Tag Archives: Português

(en) A false escape

Traducción al inglés de “Un falso escape”, escrito hace tiempo por “Huehuecoyotl”.

Texto disponible también en portugués.


The lie of civilization is a hydra, each of their heads seeks the right moment to bite, to kill our wild instincts and make us become automatons that walk in the condition of accomplices. From this condition no one is exempt since we are all being within society.For us eco-extremists is a constant internal and ongoing war, where one tries to live away from social practices and values. Several of these practices are, for many individuals – even some who call themselves “anti-systems” – liberating, when in fact they are practices imposed by civilization. In this work I will refer to a social practice in which a large number of hyper-civilized and individuals with “anti-systemic positions” are immersed: life within a vice. These individuals find many reasons and justifications to carry that cyclical life. Fun, a measure against sadness, disappointment, “open the mind” and the most despicable for me; The quest for escape from reality.

Reality hits us constantly, we live in a world where the road to death is getting more and more shorter in a fast way. The boring and depressive everyday life to which a large part of the citizens are bound: stress, work, family, school, routine, transportation, traffic, etc. In order to face all these sorrows they look for “escapes”, something that let them breath and make forget those bad times. It would be a mistake to think that these escapes which become part of a cyclic life, are only ingested substances.
The great technological domination is a strong pillar of the cyclical life, it has become “normal” to be able to see young people who for most of their life go with the cell phone in hand – that literally – as slave and chain.
Sinking in a virtual “world”, with virtual friends and a strong addiction to social networks, which can not last for a few minutes without checking them. Total dependents of cell phones and social networks – within these the morbid and opulence dictate day to day- this is how goes a big part of society, especially the youth
towards a life of progress and technology. Wishing within their cellular devices the “ideal life” they would like to have, while around them everything alive still perishes.
Their ideal life is summed up in non-stop consumerism, in banal relationships, an existence where everything is assumed as
a truth and nothing is subjected to criticism. The youth is already lost, they are so dependent on both the cell phone and alcohol. I see no hope in the future. Some would illusively think that future generations, upon seeing the great destruction of Wild Nature, would reflect and opt for a life antagonistic to the one established within the techno-industrial civilization. This is incredible to me. The “youths” who for the stupid leftists are biologically revolutionary, are also in the condition of hyper-civilized, carrying out the same actions as adults, engaged in their studies, leaving all his vitality for the “great” progress of mankind, a progress that is a few steps from the cliff. If young people are “our” next revolutionaries, where would their revolution go, and what if the modes of production are changed, in any case production continues.
And with this revolution … What revolution could do a young one that most of his existence is attached to a technological device? How would the idea of ​​ “the organized people” be valid, if this “people” are chained to the technologies, and continue to perpetuate the lifestyle within the canons of the techno-industry. That this is not a confusion, as an eco-extremist I do not try to establish a revolution that collapses techno-industrial civilization as a “response” or a “better” revolution. So why criticize the idea of ​​a revolution ?, or why criticize young people who feel revolutionary?
I believe that in some young people there is a feeling of guilt or indignation at what they consider to be injustice. So, they choose to appropriate ideologies that propose a change …, fill their heads with revolutionary ideas, and live on the basis of utopias, mere yearnings. This is still an escape fromreality, ignoring the present decadent reality and waiting for the revolution that will come. They live in their eternal dream, I do not see the difference of a person tied to some video game, that some other tied to the idea of ​​the revolution, both ignore the here and now. Because thinking about their virtual world, as in their most fair world that will someday come, keeps their minds occupied, and in the second “revolutionaries” heals them from their deep guilt. For many, this statement I make here will be bothersome, alarming and outrageous. They will respond euphorically that unlike those who remain within virtual reality, they as revolutionaries do analyze reality and face it. Is that true? How real will be their confrontation against reality, if in their social networks in the eyes of everyone spread their work apparently, without fear of being apprehended, a “real” confrontation against reality gives the possibilities of expressing your positions everywhere? Even some get use to drink and party while they keep “standing up in the struggle”, how funny is the way to face the reality of those “revolutionaries”. We eco-extremists, we know that we are at constant risk, that our words and actions are uncomfortable for citizens and authorities. We know that the forces of order that operate in the different territories where the savage eco-extremists attack are behind us, which is why we always wake up, we reject everything that distorts our reality because we accept it and face it even if is totally depressing, for this reason that several individualists set out to spread their knowledge on how to survive within civilization. We continue to keep out of the jail, we continue to conspire from within their cities.

Breaking with the revolutionary illusion is not easy, but as long as one lives in it, the present reality is ignored, everything becomes so utopian that the now is forgotten. The revolution they promulgate will never come, the Human has lost its natural condition and has become an automaton that works for the progress that destroys the Nature. How long will these young people realize the illusion in which they live? I do not know, perhaps they will continue their whole lives pursuing the phantom of the revolution, because it is only that: a dead idea.
I spoke of those chained both to the virtual world, and to those who are dragging the chains of longing. Both despicable to me, both looking for false exits to the existing reality.
Others, who are plentiful in all cities, some of them falling into hypocrisy when speaking of antagonistic positions to reality with the bottle in hand and his body infested by psychotropic substances.
There are plenty of them and their reasons are many: For escaping from the regrets of life, for the sake of happiness, happiness that, as various eco-extremist communiques have already said, is totally false. In their total condition of hyper-civilized, they are not able to carry on any coexistence unless there is a substance that alters their perception of reality. A nauseous and false escape, where only the modes of “fun” imposed by civilization are perpetuated, sad are those who seek to heal their pains by getting sedated wildly. It seems that the techno-industrial hydra speaks, from his bleeding mouth come the words that command his slave: If you are sad, get on drugs! If you wish to be happy, take drugs! In spite of all or any insatiable desire for amusement, civilization offers a great deal of psychotropic substances. The total triumph: if you want to be rebellious, the same, take drugs! and the fierce warrior who could get in a war against reality, will end up transmuted to a docile slave, the hydra laughing pronounces his sentence:
Civilization has triumphed, the warrior is already sedated! There is no “freedom” in a cyclical life, many ignorant will catalog these words of moralism, it would be a mistake to think that as an eco-extremist I reject these substances because I consider it “bad” to ingest them. They will try to justify themselves in millions of ways, justifying their chains. These words are not a question of morality, since I position myself as an amoral being. These words are born of contempt, contempt for cyclical life, substances and practices that lead to that life, feel so alive when they are so dead, so dependent on a substance or a practice without which to live them It is impossible. It is not a question of morality, much less than we frighten and catalog these practices as “bad”, is mere contempt for their “liberating” activities, which are no more than a shortcut to cyclical life. So far, these words will stop for now, there will be more time to go deeper into the critique of cyclical life and the different ways in which it is presented.

Forward terrorist critics!
Long live the eco-extremist amoral war!
Death to the cyclic life of the hyper-civilized!

Huehuecoyotl
Fall 2016

 

(es-ελ-en) El mito del veganismo

Traducción al griego y al inglés de un viejo texto de crítica al veganismo, esa dieta civilizada moderna que solo alimenta los sueños progresistas de los humanistas de cagada.

Traducciones tomdas de “Animus Delendi”.

Disponible también en portugués.


El mito del veganismo (1)

“El veganismo es una filosofía de vida que excluye todas las formas de explotación y crueldad hacia el reino animal e incluye una reverencia por la vida. En la práctica se aplica siguiendo una dieta vegetariana pura y anima el uso de alternativas para todas las materias derivadas parcial o totalmente de animales”

Donald Watson, miembro fundador de la Vegan Society (Sociedad Vegana).

Este pequeño texto no cuestionará la irracionalidad de las ideas y valores (2) de la filosofía vegana. En esta ocasión demostraremos que el veganismo es un mito en la Sociedad Tecnoindustrial y cómo es un estorbo para entender y actuar por la verdadera Liberación Animal (3).

El veganismo es un mito. Nada, ni nadie, es vegano dentro de la moderna Sociedad Tecnoindustrial. Sin embargo, son muchos los ingenuos que se creen este mito, creen que sus alimentos, vestimenta, calzado, productos de higiene y belleza, aparatos tecnológicos, libros, música, bicis… y toda la basura industrial que consumen compulsivamente, es según “vegana”.

