[PT] Grécia: Conspirar

Tradução de um texto escrito por “K.”, um ex-anarconiilista (agora um Individualista Egoísta) de Atenas, Grécia.

“No alto da colina, a cidade aparece em uma extensão branca…”

Nós havíamos conspirado.

Nós tínhamos testemunhado o momento, para agir, mas logo tudo estava perdido.

Lembra, tudo se perdeu por causa de um infame.

Naquele dia ele havia descido de seu lugar existencial, e eu sabia o que ele queria nos dizer: fugir, mas era tarde demais. Ele, um infame, já havia fugido, seguira o seu próprio caminho, e como não coincidia com o nosso, então ele teve que nos sabotar por isso.

Lembra quando nos chamaram “nechayevistas”? Somente em um lugar como Atenas pode haver uma definição similar para aqueles como nós, aqueles que tinham o niilismo anarquista em seu sangue.

Apenas alguns meses antes das “Forças Revolucionárias Populares Combativas” matarem a dois membros da Golden Dawn, seus músculos que pouco antes estavam ligados a seus corpos estavam agora roxeando…

Na época desfrutei da ação contra as duas escórias fascistas, agora posso dizer que são apenas dois humanos a menos na face da terra.

Lembra de Kirillova que estávamos falando?

Aqui está o fim de um infame, morrer sem o uso da Justiça no meio, a prática da vingança, ela deve ser servida como um prato frio.

Eu o estava buscando depois que ele vacilou conosco. Onde estava escondido como um rato? Me perguntei onde poderia estar em meio a dezenas de ruas de Atenas.

Ele sentiu que eu estava procurando por ele, passei pela Praça Amerikis e lá só vi dois caras trocando dolinhas de heroína, que apertaram as mãos e saíram andando pelas ruas intricadas daquela área. Mas nada dele, ele não estava naquele lugar. Nos dias seguintes cruzei o grande parque Pedion Areos perto de Exárchia e investiguei minuciosamente a área, olhando em cada canto, e depois de caminhar à Zografou cheguei até a universidade e avistei o dormitório. Eu sabia que ele poderia descansar ali… dissolvido como o vento.

Em Atenas o crime é forte e possui um código que diz que os infames devem ser assassinados… mas eu nunca pilhei de fazer perguntas sobre porque eram coisas completamente opostas, mas ainda sim tive que encontrá-lo.

Agora, em comparação com o dito anteriormente, creio que podemos usar uma forma de amoralidade individual, que não aceita tudo, mas que não julga tudo de uma maneira eticamente compreensível. Pessoalmente me oponho a usar a polícia, ou outros através de personagens que gravitam no mundo do submundo, que são os chamados espiões, para mim deve ser assim…

Você lembra de Kirillova quando planejamos o assassinato deste rato? Lembra quando adquirimos uma arma nas cavernas escuras de Omonoia?

Devemos ler esta metáfora com cuidado: “As chamas que extinguiram nossos pensamentos levantaram barricadas no vento, as chamas que corroeram nossas intenções se desvaneceram pouco a pouco, as chamas que queimavam em nossa consciência agora pertencem ao reino dos mortos…”

Não há nada que possa conter a força que deseja cravar um punhal no corpo de um infame, e não há nada que possa deter uma bala dirigida à cabeça de um traidor. Não há justiça para sustentar, não há honra que não possa levar a uma vergonha pessoal. Esta é a vida, estas são as regras do mundo do crime na cidade de Atenas…

K.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.