[PT] (Internacional) Comunicado 75 de ITS

Traducción al portugués del comunicado 75.

“Eu amo aqueles que são capazes de um grande desprezo, porque eles também podem venerar com grande intensidade, eles são como flechas à vontade jogadas para a outra margem. Eu amo aqueles que não buscam além das estrelas uma razão para ir ao encontro de seu crepúsculo e se sacrificar, mas que se sacrificam em honra da Terra e para que nela surja o super-homem.” – F.N.

I.

Nós advertimos, temos dito isso há anos, ITS é uma ameaça invisível que tende ao Caos em nome do Selvagem, que conspira, cria redes, que não para e que cruzou nações e continentes inteiros, expandindo sua presença com grande poder.

Após a coordenação internacional que executamos em dezembro de 2018 e janeiro de 2019, não seremos minimizados novamente. Talvez ocultem nossos atentados futuros, mas enquanto seguirmos livres continuaremos deixando feridos e causando mortes, desencadeando o terror, a paranoia e o alerta geral nos países onde escolhemos atacar.

Nosso nível operacional nesta coordenação deixou em xeque Estados e Governos, causou grande impacto na mídia, geraram entrevistas e reportagens que aprofundaram a filosofia da Tendência e o mais importante, deixou feridos e um verdadeiro terror.

Fomos testemunhas de como o pânico coletivo tomou conta das ruas em Santiago do Chile por vários dias após a detonação de um explosivo; do grande alarme nacional que colocou em alerta todos os sistemas de segurança na posse de Bolsonaro no Brasil; as explosões que ensurdeceram no México e o inédito atentado que alertou os serviços de inteligência na Grécia.

Desta maneira e com pura vontade nossos irmãos ao redor do mundo decidiram unir-se com a pólvora e manchar com sangue humano o asfalto. Como dissemos há muito tempo, “os mortos e feridos serão uma oferenda de sangue à Natureza Selvagem”.

Esta coordenação também respondeu a um chamado do submundo, a morte de um guerreiro será sempre um motivo para explodir as rotinas dos híper-civilizados, é por isso que esta operação internacional é dedicada à memória, à vida e à morte de Kevin Garrido. Esperamos que nos abismos tu tenha escutado as explosões e os gritos de dor dos civilizados que ferimos.

Seguimos livres, impunes, prontos para o próximo ataque. Não podem parar isso, porque mesmo que prendam a todos os membros de ITS em todos os países em que operamos a ameaça contra o civilizado seguiria em curso. Poucos conseguem entender que nós, os individualistas de ITS, não só formamos parte desta Máfia Internacional de Crime Indiscriminado e Seletivo, mas compomos algo maior, somos parte da força do fogo desenfreado, da destruição dos tsunamis, da imensidão inoportuna do mar enfurecido, do incompreensível para o ser humano moderno.

Nós demonstramos nosso alcance e nossa operatividade, estamos nisso desde 2011 e nossa presença mundial começou no ano de 2016, e até agora, ano de 2019, NÃO sofremos baixas nem tivemos detidos, nem as agências de investigação de elite com suas operações intimidadoras nem as polícias anti-terroristas foram capazes de nos encontrar. Deixamos todos ridicularizados e mais uma vez voltamos a repetir: SÃO UMA PIADA!

II.

“Quantas vezes tentaram, planejaram, alertaram, mas nunca puderam disparar contra nós. Subiram, desceram, perguntaram, se calaram, mas na minha [Máfia] ninguém nunca falará.” – A.