Pero en realidad esto no es así. Toda esa basura industrial denominada “vegana”, no podrá contener materias de animales no humanos, vale, pero sí contienen, o mejor dicho, sí colaboran con la explotación animal, humana y no.

Entonces, si retomamos nuestra definición anterior de veganismo, “…una filosofía de vida que excluye toda forma de explotación y crueldad hacia el reino animal…”, es evidente que no se es coherente con la filosofía, porque se colabora con la explotación sistemática del reino animal, así que, el veganismo es un mito.

Los autodenominados “veganos” son muy ingenuos al no analizar, cuestionar y entender el funcionamiento de la compleja realidad, y del gran y complejo Sistema social en el que vivimos.

Todo alimento o producto que provenga de la moderna Sociedad Tecnoindustrial, no está libre de colaborar con la explotación y domesticación sistemática del reino animal y ambiental.

Las semillas, frutas y verduras que produce y distribuye la moderna Sociedad Tecnoindustrial, no son veganas, ya que la moderna agricultura industrial necesita

a) Deforestar grandes extensiones de tierra fértil para aprovechar la fertilidad de ese suelo y convertirlo en un campo de cultivo. Deforestar significa; destruir el ecosistema que ocupaba ese suelo. Se debe talar, o incendiar la vegetación de ese ecosistema. Después, se necesita asesinar, capturar, domesticar, desplazar o hasta extinguir, a las diferentes especies de animales de ese ecosistema. Esto aniquila todas las complejísimas relaciones e interacciones que mantenía ese ecosistema en sí mismo (ecosistema y habitantes), y la relación que ese ecosistema mantenía con otros ecosistemas, y con el planeta en general.

b) Ya que se tiene el campo de cultivo listo, se necesitan a los campesinos que trabajarán la tierra, se necesitan sus herramientas (máquinas o animales no humanos de trabajo), se necesitan las semillas (autóctonas o transgénicas) que se sembrarán, se necesita el abono (natural o industrial), se necesitan los insecticidas (naturales o industriales), se necesita el agua de riego, etc…

Y una vez obtenida la cosecha se vende a los intermediarios, ellos la transportarán, almacenarán y distribuirán, hasta que por fin esa semilla, fruta o verdura, llega al establecimiento comercial en donde los “veganos” las comprarán.

Entonces, para poder realizar todo este proceso, es necesario utilizar la gran y compleja división del trabajo de la moderna Sociedad Tecnológica, y en todas estas grandes y complejas relaciones existe explotación y domesticación sistemática del reino animal y ambiental.

Algunos “veganos” podrán argumentar en su defensa que las semillas, frutas y verduras que consumen, no son de origen industrial, sino de un huerto orgánico, vale, pero si ese huerto utiliza tecnología moderna para la producción, almacenaje y distribución de sus alimentos, y si para poder adquirirlos hay circulación de dinero, inevitablemente se sigue colaborando con las dinámicas de explotación y domesticación sistemática, animal y ecológica.

Tal vez, las semillas, frutas y verduras realmente veganas, son las que cosecharía uno mismo con técnicas como; la permacultura o la jardinería orgánica, y con el uso de herramientas o tecnología sencilla. Ya que solamente así, se dejaría de depender del Sistema Tecnoindustrial, y se renunciaría a sus mecanismos de poder, control, domesticación y explotación sistemáticos, pero la mayoría de los autodenominados “veganos” no siembran su propio alimento.

Los autodenominados “veganos” dependen de la moderna Sociedad Tecnoindustrial para poder llevar a cabo su dieta. En la Naturaleza Salvaje ningún animal determina de qué manera se alimentará, esto en gran medida lo determina el entorno natural en donde se desarrolla. La dieta omnívora de los animales humanos no ha sido una elección, sino una necesidad de supervivencia, un requisito para poder sobrevivir en distintos entornos, comer lo que haya, lo que se pueda comer. El organismo humano no es especialista, es oportunista, y su dieta omnívora lo demuestra.

El animal humano domesticado en su jaula civilizada, sí es capaz de decidir cómo alimentarse (dieta vegetariana, vegana, frugívora o carnívora), pero para que esto sea posible necesita colaborar y mantener su condición de animal humano domesticado al servicio del progreso del Sistema Tecnológico.

Ningún vegetariano, vegano o frugívoro, sobreviviría como el animal humano realmente libre que debería ser, en el entorno donde debería desarrollarse (Naturaleza Salvaje), con ese tipo de dieta.

La mayoría de los autodenominados “veganos”, tal vez, no se consideran a sí mismos como lo que realmente son: animales humanos.

Y también es muy cierto que los que luchan por la “Liberación Animal”, no luchan por su propia Libertad Individual Salvaje, no cuestionan para nada su propia condición de animales humanos domesticados.

Si las semillas, frutas y verduras que nos ofrece la moderna Sociedad Tecnoindustrial no son veganas, mucho menos sus demás productos nocivos de origen industrial: vestimenta, calzado, productos de higiene y belleza, libros, música, bicis…

Un análisis similar podría ser aplicado a los productos engañosamente llamados “verdes” o “ecológicos”.

Ningún producto proveniente de la moderna Sociedad Tecnoindustrial es vegano, y mucho menos ecológico.

Los autodenominados “veganos” podrán seguir engañando, y engañándose a sí mismos, podrán seguir dependiendo del Sistema de domesticación y explotación sistemática.

Podrán seguir denunciando las condiciones de esclavitud de los animales no humanos, sin ver ni denunciar su propia condición de animales humanos domesticados al servicio del Progreso Tecnológico.

Ven las jaulas de los demás animales, pero son tan ciegos para ver la moderna jaula civilizada en la que vivimos.

Podrán seguir luchando inútilmente por la “Liberación Animal”, sin luchar primero por su propia Libertad Individual Salvaje. Es bastante gracioso como un animal domesticado pretende liberar a otros animales.

Podrán seguir defendiendo y promoviendo las ideas y valores del Sistema Tecnológico (izquierdismo), buscando así solo mejorarlo con sus inútiles reformas, y no destruirlo definitivamente.

Podrán seguir consumiendo compulsivamente sus productos, o alimentos nocivos industriales supuestamente veganos.

Todo esto, solo engañará y tranquilizará de alguna manera su consciencia, pero en realidad no hará nada por intentar atacar a la domesticación y explotación sistemática del reino animal. Ni mucho menos hará nada en contra de la domesticación, devastación y artificialización sistemática de la Naturaleza Salvaje.

Frente al irracional fraude que resulta la teoría y la práctica vegana, nosotros hemos decidido:

Renunciar al consumo innecesario, reutilizar los materiales ya producidos y dejar de depender del Sistema Tecnológico, desarrollando nuestra propia forma de vida autosuficiente, lejos de los valores de la jaula civilizada y lo más cerca de nuestra Libertad Individual y la Naturaleza Salvaje.

Por la verdadera Liberación Animal
Fuego a las jaulas, fuego a la Civilización

R Feral
Primavera 2013

Notas:

(1) Esas ideas y valores a los que nos referimos, son: animalismo sentimentalista, anti especismo, biocentrismo, hedonismo, la religión, el izquierdismo, la supuesta naturalidad del vegetarianismo en los animales humanos, ecología social, misantropía etc.

(2) Cuando hablamos de veganismo en este texto, lo hacemos refiriéndonos a todas sus “diferentes” vertientes, desde el “veganismo burgués”, hasta el llamado “anarcoveganismo”.

Y desde el movimiento por la “Liberación Animal” reformista, hasta el movimiento por la “Liberación Animal” abolicionista o radical (ALF Animal Liberatión Front – FLA Frente de Liberación Animal).

Los activistas del ALF-FLA podrán argumentar que ellos no son reformistas porque son de acción, pero la verdad es que son idénticos a quienes conforman el movimiento por la “Liberación Animal” reformista que tanto critican. Son reformistas por defender y promover los mismos valores del Sistema Tecnológico (izquierdismo), ellos no buscan destruir al Sistema Tecnológico, solo pretenden mejorarlo, y lo peor es que no son conscientes de ello.

(3) Por Liberación Animal nosotros entendemos: Animales humanos y no, que desarrollan su vida en Libertad, en su habitad Natural y Salvaje.

