[PT] (Argentina) Comunicado 73 de ITS: Constelações Selvagens Se Posiciona

Membro de Constelações Selvagens com algumas armas e materiais para fabricar bombas.

Traducción al portugués del comunicado 73 de ITS.

Tomamos a palavra para fazer alguns esclarecimentos sobre uma nota feita por TN, programa de televisão da Argentina em que entrevistaram a Gastón Cavanagh, o jornalista que nos contatou no marco do G20.

I. “Estranha denominação”

Somos Individualistas Tendendo ao Selvagem, “Individualistas” porque nossa luta é por nós mesmos, não pelo povo, a massa ou algum grupo oprimido. Lutamos contra a civilização e a humanidade já que sua existência leva à destruição da natureza selvagem da qual somos parte. Muitos não querem ver, mas cedo ou tarde será evidente já que a forma na qual vive nossa espécie é insustentável, estamos cavando a nossa própria cova e a das outras formas de vida neste planeta.

Os mesmos cientistas que trabalham a serviço do progresso vem há décadas alertando a humanidade sobre as consequências de suas ações. Estamos vivendo a sexta extinção massiva de espécies na história deste planeta, maior que a que ocorreu com os dinossauros. No ano de 2007 a ONU anunciou que cerca de 150 espécies se extinguem a cada dia, e estudos mais recentes elevam esta cifra para cerca de 900, enquanto isso 14.000 hectares de floresta foram cortados apenas no dia de hoje. Com os humanos as coisas também não vão muito bem, os suicídios estão na casa dos 3.000 a cada 24 horas e no mesmo período 22.000 pessoas morrem de câncer, a doença da era moderna. Estes números servem para mostrar a hipocrisia de uma sociedade para a qual “uma única morte é tragédia e um milhão de mortes é estatística”. Neste contexto não deveria ser incomum que algumas pessoas optem por adotar uma postura consistente contra toda esta porcaria de sistema. Assassinamos a 8 pessoas, ferimos mais uma dezena, isso não é NADA comparado ao alcance destrutivo do sistema tecno-industrial, que no tempo em que levamos escrevendo este texto cobrou mais vidas que nossa organização nos 8 anos em que tem operado.

“Tendendo ao Selvagem” é sobre recuperar as ações de resistência de nossos antepassados nativos, aqueles que sabiam que era evidente que a chegada há 500 anos daqueles homens brancos e estranhos em suas embarcações trairia apenas devastação e miséria. Se trata de rejeitar a moralidade que impõe a sociedade e valorizar o natural em detrimento do artificial. Agora é possível ver jovens a bordo da moda “eco-radical”, simpáticos a causa mapuche ou defendendo o feminismo da quarta onda, que vão a manifestações e fazem publicações ameaçantes nas redes sociais, onde juram vingança e morte contra os “machos/especistas/polícia” ou o inimigo da vez. Nós vamos pelas ruas e vemos uma asquerosa instituição que promove a nanotecnologia, a qual será utilizada depois para a domesticação ou destruição da natureza ou para perpetuar a nociva existência humana e em vez de estarmos descarregando nossas frustrações no Facebook/Twitter ou nos afogando em drogas como a maioria dos covardes esquerdistas fazem, fabricamos uma bomba caseira e a deixamos na porta para que sintam as consequências de suas ações. Ou seja, ao contrário das pessoas comuns, assumimos uma atitude frontal contra a aberração moderna em que vivemos. Podem ficar indignados ou nos condenar na mídia, no caso dos jornalistas é o que devem fazer. Mas lá no fundo sabem do que estamos falando, cedo ou tarde a conta deverá ser paga. Quando não mais haja água limpa, quando as florestas morrerem e os mares e rios secarem, saberão que a loucura não estava em se opor a esta forma de vida, mas em perpetuá-la.

II. Nossa Guerra e Nossas Contradições

Tocamos brevemente neste ponto para não sermos muito repetitivos. Usamos a tecnologia, vivemos vidas normais, temos smartfones, carros, casas, computadores. A civilização com sua forma de vida nos dominou, não temos ilusões de mudar isso e pelo contrário, usamos as vantagens da vida civilizada (o companheirismo, preconceitos pela aparência, solidariedade promiscua, etc.) para desenvolver nossas atividades terroristas. Se quiséssemos mudar o sistema através das escolhas de consumo tal como propõe a estúpida moda verde, seria contraditório o que fazemos, mas nossa única meta é semear o caos, e qualquer meio é aceitável.

III. A Ameaça Invisível

Não está claro para a mídia se deveria nos levar a sério. As reações dos Estados aumentam esta “sombra” que cobre as atividades eco-extremistas. No México, onde nossos irmãos tem estado assassinando o lixo humano desde o ano de 2011, lá conseguiram ignorar em cheio a nossa existência, e agora que governa um partido populista esta postura seguramente irá se intensificar. Por um lado isso outorga maior impunidade aos grupos que demonstraram sua capacidade para atacar com explosivos industriais como C-4 e dinamite, pistolas de diferentes calibres e até metralhadoras, mas por outro dificulta que a ameaça eco-extremista se expanda, embora apenas parcialmente. No Chile deixam de concentrar todos os esforços em nos encontrar para negar a nossa existência ou plantar estranhas teorias conspiratórias. Isso se deve a total ineficácia para pegar aqueles que levam mais de três anos zombando das agências de segurança nacional realizando seus atentados embaixo de seus narizes. Na Argentina deram ampla difusão a nossos atos, mas recuam quando se trata de relacioná-los a nós e a nossas reivindicações. Estamos pensando em estratégias para reverter esta situação.

Em dezembro de 2017 enviamos um pacote-bomba ao reitor da UTN. Naquele momento não revelamos esta informação já que pensávamos em atacá-lo novamente, mas mudamos de ideia depois de descobrirmos que as autoridades sabiam a quem estava dirigido o pacote, algo que não foi disseminado na mídia e que apenas pudemos saber graças a nossos informantes. Os trabalhadores da central de Monte Grande relataram como as porcas e parafusos saíram como balas logo após a explosão perfurando outras encomendas, e como a pessoa mais próxima saiu voando devido a onda explosiva, deixando uma pessoa com o ouvido estourado e outra ferida no ombro. Se o pacote tivesse sido aberto por Guillermo Oliveto em seu escritório e a centímetros de seu corpo como havíamos planejado, não é difícil imaginar qual teria sido o resultado. Então podem ter medo de nós ou nos ignorar, enquanto os sonhos humanistas se vão pelo ralo os piores monstros seguirão espionando no horizonte.

IV. Proliferação do Eco-extremismo

O eco-extremismo na Argentina tem sido uma ameaça intermitente, no ano passado nós não reivindicamos nenhum ato, não atacamos, mas a ameaça existe, com a paciência dos ancestrais esperando sua chegada quando menos esperem. Por enquanto foi a vez da Sociedade Secreta Silvestre e seu atentado que semeou o pânico em Brazlândia, seguido pelo sanguinário envelope-bomba da Horda e todo o impacto que teve. Nossa hora também chegará.

Individualistas Tendendo ao Selvagem – Argentina

Constelações Selvagens

Notas:

https://www.lavanguardia.com/natural/20170711/424052148874/sexta-extincion-especies-reduccion-poblaciones-animales.html

https://elpais.com/sociedad/2007/05/22/actualidad/1179784806_850215.html

https://www.natura-medioambiental.com/cuantas-especies-se-extinguen-cada-dia/

http://www.worldometers.info/es

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.