Não existe financiamento externo para ITS, ao contrário de outros grupos armados, ITS usa seus próprios meios, principalmente de várias séries de roubos e golpes que servem para manter cada grupúsculo. Não somos o Estado Islâmico que era financiado por xeiques simpatizantes de países árabes, não somos as FARC que inicialmente eram financiadas por Cuba e a URSS, não somos a ELF que recebia dinheiro de Infoshop’s, feiras de livros e eventos anarquistas, etc., é por isso que nossos dispositivos são rudimentares. Ano após ano, lentamente e sigilosamente, os grupúsculos de ITS vão adquirindo armas de fogo e experiências obtidas da delinquência comum. Se em dezembro e janeiro criamos um caos com pólvora de fósforo e pólvora negra, não precisam nem imaginar o que faremos quando tivermos ANFO, C-4 ou tenhamos nossos próprios rifles AK-47…

Preparem-se então para os próximos ataques, continuarão quebrando a cabeça tentando encontrar nosso paradeiro. Após suas patéticas buscas infrutíferas inventaram vínculos inexistentes com esse e aquele grupo (no México nos ligaram a cartéis e juízes, no Chile com grupos anarquistas, na Grécia com a Seita dos Revolucionários, TUDO FALSO), e pela incompetência e o decepcionante trabalho investigativo permanecerão sem reação diante de nós. Que se saiba então que ITS se move SOZINHO, não há nada que “mova as cordas”, nós nos movemos de maneira diferente e isso tem funcionado para nós, a nova forma de criminalidade posta de pé por estes individualistas que se uniram a estas siglas continua seu curso.

III.

Temos a certeza de que existem por aí individualistas com as mesmas aspirações em destruir a moral civilizada e transformá-la em merda com pólvora, fogo e chumbo, sabemos muito bem que não somos os únicos que se alegram com o elevado número de mortos após a resposta do Selvagem na Indonésia, do gigantesco fogo que destrói tudo nos Estados Unidos e no Chile.

Sabemos que estes individualistas afins necessitam apenas um empurrão para criar seus próprios projetos e gradualmente preencher-se de experiência terrorística. Os membros de ITS de cada canto da América e Europa os incentivam e apoiam em suas andanças, saudamos cada texto politicamente incorreto que é publicado, cada reivindicação amoral, cada projeto editorial que propague a Tendência e cada amostra de ódio misantropo cuspida com desdém e asco na cara da repugnante sociedade. Porque se a crítica anti-humanista é REAL, DEVE ter continuidade. Saudamos os grupúsculos de cúmplices na Itália, Peru, Turquia, Colômbia, Alemanha, Estados Unidos, Holanda, Canadá, França, Uruguai, Finlândia, etc., saibam que todos os grupúsculos de ITS os incentivam a seguir com a guerra contra o artificial por todos os meios possíveis.

IV.

Somos estrelas violentas. Nossos atos nos precedem e nos orgulhamos de aceitar este papel histórico. Somos fagulhas de violência primitiva que despertam os civilizados de seus sonhos pacíficos sobre sociedades igualitárias e mundos desenhados por computadores. Como um espelho distorcido mostramos à humanidade sua face mais torcida, mas igualmente sua. Em nós reflete tudo aquilo que o humano gostaria de esquecer. Inquietos se esforçam para esconder nossa existência, mas nossa força os impede de conseguir. Aqui seguimos para lembrar aos civilizados que a guerra contra o caos não terminou… E no corpo social infectado os sintomas desta violência doente em expansão começam a ser sentidos. Nossos cúmplices transbordam o ímpeto ao saber disso, transbordam suas intenções furiosas de romper com a falsa paz moderna.

Nosso papel é incômodo e desconcertante para muitos. Mas como reivindicamos para nós mesmos, há anos encaramos este caminho e deixamos para trás o ponto de não retorno. Agora só nos resta escalar a violência. Que as feridas se transformem em mortes para poder deixar uma cicatriz no corpo da história. E que nos recordem como somos, inimigos declarados da raça humana.

Continuamos nossa guerra nas cidades e no Selvagem. Nossas motivações escapam da razão humanista. Na escuridão dos bosques. Nas montanhas isoladas de todo vestígio humano. Nos céus noturnos iluminados pelas estrelas. Na claridade da lua sobre o chão, porque somente na absoluta escuridão se pode apreciar seu poder luminoso. No barulho eterno da corrente dos rios. No voo dos pássaros e em todo o Selvagem da terra. Aí estão nossas motivações.

Através de nós fluem contra a civilização as forças escuras do Selvagem e a palavra ancestral dos povos primitivos que pereceram. Assim flui, e se projeta em forma de explosivos e disparos contra a humanidade.