________________________________

Ο μύθος του βιγκανισμού (1)

“Ο βιγκανισμός είναι μια φιλοσοφία της ζωής που αποκλείει όλες τις μορφές εκμετάλλευσης και βασανισμού στο ζωικό βασίλειο και συμπεριλαμβάνει το σεβασμό για τη ζωή. Στην πράξη εφαρμόζεται ακολουθώντας μια καθαρά χορτοφαγική διατροφή και ενθαρρύνει τη χρήση εναλλακτικών μεθόδων για όλα τα αγαθά που προέρχονται εν μέρει ή εξ ολοκλήρου από τα ζώα ” Continue reading (es-ελ-en) El mito del veganismo

(pt) REVISTA ANHANGÁ

Con orgullo criminal presentamos la Revista Anhangá, escrita en portugués y editada cuidadosamente, es uno de los tantos proyectos de difusión que se han estado presentando últimamente en estos medios, y que, con los cuales, se videncia la creciente extensión de las tendencias eco-extremista y nihilista terrorista.

¡Animamos a la propaganda, y a la actividad terroristica contra la civilización!

DESCARGA LA REVISTA:

https://mega.nz/#!qtVhiZzK!BImoUICDLC5rxzuHnqr8nGYOA86KC-SPGK5A0WMAa6k

DESCARGA LA REVISTA EN PDF (DESCARGA DISPONIBLE SOLO POR UN MES):

http://z7zbg7sxhxfergpo.onion/emighicvitngjjqjj45u-phirtffda5mbwq5j

REVISTA ANHANGÁ


Editorial


O esporo do eco-extremismo nas indomáveis terras do sul faz brotar mais um projeto contra a civilização e o progresso humano. É com grande soberba que apresentamos o início do criminoso Editorial Ponta de Lança, uma iniciativa oculta de abrangência lusófana que servirá para alçamento da guerra eco-extremista entre os e as individualistas falantes da língua portuguesa. Num rumo niilista e eco-extremista o projeto servirá para elevar a teoria e prática do eco-extremismo principalmente por meio da publicação revelada neste instante, a Revista Anhangá: Em Guerra Contra a Civilização e o Progresso Humano Desde o Sul.

Anhangá, espírito que os antigos tupis depositavam sua crença. Para os nativos, um violento protetor do mundo selvagem, para os jesuítas, a manifestação maldita do diabo cristão. Segundo saberes antigos, Anhangá é uma entidade metamórfica que pode assumir as mais diversas formas, podendo adquirir fisionomias animalescas e até humanóide, mas se manifestando comumente na forma de um veado branco com olhos de fogo. Anhangá é um maldito espírito errante que vagueia pelas florestas, é amaldiçoado pelos cristãos e temido principalmente por aqueles que devastam as matas “para além do equilíbrio”. Quando este espectro atroz percebe destruições no mundo selvagem ou se depara com caças desnecessárias se escuta no local um assovio estridente que faz com que presas caçadas desapareçam instantaneamente mata adentro, restando apenas o humano frente a esta visagem pagã. Impiedoso, Anhangá pune com fúria todos aqueles que interferem na natureza para além de seu necessário, podendo levar sua vítima à loucura por meio da atormentação, às vezes lhe impondo uma intensa febre e a matando, nunca deixando impune os que ousam profanar o selvagem. Anhangá é traiçoeiro, por meio de tocaias ataca os profanadores das matas, e lhes causa feridas e confusão sem ao menos ser percebido, pois investe desde as sombras. Vê-lo, ouvi-lo ou sequer presenti-lo torna-se o prenúncio da desgraça. Segundo dizeres tupis, se deparar com este maldito espírito é sinônimo de culpa, uma autoria que é sempre recordada através da agonizante vingança.

Tida como infernal e muitas vezes comparada ao demônio cristão, é esta temível entidade que resgatamos e tomamos o seu nome para ferozmente intitular o nosso projeto editorial de difusão da Máfia Eco-extremista e Niilista, uma iniciativa que orgulhosamente servirá de suporte para a consolidação do projeto internacionalista de ITS nestas terras amazônicas e em outras regiões lusófanas.

Nesta publicação a teoria eco-extremista será detalhadamente apresentada juntamente com toda a sua base fundamental. Nos concentraremos inicialmente na explicação do que é o eco-extremismo em si, de modo cru. Importantes textos complementares poderão ser conferidos no desenrolar desta revista. Temas como revolução, primitivismo, individualismo, veganismo, amoralidade, violência indiscriminada, paganismo etc., serão discutidos no corpo desta publicação. E longe de ser uma mera iniciativa propagandística a Revista Anhangá é uma pura apologia ao crime e, resumidamente, a prática delinquencial, terrorista e ancestral. Nós potencializamos a praxe eco-extremista, valorizamos a ação individual acima de tudo. Esta iniciativa é para os que escutam o chamado sagrado das montanhas, dos rios, do fundo das florestas, dos céus, da terra e dos seres silvestres, é para aqueles e aquelas que escutam o eco do indômito rogando por violentos atentados contra os híper-civilizados e todo o seu lixo tecnológico acumulado nos cemitérios cinzas de concreto e aço habitados pela espécie mais repugnante deste planeta. Esta é uma publicação para individualistas de coragem que elegeram a guerra extremista contra a civilização e toda a sua artificialização como o único caminho a ser seguido em vida, é para quem escuta o grito de seus antepassados aborígenes que deram guerra ao progresso humano e que tomam partido desta mesma guerra no agora sem esperar por dias melhores, abdicando de ideias utopistas, posições esquerdistas ou salvações messiânicas, é para egoístas que crêem que o seu “eu” estará sempre acima de qualquer coletivo, norma ou código social e moral, é para misantropos que querem ver a espécie humana varrida da terra e suas pegadas apagadas da história terrena, é para quem deseja resgatar e reviver as práticas de seus ancestrais guerreiros e as crenças pagãs dos antigos, é para os individualistas que renunciaram ao ocidentalismo e para qualquer ecologista extremista que deseja agir sob profunda vigança diante do progresso tecnológico-humano que a tudo dilacera.

Como Anhangá nós eco-extremistas desde as sombras assumimos as mais diversas formas para dilacerar e matar as nossas presas humanas em repentinas tocaias. Como Anhangá nós individualistas terroristas vingamos a destruição que o progresso tecno-humano gera ao mundo selvagem, atacando mortalmente a nossa própria espécie e a suas criações. Como Anhangá somos uma ameaça invisível que vagueia pelas florestas e asquerosas urbes amaldiçoando a destruição causada pelo antro e maldizendo as suas próprias edificações. Como Anhangá exaltamos o indomável, oculto e o desconhecido, venerando todo o belo pertencente às profundezas do selvagem, e por isso, inspirado neste espírito, apresentamos esta revista.

A intitulação e a criação deste projeto surge também inspirado numa outra iniciativa sulista aparecida há pouco tempo, a Revista Ajajema. Ajajema é o espírito maligno que acreditavam os Alacufes patagônicos, o espírito da destruição que tinha ao seu domínio as forças da natureza. Nos baseando nesta iniciativa decidimos também resgatar do profundo esquecimento uma temível entidade das terras de Pindorama (nome que os antigos indígenas destas terras davam ao “Brasil”), o metamórfico Anhangá. Portanto, desde estas terras amazônicas saudamos os ferozes individualistas responsáveis pela Revista Ajajema, um caloroso abraço a todos eles, foram para nós uma fonte de inspiração. Tanto quanto esta iniciativa sulista a Revista Regresión, desta vez, do norte, igualmente nos influenciou, e inclusive se ofereceu para valiosamente contribuir com alguns importantes detalhes desta publicação. Agradecemos a todos estes wachos que se disporam a nos ajudar. Nós agradecemos também a todos os manos cúmplices que contribuíram com este projeto, a “Espectro”, “XXX”,  “Nẽn-pé”, a “Tuira”, minha companheira e cúmplice, e a todos os outros manos que elegeram o anonimato e dispensaram citações, mas que fizeram contribuições cruciais. Sem vocês este projeto não poderia alcançar esta elevada qualidade final.

Que a civilização trema com a invocação de Anhangá bem como o Chile ardeu em chamas após a chamada de Ajajema. Esta entidade maldita é agora resgatada para dar continuidade a guerra contra o progresso humano nestas terras. Como o maldito Anhangá os eco-extremistas estão de tocaia nas cidades e nas florestas afiando os seus punhais, preparando as suas bombas, venenos, objetos pontiagudos e cortantes e carregando as suas armas para desferir fogo, balas e bombas contra tudo o que é civilizado nesta guerra amoral e indiscriminada. Dormente há muitos anos Anhangá agora desperta cuspindo cólera e com os seus olhos ardendo em chamas, reparando que o progresso tecno-humano engoliu a quase toda a beleza do mundo e percebendo que não há inocentes em meio a toda esta desgraça.

