e fora deste território, ME/N disse que em seu próximo assassinato removeriam o couro cabeludo de suas vítimas, e respeitamos a sua decisão. Nós somos outro grupo que nos distinguem os assassinatos sem nenhum modus operandi específico, então não esperem provas de nada, apenas a reivindicação surpresa como agora.

Quais outros homicídios e ações realizaram nos últimos meses?

Em Janeiro vários grupos de ITS participaram de saqueios, roubos e uma grande variedade de atividades delinquenciais após o gasolinaço no Estado do México e Cidade do México.

Neste mesmo mês ITS do Brasil abandonou uma carga explosiva numa rodoviária em Brasília, assim como ITS do Chile enviou um pacote-bomba à casa do presidente da diretoria da mineradora multinacional Codelco, Óscar Landerretche, em Santiago. O pacote detonou exitosamente ferindo tanto o alvo como a sua filha e a empregada.

Em Fevereiro grupos de ITS da cidade de Torreón, Coahuila, reivindicaram o abandono de dois artefatos incendiários em igrejas da região, bem como abandonaram um pacote-bomba em uma loja pertencente a uma empresa de biotecnologia (Sanki).

Um grupo de ITS no município de Tlalnepantla incendiou um ônibus com passageiros dentro, embora não houve feridos.

No último dia de Fevereiro um grupo de ITS na cidade de Chihuahua assassinou com um tiro na cabeça o vice-reitor da Tec de Monterrey quando este saía de uma igreja.

Em Março um grupo de ITS realizou um ataque armado contra um prédio de propriedade da ICA/CARSO no município de Zumpango, Estado do México.

Em Abril um grupo de ITS em Torreón, Coahuila, abandonou de maneira indiscriminada um pacote-bomba em um dos bancos de La Alameda, resultando em uma adolescente com queimaduras.

Muitos já sabem o que aconteceu em 30 de Abril quando matamos a uma dupla de caminhantes no Monte Tlaloc em Texcoco, Estado do México, e em 3 de Maio, a tal Lesby.

Estamos apenas começando, a Máfia de ITS se estende pelo México, Chile, Brasil e Argentina e não há indícios de que possam nos deter.

Quais serão as suas próximas ações?

Apenas nós e o Oculto sabemos dos nossos próximos atentados, não há garantia em nada, não há avisos de advertências assim como o Jaguar em seu ataque, como a repentina tempestade que cai do céu, como os terremotos que sacodem e deixam destruição…

Individualistas Tendendo ao Selvagem (ITS)

Grupo Indiscriminado Tendendo ao Selvagem (GITS)

(México) 58 comunicado de ITS: Reivindicación del incendio en el metrobus de la Roma

El Gran Consumidor volvió a levantarse amenazantemente por los aires entre la gran ciudad, en medio de una de las zonas más vigiladas y en uno de sus transportes públicos más utilizados en el área metropolitana, hemos dejado nuestra terrorística huella.
El sábado 14 de julio a altas horas de la noche hemos abordado la unidad del metrobus 010 sobre Insurgentes Sur, y hemos abandonado un artefacto incendiario a la altura del motor, bajamos y sin problema esperamos a que nuestro regalo hiciera lo suyo, a unos metros comenzamos a ver como es que el artefacto iniciaba el fuego y todo comenzaba a arder, los pocos pasajeros fueron evacuados en la estación Durango mientras la llegada de los bomberos terminó nuestra fiesta de “sábado por la noche”, no importa, la unidad quedó con daños y nos llenamos de una nueva experiencia para futuros atentados en transporte público.


La mentiras de la prensa y de las autoridades no se hicieron esperar y se apresuraron a decir que nuestro atentado fue por un corto circuito, que risa, sin problema podríamos hacer lo mismo en otra línea del metrobus, incluso en el mexiubus de cualquier municipio mexiquense, así que se callarán la boca cuando esto pase, quedan advertidos, no van a poder tapar el sol con un dedo.
Este tipo de atentados incendiarios no es nuevo, ya lo han puesto en práctica los cómplices de ITS en Chile, pues en enero de 2016 incendiaron por completo una unidad del transantiago, lo mismo pasó en agosto de 2017; aquí en México la Secta Pagana de la Montaña (ahora unida a ITS) abandonó varias bombas en diversas unidades del mexibus en octubre de 2015.

¡Putos ciudadanos asquerosos, no van a poder estar tranquilos ni en sus malditos transportes!
¡Fuego y más fuego a sus ciudades!
¡Con la fuerza y la astucia de lo Salvaje!

Indivudualistas Tendiendo a lo Salvaje-Ciudad de México
-Clan del Popocatzin

Notas:

https://twitter.com/oscarin1198/status/1018359098000080897/video/1
https://www.elsoldemexico.com.mx/metropoli/se-registra-incendio-en-la-estacion-del-metrobus-durango-1840975.html

(it) Vagabondo

Traducción al italiano de “Vagabundo”, texto publicado en la Revista Ajajema n5.


Come un egoista con una personalità veementemente anti-sociale e nichilista, dovrebbe essere abbastanza apparente che i miei interessi, le mie passioni e i miei desideri si muovono con una forma completamente contraria agli interessi standard, le leggi e la moralità di qualunque società o stato. Senza che io sia disposto a cedere, retrocedere o compromettermi con nessuno, la mia vita criminale e maledetta, incomincia in gioventù, quando avevo deciso di non sprecare un altro secondo in più della mia vita conformandomi e cercando di ottenere accettazione o approvazione da quelli i quali mi circondavano.

Perché dovrebbe importarmi di essere stimato da altri che in fin dei conti mi ripugnano totalmente, e di cui odio la schifosa esistenza umana tanto quanto la mia?
Respingo quella pratica umiliante che costituisce la fabbrica sociale nella sua totalità, un vile tessuto di debolezza, imbecillità, timidezza e stupidità. Questo rifiuto di tutte forme non è passivo, è qualcosa che ho abbordato sempre con disprezzo assoluto, ostilità e frequentemente con atti di violenza contro quelli che hanno cercato di impormi qualunque tipo di catene sulla mia rigogliosa individualità.

Nella misura in cui ho imparato a vivere con la mia forza di volontà, le pareti carcerarie della scuola non hanno potuto contenermi più né l’immondizia ha potuto raggiungermi, cosicché ho passato tutto il mio tempo non andando a scuola e inizialmente ho goduto di questo tempo libero recentemente acquisito girando per i boschi e edifici abbandonati, ascoltando musica, disegnando e scrivendo. Continue reading (it) Vagabondo