Justamente o Chile tem sido palco de toda a vingança da terra. Da última vez o pequeno país registrou ferozes incêndios florestais no sul e terríveis chuvas que transbordaram rios no norte. O furioso vento que derrubou casas na zona mais austral do território, isso somado a um terremoto de 6.7 graus que afetou em janeiro a localidade de Coquimbo. Tudo isso é parte da resposta violenta da natureza selvagem contra os assentamentos da humanidade. Aí está a força imparável e onipotente a qual obedecemos e honramos.

Nós continuaremos atacando, coordenando ou não, e tenham sempre em mente que somos a ameaça invisível que tende ao Caos, que honra a terra com sangue híper-civilizado e que revive os mortos com pólvora e fogo.

Adiante!
Caos, Misantropia e Natureza Selvagem sempre!

Individualistas Tendendo ao Selvagem – Internacional

– Ouroboros Silvestre (Estado do México, México)
– Seita Pagã da Montanha (Estado do México, México)
– Selvagens Assassinos Seriais (Estado do México, México)
– Grupo 7 (Estado do México, Cidade do México, Nuevo León e Guanajuato, México)
– Clã de Popocatzin (Cidade do México, México)
– Bando Desértico (Chihuahua, México)
– Grupúsculo Indiscriminado Tendendo ao Selvagem (Cidade do México, México)
– Máfia Eco-extremista Niilista (Morelos e Cidade do México, México)
– Bando Feral Delinquencial (Guadalajara, México)
– Clã Oculto Borda de Pedernal (Coahuila, México)
– Sociedade Secreta Silvestre (Brasília, Brasil)
– Horda Mística do Bosque (Santiago, Chile)
– Sulistas Incivilizados (Santiago, Chile)
– Bando Inquisidor Vingativo (Santiago, Chile)
– Seita Iconoclasta (Atenas, Grécia)
– Caçadores Noturnos (Atenas, Grécia)
– Constelações Selvagens (Buenos Aires, Argentina)
– Seita Sangue Vermelho (Buenos Aires, Argentina)

(México) Autoridades se hacen de la vista gorda respecto a la Conspiración del trueno

Una nota de la prensa mexicana hace ver que tanto las autoridades como la prensa omiten la potente reivindicación de la “Conspiración del trueno“, adjudicandose los ataques con explosivos en varios municipios del Estado de México apenas en febrero.