Estamos vivendo numa era de extremos, a Natureza Selvagem indiscriminadamente abala e derruba as estruturas e tecnologias criadas pela espécie humana, reclamando o que sempre foi seu e provando que nunca haverá espaço no mundo para a existência de civilizações. Bem como o indômito avança por cima das urbes o extremismo ecológico se expande pelos quatro cantos da terra. A máfia internacionalista dos ITS já se encontra enraizada pelas Américas e possui cúmplices de sangue na Europa e na Ásia. Mais individualistas surgem a cada dia do abandono das antigas crenças utópicas esquerdistas e tomam partido nesta guerra amoral de vida ou morte, sepultando de uma vez por todas o velho anarquismo e até mesmo a já cansada “nova anarquia”. A era das revoluções acabaram, as utopias falharam e atacar é o que resta. Achar que o eco-extremismo poderá ser erradicado é insensatez.

Ademais do que já foi falado isto é, antes de mais nada, pelos Jê. É por vocês, meus irmãos e irmãs guerreiros e guerreiras Xakriabás. É por esta ancestralidade perdida e por suas crenças menosprezadas pelos ocidentalizados. Poucos restam de vocês, muitos foram os que caíram em guerra ou foram profundamente humilhados. Aqui e agora reivindico a ancestralidade Xakriabá. Que os híper-civilizados paguem com suas vidas por suas ações, pois isto é e sempre será, até a tua morte ou a minha.

Verão de 2017

Por Jê.

(pt) Argentina – Segundo comunicado das Garotas Hostis à Civilização: reivindicação de incêndio a um trem

Traducción al portugués del segundo comunicado de “Niñas hostiles a la civilización”, adjudicándose un atentado incendiario en el tren de Buenos Aires, Argentina.

Traducción a cargo de “Anhangá”.

¡Fuego y más fuego a la civilización!


20 de fevereiro do ano gregoriano de 2017, e voltamos a atacar. Anteriormente havia sido um miserável carro que ardeu devido o nosso fogo incivilizado, já hoje ele se espalhou a um vagão de trem. Às 21:45 subimos tranquilamente na máquina, observando atentamente a cada detalhe, e com os olhos atentos ao nosso redor deixamos o nosso presente incendiário-explosivo, o qual se ativou de forma exitosa, queimando alguns bancos e danando também a parte lateral e superior da máquina, juntamente com o seu sistema de ventilação. Um veículo da imprensa disse que foi uma falha técnica, como é comum nestes casos, mas NÃO, foi NÓS GAROTAS. Provamos mais uma vez o doce sabor da destruição e isso não poderão arrancar de nós nem com todas as mentiras do mundo.

“Apesar da dor, nos fizeram um favor, ficamos mais ligados quando entendemos a razão” – N.D.

efr_oij78-320x192 jhy678trf-270x480 skj1ubifg_0x750-318x480

A destruição de suas máquinas é o que chegou a suas vidas como resposta iminente diante do ataque constante que exercem contra a natureza selvagem.

Seus transportes transportam o ser humano sobre a terra devastada e colonizada, convertida em propriedade/cidade, seja a curta ou longa distância. O transportam em distâncias e em velocidades forçadas, falsas, que nosso corpo poderia alcançar naturalmente. Transportam a multidão cidadã, levando-a a uma cotidianidade funesta, levando-a a seus centros de domesticação, seja o trabalho ou qualquer ponto do cemitério cinza (cidade). São as responsáveis, assim como todas as máquinas, pela destruição da natureza selvagem, promovendo a artificialidade que infecta a terra, representando a sofistifação daqueles transportes que chegaram pela primeira vez a terras não colonizadas e, portanto, responsáveis e cúmplices da existência e perpetuação desta civilização… Fico imaginando: humanos civilizados, vazios, movendo-se como pragas por lugares indômitos e inexplorados, aaargh!! Que nojo!

E agora, igualmente vazios, se atrevem a ironicamente comparar um avião com o mágico vôo de um pássaro, que possui asas reais. Se atrevem a querer se impor sobre a natureza, atravessar as condições, arrasar com o selvagem, tudo com a intenção de obter os recursos que outras espécies possuem. Se atrevem a ultrapassar seus “limites” humanos, quando são os seres mais domesticados e civilizados desta terra. É por isso que seus transportes ardem! Não são igualáveis as asas de uma ave e as patas de uma lebre! Ardem suas máquinas propagadoras da colonização, ardem seus preciosos transportes tecnológicos, arde em chamas o símbolo da nação, arde o seu progresso, arde a cotidianidade, arde o seu pedaço de metal, ardem as suas jaulas, ardem em nome da vingança pela natureza selvagem.

Viemos para lhes entregar juntamente com o fogo em cumplicidade, a fúria que geraram com cada ataque à natureza selvagem, a cada animal que habita até o lugar mais remoto da terra. Há séculos a conquista e destruição seguem, e com esta ação lhes respondemos com um contra-ataque e defesa. Assumimos a guerra que vocês iniciaram contra a natureza. São cúmplices do dano produzido a ela, e como cúmplices, não merecem compaixão, nem vocês nem suas máquinas… Este não é um ato por dinheiro, não tem moral, não é nem político, nem revolucionário, e muito menos, humanamente lógico.

Muito tem sido especulado na imprensa sobre o nosso atentado. Disseram que foi pelas eleições sindicais, que foi uma falha técnica, que foi o motor, o sistema de ventilação, blá blá blá. A verdade é que este golpe que receberam, sim, foi totalmente intencional, e receberam de nós que nos assumimos como terroristas, e verdadeiras inimigas da sociedade. Isto não é uma piada, é MUITO sério. Queríamos fazer voar pelos ares o seu asqueroso tecno-lixo e deixá-lo em pedaços, queríamos incendiar a tudo por completo, queríamos que este fogo se expandisse o máximo possível, mas bem, será para o próximo ato. O combustível com gás butano foi uma pequena amostra, mas NÃO SABEM do que somos capazes.

Que fique claro de uma vez por todas, há seres que não toleram a subjugação do selvagem em busca do aperfeiçoamento da civilização e do progresso tecnológico. Haverá mais fogo, haverão mais bombas, haverão mais atentados, HAVERÁ MORTES, porque isto é uma guerra, a qual enfrentamos posicionadas ao lado das catástrofes naturais.

Aqui, presentes, inadaptadas à vida civilizada, com raiva no sangue rugimos, GRITAMOS!

Cumplicidade com a natureza selvagem e com todos os seres que atacam a civilização!

Por todo o extasiado, pelo não-civilizado!

Um carro, um trem, toda uma cidade, à luz da lua ARDERÃO!

Guerra de morte contra a civilização e os que a sustentam!

Que o manto do oculto apague os nossos passos!

-Garotas Hostis à Civilização

Notas:

1:Primeiro comunicado das Garotas Hostis à Civilização: http://maldicionekoextremista.torpress2sarn7xw.onion/2017/01/30/argentina-ataque-incendiarioexplosivo-contra-maquina/ (Tor)

2:https://ferrocarrilesdelsud.blogspot.cz/2017/02/la-justicia-investiga-el-incendio-de-un.html

3:http://www.infobae.com/sociedad/2017/02/21/la-justicia-investiga-el-incendio-de-un-vagon-de-la-linea-roca-en-constitucion/

4:http://www.clarin.com/sociedad/incendio-intencional-afecto-formacion-tren-roca_0_HJXtsEsFe.html

(pt) México – Vigésimo quarto comunicado de Individualistas Tendendo ao Selvagem

Traducción al portugués del comunicado 24 de ITS, reivindicando un incendio contra un bus con todo y pasajeros.

Traducción a cargo de Anhangá.

¡Fuego a la civilización!


Que se queimem todos. Todos e todas. Todos os miseráveis membros da civilização. Todas suas infraestruturas que estão sob esta maravilhosa terra.

Que se queimem todos por igual, mulheres e homens, estudantes e desempregados, donas de casa e empresários, ricos e pobres, sem importar a cor da pele, classe social ou gênero, porque no fim das contas todos são híper-civilizados, entidades vazias, miseráveis sacos de carne e osso que vagueiam sem pena nem glória, todos carregando o peso doloroso de uma existência efêmera e absurda.

Queimemos a todos os que pudermos, queimemos a tudo o que queiramos. Paixão perniciosa pelo incêndio, pesadelos incivilizados tornados realidade baixo o escuro céu, individualistas em guerra, eco-extremistas amorais, niilistas sedentos de vingança, únicos afins de sangue, incendiemos.

fytvgu65tty-320x132

Na manhã de 14 de fevereiro abandonamos um artefato incendiário dentro de um ônibus com rota destino ao metrô Rosário. O artefato fez o seu trabalho a altura do município de Tlalnepantla, Estado do México.

Se não fosse pelos heróis-civis que interviram, nosso fogo teria consumido totalmente esta maldita máquina. Desta vez houve apenas alguns danos, mas não importa, nosso olhar seguirá mirando à civilização e sua asquerosa cidadania.

Cumplicidade com a Máfia dos ITS, ânimo Clã Oculto Borda de Pedernal, Grupúsculo Indiscriminado, Seita Pagã da Montanha, adiante Sociedade Secreta Silvestre, força para os eco-extremistas da Horda Mística do Bosque após destroçar as carnes de seu egóico alvo.

Cumplicidade com a vingativa Célula Fogo Selvagem.

Que o fogo se extenda pela asquerosa urbe!

Que o fogo se extenda a zonas rurais ao detectar rastros de civilização!

Individualistas Tendendo ao Selvagem – Estado do México

-Ouroboros Silvestre

(pt) Chile – Vigésimo terceiro comunicado de Individualistas Tendendo ao Selvagem

Traducción al portugués del comunicado número 23 de ITS, en el cual, la terroristica Horda Mística del Bosque se dedica a callar más de una boca de los criticones de mierda.

Traducción a cargo de Anhangá.

¡Adelante con la GUERRA!


Passou-se pouco mais de um mês desde que nosso presente explosivo detonou e feriu o canalha do Oscar Landerretche. O letrado economista, progressista e esquerdista, (já que o próprio era militante do Partido Socialista) (a), titular de uma das incubadoras do progresso, por excelência, no caso, a Universidade do Chile, foi o merecedor de toda a nossa Vingança Selvagem.

Embora suas feridas tenham sido menores fisicamente devido a circustâncias aleatórias na hora de abrir o pacote (b), sabemos que emocionalmente as consequências foram tremendas tanto para ele como para o seu círculo familiar.

Na sequência de nosso inédito, original e certeiro atentado (que atraiu o interesse da imprensa a nível nacional e internacional) (c), muitas coisas foram ditas, algumas muito engraçadas, outras nem tanto. Tem sido dito que o nosso pacote foi um atentado de “falsa bandeira”, nos difamaram, nos menosprezaram, nos evitaram, se horrorizaram, se ofenderam, etc., etc., etc.

Devido a todas estas mentiras, críticas e demais coisas, é que decidimos nos pronunciar publicamente. Individualistas Tendendo ao Selvagem aproveita e aproveitará qualquer instância para difundir e fazer notável a sua presença, não temos problemas algum quanto a isso. Então, vamos lá:

I. Ato repudiável, diversas reações

– Obviamente não esperávamos menos da classe política e da população em geral, sabíamos que se espantariam com o nosso Selvagem atentado. Por isso que desde a presidenta Michelle Bachelet dizendo “que era um fato extremamente repudiável” (d), até seus discípulos e não discípulos fazendo declarações condenando energéticamente o fato (e), tudo isso para nós era algo enormemente esperado.

– Uma das reações que nos causou muitas risadas foi a do “partido ecologista verde” (f). Estes hippientos drogados tem a ousadia de ditar as normas “ecológicas” para o atuar. Por mais que queiram que sua “ecologia” não seja vinculada a nossa Ecologia, nunca conseguirão fazer isso. Pois nós SIM somos Ecologistas, mas dos extremistas, os que estão envolvidos em uma guerra de vida ou morte pela Natureza Selvagem. Seu “movimento ecológico” e suas regras não nos importam, para todas elas nós cagamos e andamos.

Certo, sigam marchando, sigam com suas denúncias, sigam levantando cartazes ou gritando em seus megafones, pois da nossa parte seguiremos com esta Guerra…

Se nossos atentados contribuem para que todo o lixo ecológico-social seja criminalizado, isso é genial. Matamos dois coelhos numa só cajadada.

Não sabem vocês quem foram os responsáveis? Então porque dizem que a bomba foi uma brincadeira de criança?

Se foi uma brincadeira de criança, então vocês podem fazer algo maior? Vocês tem a certeza de que os responsáveis não estão em suas fileiras? HAHAHAHA (g)

Outra reação parecida (só que mais asquerosa e aberrante), é um comunicado assinado por uma dezena de agrupações sócio-ambientais que apareceu num blog igualmente asqueroso (h), o qual não se vale a pena falar muito, porém amaldiçoamos todas as suas lutas pacifistas e sociais em “defesa da terra”. Esperamos que seu movimento sofra toda a criminalização possível, e que a repressão do estado (conceito comum entre eles) não os deixe nem respirar.

– Alguns se benziam pedindo que fosse um incidente isolado (i), mas eles não tem nem ideia, nem imaginam o desejo que ainda percorre por nosso corpo para desferir outro golpe. Este será para quando menos esperarem, contra quem menos espera, não será amanhã, MAS SERÁ. Os cabos positivo e negativo estão pacientes, esperando o momento do próximo contato…

– O presidente da Corte Suprema disse que nosso atentado foi “de uma gravidade tremenda, que pode mudar a história criminal e política no Chile” (j), aiaiai, meu jovem. Nós mostramos que com simples materiais é possível por em xeque um país inteiro (e não estamos exagerando), a frase do miserável acima comprova isso.

É neste ponto, é onde incentivamos aos individualistas de ação a saciar seus mais profundos desejos. Que a impossibilidade de ter ao alcance os meios mais sofisticados não os pare, se animem manos de ação, pois nada para esta guerra!

– Uns tipinhos “especialistas” em contracultura nos depreciaram e menosprezaram (k), diziam que por nossas faltas de ortografia “não era uma linguagem profissional de guerrilha urbana”, que não estávamos “no direito de defender o povo” e “lutar contra a injustiça”, entre várias outras coisas.

Primeiro, se supõem que um deles é um sociólogo que quis dar uma de escritor, e este diz não nos conhecer. Não nos importamos que não nos conheça.

Não vamos justificar nossas faltas de ortografia, tentamos escrever o melhor possível. Temos a certeza de que é possível compreender o que queremos expressar, e o mais importante é que nossos cúmplices e aguns afins que andam por aí compreendam. Esperamos que este texto saia sem nenhuma falha ortográfica para que deixem de chororô.

Repetimos e enfatizamos a nossa reivindicação de 13 de janeiro onde dizemos que não estamos loucos, pois atentamos com nossos sentidos em 100 por cento de funcionamento. Muitos nos chamam de “loucos” ou “dementes”, inclusive ele mesmo fez isso, só que aparentemente esse escritor de quinta categoria nunca se deu conta de nossa lucidez.

Dizer que queremos “ganhar a simpatia de ITS-México” é uma estupidez que apenas reflete seu desconhecimento absoluto. Bem, não se pode esperar algo muito certo de alguém que pensa que se tratou de um atentado de “ultra-direita”, (abordaremos isso mais adiante), que tem sua mente atrofiada pela luta de classes e outras merdas progressistas.

E sim, usamos sua própria tecnologia para atacar e difundir o nosso pensamento, não temos probemas morais com isso. Ou como acham que nossos ancestrais nativos travaram uma tremenda guerra contra os invasores? Se ocupando com as mesmas armas modernas, claro!

Parece que seu diagnóstico profissional sobre nosso clã errou, (como erraram as vendas de seu livro, que, aliás, nos deve os créditos de propaganda), com essa de que não temos redes para nos abastecer ou nos esconder. Temos más notícias para você, ainda andamos por aí, eu teria o maior cuidado ao sair do edifício no Marchant Pereira 1925, Providência. Cuide-se, ok? Careca filho da mãe.