22 de febrero

A diferencia de eventos el año pasado, cuando grupos autodenominados “eco-extremistas” se adjudicaron la colocación de artefactos explosivos en espacios de considerable asistencia ciudadana, en los tres hechos registrados este 2019, particularmente en febrero, ningún grupo o particular ha “firmado” la autoría.
No obstante, y de acuerdo con fuentes policiacas y gubernamentales, en estos casos se siguen todas las líneas de investigación, incluidas las de presuntos grupos radicales, para dar con los responsables de los explosivos colocados en plazas comerciales de Coacalco y Tlalnepantla, así como del estallido en una capilla adjunta a la catedral de San Cristóbal, en Ecatepec.
La supuesta amenaza en bomba en el edificio de Juzgados de lo Civil, en Naucalpan, que obligó al desalojo de más de 600 personas, forma parte de las pesquisas de las autoridades porque sucedió cinco días después de la localización de artefactos explosivos en Coacalco y Tlalnepantla.
De acuerdo con fuentes gubernamentales que pidieron mantenerse en reserva, sin duda son hechos coincidentes en toda la zona del Valle de México, pero no hay una línea clara que apunte, por ejemplo, a grupos anarquistas, porque estos suelen asumir la autoría.
Ejemplo de ello fue un explosivo en el interior de una camioneta frente a la catedral de Ecatepec, sede de la Diócesis, en San Cristóbal Centro, el 24 de diciembre pasado por la noche. En este caso, en internet se emitió un “comunicado” firmado por “Individualistas Tendiendo a lo Salvaje, Secta Pagana de la Montaña”, estos en un blog llamado “Maldición Ecoextremista ¡Guerra a la Civilización y al Progreso Humano!”, se adjudicaron el hecho.
“Con la bendición de lo Desconocido, abandonamos un artefacto explosivo de fabricación casera en la Catedral”, expresaron. La explosión ocurrió, dijeron, “mientras se celebraba la ignominiosa misa de navidad (…) nuestra intención era algún herido o muerto, ya que la bomba estaba repleta de clavos y metralla lista para desgarrar y perforar cuerpos humanos, más sin embargo (sic) no fue así, será para la próxima”, advirtieron. “Después del estridente sonido, la calle se llenó de humo olor a pólvora y más de uno comentaba lo que había visto, una bola de fuego ensordecedora de más de 3 metros que se levantó por los aires (…) nuestro atentado fue símbolo de la milenaria Guerra de creencias paganas contra la religión católica librada desde hace miles de años por nuestros ancestros”, argumentaron.
Su improvisado comunicado concluye: “¡Axkan Kema Tehuatl Nehuatl!, ¡Terror, heridas y muerte para la civilización y sus ridículas celebraciones!”.
Como antecedente de las actividades de ese grupo, hay que recordar que a finales de octubre del 2015 se adjudicó la colocación y estallido de artefactos explosivos en nueve vehículos del Mexibús de la Línea 2, la cual corre de La Quebrada, en Cuautitlán Izcalli, a Las Américas, en Ecatepec. Sin personas lesionadas, esa vez las bombas dañaron cuatro unidades, ello debido a que el resto de los explosivos fueron retirados y desactivados antes de detonar y generar daños.
Ecatepec ha sido el municipio con el mayor número de incidentes de ese tipo registrado de diciembre pasado a la fecha. El día 11 de diciembre se reportó también la localización de artefactos explosivos en los pasillos de la tienda Walmart, en Plaza Aragón, en la colonia Rinconada de Aragón.
Era una caja de madera envuelta con cinta adhesiva y cables, abandonada en un estante. De esa ocasión, nadie se atribuyó los hechos.

Los de este año
El pasado 13 de febrero en el interior de la Capilla del Santísimo, ubicada en la Catedral de San Cristóbal, en el municipio de Ecatepec, un estallido se escuchó entre las 16:30 y las 16:45 horas en el recinto religioso, que en esos momentos se encontraba cerrado y sin personal y por eso nadie salió herido. El sacristán, Salvador de la Torre, confirmó que la explosión causó daños en una silla y parte del púlpito. Durante la revisión por parte de especialistas de la Secretaría de Seguridad del Estado de México, se encontró un artefacto de metal en el piso, un sobre y una silla destruida de una pata. Del tubo de metal se desprendía un olor a pólvora, y a un costado de una banca fue ubicado un sobre de color amarillo, el cual contenía una estampa.
Después, el 15 de febrero y en acciones casi simultáneas, fueron colocados explosivos en plazas comerciales de los municipios de Coacalco y Tlalnepantla. En Coacalco el artefacto fue colocado en la plaza comercial Power Center, ubicada en la colonia Santa María, a un costado de la Vía José López Portillo, en esta localidad. Se trataba de una caja de cartón, de 30 por 30 centímetros aproximadamente, abandonada en una de las bancas metálicas del lugar. En la caja había un reloj redondo, de 10 centímetros, así como un tubo galvanizado de 30 y encima una cartulina blanca. Especialistas del Grupo ASES desactivaron el artefacto y lo llevaron a las instalaciones de la Fiscalía General de Justicia del Estado de México, con sede en Coacalco.
También el 15 de febrero, en Tlalnepantla, elementos de la Secretaría de Seguridad Pública del Estado de México (SSEM) detectaron y desactivaron un artefacto explosivo en el complejo comercial Mundo E, ubicado en Jardines de Santa Mónica. De fabricación casera, el aparato fue neutralizado y no provocó heridos ni causó daños en el interior de la plaza, además de que fue llevado por las autoridades a un lugar seguro.

Comunicado 74 de ITS: Dois Feridos Em Detonação Numa Igreja


Traducción al portugués del comunicado 74 de ITS.