Dizem que somos um grupo adolescente devido a nossa linguagem coloquial. Da hora, idiotas covardes, agora todos os manos sabem que somos adolescentes, isso é muito louco sim, mano ooooooh. hahaha estes especialistas de merda não tem nem ideia.

A este casal recomendaríamos que deixem seu expertis de lado quando forem falar de ITS, já que nós não vamos coincidir com nenhum de seus parâmetros, nem regras pré-dispostas. Somos uma complexa e hermética horda de Selvagens contra-revolucionários, misantropos, Niilistas, delinquentes….. Ahh, e adolescentes a partir de agora, sacou?

– Um cientista político que fala em nome do anarquismo (I) (mesmo sem ser um), vomitou umas declarações muito de acordo com sua classe, ou seja, torpes. Começa mentindo descaradamente, dizendo que os anarquistas não são parte de um movimento violento. Aparentemente este tipo de pessoa leu apenas León Tolstói e os anarco-cristãos. E o mais engraçado é que no final pretende nos insultar nos catalogando de seitas satânicas. Crê ele que nos taxando de místicos para nós é um agravo, só que muito pelo contrário, basta apenas ler o nosso nome, imbecil. Mais adiante disse que somos uma espécie de “Al Qaeda do ecologismo”, ohhhh isso não nos ofende, nos sentimos honrados.

II. A caça aos eco-extremistas

No dia seguinte da explosão do pacote-bomba, em uma reunião de última hora se juntam os chefes da polícia e da “inteligência” chilena (m). Nela os responsáveis pela segurança do estado arrancam os cabelos e se perguntam “como foi possível que um grupo internacional com um histórico nos tenha efetuado um atentado tão inédito”? A resposta é simples e como disse outros cúmplices: somos a AMEAÇA INVISÍVEL, estamos de tocaia esperando o momento preciso para cravar nossas presas. Conspirando nas sombras, com o som dos grilos e com a luz da Lua ao nosso lado.

Como esperado, lançam suas estéreis ameaças dizendo que “em breve irão nos capturar”, que é para a “cidadania confiar em suas instituições”, cueeekkk.

Enquanto isso, o promotor encarregado de investigar os atentados explosivos começa um intenso trabalho de coleta de informação, (n) desde resgatar material genético até revisar câmeras de segurança. As declarações dos promotores expressam o quanto será difícil encontrar alguma pista nossa, e em uma delas dizem que se trata de uma ação bastante planificada e sofisticada. Desde aqui dizemos: certo, sigam buscando material genético (o), sigam revisando as câmeras de segurança (p), sigam revisando as centenas de nomes, sigam e sigam, temos a certeza de que não encontrarão nada valioso.

III. Conspirações, falsa bandeira e ultradireita

Desta forma é como entramos em cheio na última fase após um atentado tão público como o nosso. Devido à falta de resposta e a ineficiência das investigações para encontrar os responsáveis pelo incidente, era óbvio que se começaria a desacretitação, as acusações de que somos uma “montagem do estado”, e várias outras teorias conspiratórias. Cabe dizer que, desde o início alguns imbecis nos acusaram de ser uma “artemanha do poder”.

Antes de mais nada, um dos principais teóricos da conspiração foi o próprio bastardo que ferimos, em uma de suas declarações para uma revista de sua mineradora (q), se encarrega de reforçar o que já vinham cochichando os nécios de sempre.

O infeliz cético de nossa existência desconfia se somos realmente os responsáveis por suas feridas. Defendendo sempre as mesmas teorias de que nosso ato foi uma montagem. Montagem de quê? Nunca explicam isso.

E sim, na verdade incomodou gente como nós, os que não estão dispostos a deixar passar batido os danos à Terra que causa a empresa que preside, por isso escrevemos isso e nos vangloriamos de tuas feridas. E sim, tu sabe muito bem ao que se deve estas crostas em teu corpo, sabe muito bem…

Este, que na mesma noite do ataque aparece com a maior cara de vítima (r), mostrando suas ataduras, (as que sem dúvidas mereciam adornar a cabeça ou a um olho), fazendo cara de malvado e dando declarações energéticas. Nosso presente não teve uma pitada de covardia, mas de violência teve muita, isso sim. E sim, conseguimos mudar a porra da tua rotina familiar e o teu miserável estado emocional (s). Sim, você teve “sorte” (e muita), as provas antes do atentado com este tipo de pólvora de fósforo e com menor quantidade geraram fortes explosões! Nem mesmo nossa mensagem oculta na apresentação do pacote gerou alarme. Obviamente queria apressadamente abrir o “presente” e ler com interesse o livro sobre mineração que lhe havia enviado o teu colega da FCFM, aaahahaha, pobre ingênuo.

Muitos menosprezaram a potência do explosivo, dizendo que o recipiente “era muito pequeno”, que “era muita pouca a pólvora”, ou que “esta pólvora produzia apenas incêndios”????? (t), e que “apenas buscávamos a atenção da imprensa”. Este último é verdade, não negamos que queríamos que todos falassem de ITS, obviamente queríamos propagar o nosso discurso, por isso reivindicamos quase que instantanemante a ação, mas o primordial era ferir o alvo o máximo possível.

O suposto baixo poder destrutivo da carga explosiva é desmentido por nossos próprios testes anteriores, e inclusive o próprio promotor encarregado da investigação reconhece que “o pacote poderia ter tido consequências muito mais graves” (u). As fotografias que os gambés tiraram de uma perfuração na cozinha e as janelas estouradas evidenciariam tudo isso.

Alguns politiqueiros do governo (e não políticos) como sempre em seu papel vitimista, hipócrita e pestilento levantaram a teoria de que nosso atentado foi executado por grupos de “ultradireita” (v). Estes miseráveis tem uma espécie de trauma com a detonação de bombas. Aparentemente cada explosão os recorda o bombardeio ao La Moneda em 73, e a seu inimigo número um, um certo Pinochet. Que entendam que não nos interessa merda nenhuma a “lei do cobre”, a “lei do ouro”, ou qualquer outra lei. A única coisa que nos interessa é devolver um pouco de todo o dano que infringiram à Terra empresas como a Codelco e outras.

Outros questionaram mais enfaticamente nossas “verdadeiras motivações” dizendo sem meias palavras que somos uma “conspiração de não sei o quê”, e de novo nunca explicam. Em uma reportagem da TV (nota t), exibem isso. Embora esta reportagem seja bastante completa, abrangendo grande parte da história de ITS desde 2011 até agora, tudo fica manchado com a ideia conspirativa exposta. É possível notar que leram um trabalho jornalístico que uma rádio fez sobre nós (w), em certas ocasiões são uma cópia descarada do próprio. Outra nota jornalística que também põe em dúvida nosso atentado, inclusive descarta a nossa participação (x), se baseia na ideia de que o presente foi enviado desde Chilexpress e não do Correios do Chile. Na moral, o que importa de onde foi enviado ou se permaneceu um dia inteiro num depósito, por acaso não é o suficiente as imagens anexadas em nosso comunicado?

A verdade é que todas estas difamações e acusações não nos surpreendem, sabemos bem como funciona a mídia de massa, não nos assustamos. Não nos faremos de vítimas acusando a mídia de mentirosa. Escrevemos estas palavras para evidenciar que seguimos na jornada Egoísta em defesa extrema da Natureza Selvagem, que estamos cagando para a inteligência policial. Seus promotores exclusivos são uma PIADA.

No momento nós iremos continuar, reapareceremos quando menos esperarem, que isso fique claro. Vamos ver se quando voltarmos os tolos de sempre seguirão nos chamando de “montagem”.

IV. O cabeceador revolucionário agride idosos

Como esperado, nem todas as reações foram da imprensa, nem de grupos sociais ou de políticos. Não! Faltavam as reações dos revolucionários anarquistas, ofendendo e atacando o que somos e defendemos (y). Desta vez, o preso revolucionário Joaquín García nos mencionou e se referiu a nosso atentado em uma caralhada de blogs de cunho contrainformativo-antiautoritário-amém.

Dizemos de uma vez por todas que não temos problemas com o fato de nos criticarem ou nos atacar. A esta altura já estamos acostumados, e de fato, até gostamos de ler as críticas (somos um pouco masoquistas, isso é fato). Mas se atravem-se a nos lançar merda, tenham em mente que nós sempre iremos devolver, e sempre de uma forma mais hedionda.

Na verdade, este prisioneiro não disse nada novo, falou mais do mesmo: a moral dos ataques, a consciência revolucionária, e demais lombras. Quando irão entender que nós não somos “revolucionários”, que não nos interessa a “revolução”? Este conceito está completamente obsoleto, não possui nenhuma validade no presente, quem acredita na “revolução” e pretende uma, deve questionar seriamente seus propósitos. Deve focar-se no aqui e no agora, sacudir a ideia de que já estamos no século XIX, e fazer um exame de sangue para descartar uma doença neurológica.

Nossos ataques não tem regras, nem moral nem nada do que você acredita, Joaquín. Por que segue questionando nossos métodos se temos “uma diferença irreconciliável entre os diferentes pensamentos”? (como você disse), já basta, não?

Este louco “odeia até o talo” o nosso discurso, porém aplaude, admira e saúda o nosso atentado. O quê??!! Esta declaração apenas reflete a sua complacência total. Por que não saudar as ações dos nazistas que tanto deve odiar? Você igualmente detesta o discurso deles, mas não saúda seus ataques? Que estranho…

Que bom que se distancia do nosso misticismo e de nossas crenças chamadas de absurdas, pois por um momento nos esquecemos de que o que este tipo de pessoa defende é o “mais” certo, “lógico” e “coerente” da terra. Por favor, não comecemos a falar de coisas absurdas que seguramente sairá perdendo, preso recapturado.

Para que saiba, levamos nossas crenças pagãs com o máximo orgulho, nós revivemos o misticismo de nossos ancestrais e fazemos com que ele seja o nosso. Enaltecemos todo o Selvagem e Oculto. Declaramos sem rodeios que a Natureza Selvagem é nossa autoridade, porque está acima de nós e de tudo que há na Terra. Ela é quem dita nossos passos e é ela que diz quando chegará a nossa hora.

Não sabemos porque estes anarquistas se incomodam tanto com nosso misticismo…. ou, na verdade, sim, sabemos; é por seu chocante e esqueroso ateísmo ocidental que tanto defendem como regra de ouro dos “sem regras”. Como uma prostituta agarrada ao pau de seu cliente, estes anarquistas não se separam nem um pouquinho de suas raízes derivadas do Iluminismo.

Agora que já sabe, melhor seguir dando cabeçadas em idosos, aliás, que bom que tenha dado uma cabeçada num velho, aparentemente neste momento se esqueceu de toda a sua chata “moral revolucioária” com a qual veda a tua boca. Olha e diz “aaaaaaai que mau é enviar uma bomba à casa de alguém sem se importar com a família”, mas é só bater em velhos raquíticos que te aplaudem!

Agora entendemos porque tua agressão foi elogiada por todos aqueles que hoje nos lançam merdas, toda essa coisa de esquerdistas fedidos, e é porque tua ação foi uma “cabeçada moral-revolucionária” executada pela ideologia “não-absurda” que defende, pffff!

V. Terminamos

Para concluir este comunicado, queremos dizer apenas mais uma coisa:

A ameaça do Eco-extremismo no Sul está mais latente que nunca, nosso atentado foi apenas uma faísca da fogueira que iremos acender. Embora nossos inimigos se cuidem e se entrincheirem, se escondam ou talvez até se esqueçam disso, nós seguiremos aí, observando-os, de tocaia para gerar mais feridas, mais terror, mais confusão, e na melhor das hipóteses, tornar realidade a primeira vítima mortal de ITS no Chile.

Com a Natureza Selvagem a nosso lado!

Vivam nossos Ancestrais e seus Espíritos Pagãos!

Que a Neblina das Terras Malditas do Sul siga apagando nossas pegadas!

Adiante Máfia Internacional dos ITS!

Individualistas Tentendo ao Selvagem – Chile

-Horda Mística do Bosque

Notas:

a)http://www.elmostrador.cl/noticias/pais/2017/02/02/ps-presenta-querella-por-atentado-explosivo-a-oscar-landerretche/

b)http://www.latercera.com/noticia/landerretche-quienes-provocaron-atentado-casa-lo-hicieron-lo-estamos-codelco/

c)http://derstandard.at/2000050754776/ChileOeko-Terroristen-bekennen-sich-zu-Anschlag-auf-Minenchef

http://maldicionecoextremista.altervista.org/reacciones-internacionales-tras-atentado-de-its-chile/

d)http://www.cooperativa.cl/noticias/pais/bachelet-por-atentado-contra-landerretche-es-un-hecho-repudiable/2017-01-13/195628.html

e)https://www.youtube.com/watch?v=GANJmcViIZM

f)https://www.youtube.com/watch?v=lgkP42CuOMY

g)http://www.biobiochile.cl/noticias/nacional/chile/2017/01/16/grupo-ecoextremista-resalta-amenaza-y-trata-de-miserables-hippies-al-partido-ecologista.shtml

h)http://kaosenlared.net/chile-organizaciones-del-ambientalismo-consecuente-repudian-atentado-a-landerretche-y-rechazan-calificativo-de-ecoterrorista/

i)http://www.latercera.com/noticia/presidente-la-cpc-aten:tado-landerretche-esperamos-sea-hecho-aislado/

j)http://www.latercera.com/noticia/dolmestch-ataque-landerretche-puede-cambiar-la-historia-delictual/

k)http://www.lanacion.cl/expertos-en-contracultura-describen-perfil-de-los-individualistas-tendiendo-a-lo-salvaje/noticias/2017-01-16/174412.html

l)http://www.quepasa.cl/articulo/opinion-posteos/2017/01/la-mayoria-de-los-anarquistas-no-son-violentos.shtml/

m)https://www.youtube.com/watch?v=dcEuzm2s9yo

n)http://www.biobiochile.cl/noticias/nacional/region-metropolitana/2017/01/23/fiscalia-lidera-diligencias-para-precisar-lineas-investigativas-de-atentado-a-landerretche.shtml

o)http://www.latercera.com/noticia/buscan-adn-restos-biologicos-hallados-bomba-enviada-landerretche/

p) https://www.youtube.com/watch?v=ACw9agbqgeE

http://www.24horas.cl/nacional/paquete-explosivo-a-landerretche-habria-sido-enviado-desde-chilexpress-de-san-joaquin-2261156

http://www.latercera.com/noticia/landerretche-fiscalia-pide-informacion-chilexpress/

q)http://www.latercera.com/noticia/landerretche-grupo-se-atribuyo-atentado-puede-una-fachada/

r)http://www.t13.cl/noticia/politica/oscar-landerretche-fue-atentado-realmente-muy-violento-y-cobarde13

s)http://www.quepasa.cl/articulo/ojos-de-la-llave/2017/02/las-medidas-de-seguridad-de-landerretche-pos-atentado.shtml/

t)https://www.youtube.com/watch?v=jhwLMtVfL8U (min. 10:05)

u)http://www.t13.cl/noticia/nacional/fiscal-guzman-indico-atentado-oscar-landerretche-es-muy-grave-e-infrecuente

v)http://www.cooperativa.cl/noticias/pais/policial/atentados/camilo-escalona-apunto-a-la-ultraderecha-como-autora-de-atentado-a/2017-01-19/114944.html

w)http://www.biobiochile.cl/noticias/nacional/chile/2017/01/18/que-es-el-eco-extremismo-analisis-de-individualistas-tendiendo-a-lo-salvaje.shtml

x)http://www.eldesconcierto.cl/2017/01/17/no-fueron-los-ecoterroristas-investigacion-descartaria-participacion-de-its-en-ataque-a-landerretche/

y)https://es-contrainfo.espiv.net/2017/02/06/prisiones-chilenas-comunicado-del-companero-joaquin-garcia-chanks/

(pt) Como um terremoto: deliquência generalizada estremece o estado do Espírito Santo

Noticia en portugués sobre los recientes estallidos de violencia delincuencia en el estado de Espírito Santo, en donde los saqueos y las muertes han tenido un repunte preocupante para las autoridades en el último periodo, esto, aunado a las masacres en cárceles por parte de grupos criminales rivales como el Primeiro Comando da Capital (PCC), y el Comando Vermelho (CV), que se han peleado a muerte en diferentes estados de Brasil.