“Muitos nos catalogarão como loucos. A loucura é apenas uma palavra para o quão longe alguém está disposto a chegar para cumprir seus objetivos.”

“E quando tua existência for inundada com o sangue de teus sonhos, lembra-se que: o abandono é mais perigoso que a esperança.”

Prestes a completar um ano de vida como um grupo ativo, muitas coisas mudaram desde que começamos a trilhar este caminho de confrontação. Nós evoluímos e aprendemos com nossas próprias experiências e com os ensinamentos de nossos irmãos e irmãs. Aprendemos com a natureza selvagem e seus ciclos, e assim como a natureza não para, nós também não.

Na quinta-feira do dia 27 de dezembro deixamos uma bomba na porta da igreja Agios Dyonisios, no coração de Atenas. No meio de uma zona aparentemente “segura” e vigiada e em um clima de histeria anti-terrorista, entramos e saímos da zona sem problema algum, destroçando sua ilusão de segurança. (1)

Nosso presente de Natal consistia em uma caixa contendo uma lata de refrigerante cheia de pólvora negra misturada com pregos e estava amarrada com arame a duas garrafas com gasolina (uma de 500 ml e outra de 250 ml), além de um punhado de pregos grudados na lata para aumentar o “efeito metralhadora”. O artefato tinha um duplo sistema de ativação, por uma parte um relógio temporizador e pela outra um sistema armadilha que provocava a explosão caso fosse feita uma tentativa de abrir a caixa.



Este não foi um ato simbólico, nossa intenção era que explodisse quando tivesse começado a missa prevista para aquela manhã, seja pela ativação do sistema cronometrado ou pela sua abertura, com o desejo de causar o maior dano possível aos sacerdotes e/ou seus rebanhos de crentes.

Por fim, um policial e um empregado da igreja acabaram feridos. Se suas feridas não foram mais graves ou até mesmo letais foi por pura sorte ou talvez porque o dispositivo não explodiu com a força esperada. Tomamos isso como uma lição para a próxima vez.

Atentamos contra a igreja porque odiamos esta instituição desprezível e seu trabalho histórico para o desenvolvimento da sociedade civilizada ocidental. Odiamos seus templos, sua fé, sua moral, seus sacerdotes, seus rebanhos. Nós rimos diante dos sinais de indignação e rechaço dos papagaios dos meios de comunicação, dos políticos, da polícia e especialmente dos hipócritas da igreja, e vamos rir mais ainda quando leiam isto.

Contudo, o nosso ataque não foi dirigido apenas contra a igreja, mas contra toda a sociedade.

Se atentamos indiscriminadamente contra a sociedade é, entre muitas outras razões, porque não cremos na dicotomia de “inocentes” ou “culpados”.

Não acreditamos em toda esta propaganda esquerdista que nos diz que o cidadão, o povo, está totalmente alienado e manipulado. Cada qual faz as suas escolhas, a maioria das pessoas apoia e defende diretamente ou indiretamente a civilização, o sistema, o existente, ou como queiram chamar porque ele lhes proporciona o que querem, o que desejam e necessitam. A realidade é que o sistema tecnoindustrial satisfaz a seus escravos em troca de suas vidas e dignidade. Até certo ponto lhes proporciona uma vida estável, segura e tranquila, lhes promete sonhos dourados e, no caso de não ser suficiente, está cheio de entretenimento barato, vícios e lazer.

Acreditar que o problema é apenas a civilização e o progresso tecno-industrial é miopismo. A sociedade (ou seja, não apenas como “entidade” abstrata ou conjunto de relações e interações entrelaçadas entre si, mas como um conjunto de comunidades, grupos e indivíduos que a compõem) é nos dias de hoje absolutamente dependente do mundo/vida artificial criado pelo sistema tecnoindustrial. Simplesmente a humanidade não pode (nem quer) viver nem sobreviver sem os “avanços” feitos pelo progresso científico-tecnológico-industrial, mesmo que para a sociedade do consumo tecnoindustrial sustentar-se a natureza selvagem tenha que pagar o preço com sua destruição.

A humanidade não irá renunciar por nada seu estilo de vida descontrolado e insaciável, em sua cabeça não há lugar para pensamentos sobre o impacto negativo que causam ao meio ambiente e a vida selvagem. De qualquer forma, é tarde demais para corrigir qualquer coisa. Os pactos ambientais, as campanhas das ONGs, a reciclagem e o falso ecologismo promovido pelo chamado “Capitalismo Verde” são inúteis e uma fachada para descarrego de consciência. Enquanto isso as notícias recentes afirmam que 60% da vida animal selvagem em todo o mundo foi eliminada desde 1970 até os dias de hoje. (2)

Portanto, a humanidade moderna em si é parte do problema, já que sua forma de vida representa uma ameaça extrema à natureza selvagem. Por estas e outras razões nos posicionamos como inimigos da humanidade.

Nós nos alegramos em ver como esta sociedade sucumbe ante a desgraça e sua própria decadência, e também como as atividades criminosas e o canibalismo social tomam conta das metrópoles. Nos alegramos em ver como o selvagem se vinga implacavelmente açoitando suas cidades e seus indefesos cidadãos com terremotos, vulcões, tempestades, inundações, incêndios e outras catástrofes, lembrando-lhes quão insignificantes são todas as suas realizações humanas.

Nos alegramos quando nossos dispositivos detonam no meio de suas malditas áreas urbanas e aterrorizam os cidadãos, quando vemos que nossos cúmplices em outras partes do mundo continuam a espalhar o vírus da ideia e a ação individualista extremista. Nos alegramos com o rastro das vítimas e a destruição que vamos deixando para trás.

Isso foi uma amostra do que está por vir. Com isto enviamos uma mensagem, não apenas às autoridades estatais ou à sociedade, mas a todos aqueles que se posicionam como nossos inimigos. Não trememos a mão na hora de derramar sangue. Não mostraremos consideração nem misericórdia com nossos inimigos.

Nossas palavras e nossos atos escandalizaram a muitos, até mesmo aqueles que se proclamam “anti-sociais”, niilistas e blá blá blá. Eles tem um duro discurso contra a complacência e o servilismo da cidadania, enchem páginas de palavras hostis contra a massa e a culpabilizam por ser cúmplice do sistema, mas arrancam os cabelos se um civil é ferido ou morto, e que neste momento já passa da categoria de “cúmplice do sistema” a “vítima inocente”. Evidentemente não esperamos que nos entendam nem que compartilhem ou justifiquem o que dizemos ou fazemos. De qualquer modo tampouco pedimos o apoio nem a aprovação de ninguém, quer gostem ou não.

Não somos um punhado de revolucionários nobres nem uma guerrilha bem-intencionada que luta pela justiça, igualdade ou alguma outra ilusão humanista. Não estamos aqui para solucionar problemas, senão para criá-los. Somos um instrumento implacável de vingança da Natureza Selvagem.

Dedicamos nosso atentado em memória do guerreiro Kevin Garrido, que já vive eternamente em nossa memória e em nossos atos.

Força aos individualistas em guerra contra o existente!
Força a nossos irmãos e irmãs de ITS na América e Europa!

Nada acabou, voltaremos…

Individualistas Tendendo ao Selvagem – Atenas

-Seita Iconoclasta

Notas:

(1) https://www.zougla.gr/greece/article/ekriksi-sto-kolonaki
(2) https://www.lifo.gr/now/perivallon/213206/i-anthropotita-sarose-tin-agria-zoi-eksafanisame-to-60-ton-allon-plasmaton-mesa-se-liges-dekaeties

Mais notícias:

https://m.chron.com/news/world/article/Greek-policeman-injured-in-small-explosion-13492730.php
https://www.wsj.com/articles/bomb-explosion-in-athens-fuels-fear-of-new-generation-of-terror-11545907002?mod=hp_lead_pos10

(Video) Manual para el terrorista: Sobre-bomba

Video enviado al correo.


Video manual con las instrucciones para confeccionar un sobre-bomba. A dos meses de que ITS-Chile incrustara fierros en carne humana con su feroz atentado, estas son las instrucciones gráficas de los extremistas para desatar el Caos.