Al parecer, la sociedad brasileña está en plena descomposición, los valores fundamentales que hacen que la civilización se mantenga firme se desmoronan por las mismas contradicciones del sistema, la civilización regresa a la barbarie y el caos y la muerte reina entre las favelas en forma de:

decapitaciones:

http://www.bestgore.com/beheading/rival-stabbing-beheading-primeiro-comando-da-capital-braziil/

sicariato:

http://www.bestgore.com/murder/gas-station-security-guard-shot-dead-arm-man-campinas-brazil-cctv/

http://www.bestgore.com/murder/three-security-guard-shot-harmonia-do-samba-concert-salvador-brazil/

suicidios:

http://www.bestgore.com/suicide/brazil-police-livestream-suicide-shot-head-facebook/

desmembramientos

http://www.bestgore.com/murder/brazil-inmate-hold-hand-beating-heart-rival-gang-member/

peleas mortales

http://www.bestgore.com/beheading/aftermath-video-prison-riot-boa-vista-roraima-brazil/

y demás.

¡A festejar la decadencia de la civilización!

¡Por el ahondamiento de la crisis y la muerte de los valores comunes!


xespirito-santo-caos-jpg-pagespeed-ic-vgpq_ensei-webp

A cidadania ainda bastante aterrorizada tenta aos poucos voltar à “normalidade”. Uma paralização de pouco mais de uma semana das forças policiais do estado do Espírito Santo fez eclodir o Caos total por toda a região que logo foi completamente dominada pela delinquência generalizada.

Num curto espaço de tempo ocorreram quase 150 assassinatos (média de 14,5 por dia), 200 carros foram roubados, inúmeros comércios foram arrombados, invadidos e roubados por bandos delinquenciais e cidadãos comuns tendentes à criminalidade, arrastões por todas as partes ocorreram, centenas de roubos, assaltos e sequestros de pessoas foram registrados, ônibus foram postos em chamas, serviços públicos se encerraram, necrotérios lotaram de corpos e até um convento foi roubado e um frei de 80 anos foi amarrado e espancado. Ruas ficaram vazias, civis permaneceram sitiados em suas casas, mercados e lojas tornaram-se locais desérticos. O terror-pânico dominava a mente da massa cidadã que indignada reclamava nas redes sociais trancada à sete chaves dentro de suas casas enquanto lá fora uma tormenta criminal ocorria e a tudo devastava.

O prejuízo total à cidadania pode ultrapassar os 300 milhões de reais e deixou um rastro de destruição e terror. O Caos foi tamanho que houve a necessidade de intervenção das tropas federais de segurança no estado.

Nos alegra ver os civis fugindo aterrorizados e a cidadania abalada como se fosse atingida por um sismo. Nos alegra ver a vida cidadã esquartejada. Nos alegra ver o Caos total dominando as suas asquerosas cidades que um dia sepultaram maravilhosos bosques milenários.

Nós eco-extremistas estamos pelo Caos total nesta miserável civilização e enaltecemos qualquer ato criminoso que sequele o corpo do sistema tecnológico-industrial e desta maldita sociedade. Nós niilistas e eco-extremistas tendentes ao amoral e indiscriminado terrorismo enaltecemos a delinquência generalizada e incentivamos o seu mais elevado grau de manifestação!

Pelo plantio do Caos Total na Civilização e no Sistema Tecno-industrial!

Pela expansão do Terror e da Delinquência Generalizada!

Morte à cidadania, morte aos valores sociais, morte à civilização!

___________________________________________________

Da imprensa:

Ampla maioria de mortos no ES era homem e vivia na Grande Vitória

u4bm5vm0k0tu2x55ale44fiy2005789

Dos 145 assassinatos registrados durante a crise de segurança, 91 ocorreram na região metropolitana; quase nove em cada dez vítimas eram do sexo masculino.

Pelo menos 145 pessoas foram mortas no Espírito Santo em dez dias de paralisação da Polícia Militar – do dia 4 de fevereiro, quando as mulheres dos policiais passaram a bloquear a saída dos batalhões, até a última segunda-feira -, segundo levantamento do Sindicato dos Policiais Civis (Sindipol/ES). A “greve branca”, como definiu a Justiça, resultou na maior crise de segurança pública já vivida pelo Estado.

A média de 14,5 mortes desse tipo por dia é muito superior à registrada em todo o ano passado, que foi de 3,2. A grande maioria das vítimas foi de homens (88%) – veja quadro abaixo. O governo estadual, comandado por Paulo Hartung (PMDB), prometeu, mas ainda não divulgou um levantamento oficial da violência no período.

As sete cidades da região metropolitana de Vitória foram palco de 91 mortes. O município de Serra foi, disparado, o campeão – 32 vítimas. Em seguida, vêm Cariacica (20), Vila Velha (19) e a capital (11), todas na mesma área. No interior, o município mais violento foi São Mateus, no norte do estado, com nove assassinatos. Em Nova Venécia, no noroeste, foram oito.

O bairro Morada de Laranjeiras, na cidade de Serra, foi o que mais registrou mortes – seis pessoas foram assassinadas, no total. O segundo é Aribiri, em Vila Velha, com cinco.

Além dos assassinatos, durante os dias de grave, comerciantes do Estado tiveram suas lojas saqueadas e acumularam um prejuízo de cerca de 4,5 milhões de reais. Além dos saques, roubos e furtos também se tornaram rotina no dia a dia do capixaba. Logo nos primeiros dias da greve dos PMs, era possível se observar ruas vazias e comércio fechado. Órgãos públicos e bancos funcionaram com o expediente reduzido, e escolas adiaram o início do ano letivo no estado.

Na segunda-feira, o frei Paulo Engel, 80 anos, foi amarrado durante um assalto ao Convento da Penha, em Vila Velha, na região metropolitana de Vitória. Nesta terça-feira, no entanto, já era possível ver PMs nas ruas e a ordem parecia estar sendo restabelecida. Os ônibus também já voltaram a circular em Vitória, na região metropolitana e interior.

(pt) México – Vigésimo segundo comunicado de Individualistas Tendendo ao Selvagem – Torreón

Traducción al portugués del comunicado número 22 de ITS, ahora desde Torreón, reivindicando atentados incendiarios contra iglesias y el abandono de un paquete-bomba contra la empresa de biotecnología “Sanki”.

Traducción a cargo de Anhangá.

¡Ánimo delincuencia!


“E que morra quem espere.”

T.

E que morra quem espere e apenas aguarda o momento “perfeito” para atacar… Outra vez rompemos o silêncio e a tranquilidade que goza a cidadania, nos movemos e conspiramos como a ameaça invisível que somos, e sim, ITS de fato está em Torreón.

A civilização caminha e seus fiéis lacaios seguem os seus passos, aperfeiçoando-a e seguindo com sua perpetuação. Já não temos nenhuma esperança de que a humanidade moderna se volte contra a civilização tecno-industrial; já que esta segue mais cega que nunca aplaudindo os grandes avanços tecnológicos que lhe prometem o futuro que sempre imaginaram ou fizeram imaginar desde criança -sim, aquele com carros voadores e robôs servindo o humano-, só que houve uma pequena mudança no presente, agora é o ser humano que serve as máquinas, seu corpo se encontra escravizado por elas, sua mente já é incapaz de se separar dos aparatos tecnológicos que permitem estar em dia nas redes sociais. O “humano”, este ser que para muitos é o mais inteligente, o grande ser superior a todas as espécies profanas, é agora o escravo de sua própria criação. E dentro de sua visão antropocêntrica tanto faz a destruição das outras espécies e da própria Natureza, contanto que o avanço para o futuro tecnológico se desenvolva.

Apesar do grande avance tecnológico e do presente artificial que aponta apenas para o seu próprio reforço e aperfeiçoamento em um futuro próximo, há aqueles que decidiram declarar guerra a este desenvolvimento humano que tende à artificialidade total e anseia viver em um mundo onde o cinza da tecno-indústria acabe com todo o traço de Natureza Selvagem, assim como já está sendo feito. Nós decidimos rechaçar essa vida que a civilização já tem preparada, pois desde que o humano nasce ele é formado nos valores que a civilização tecno-industrial cataloga como “bons”. Esses conceitos de “bem” e “mal” são rejeitados por nós, e exatamente por isso não acatamos nem sua ideia nem sua prática da moral, é por isso que ao vermos o humano se esforçando para acabar com o natural e perpetuar o artificial, não sentimos remorso em atacá-lo, pois esta guerra não é pela espécie humana, nem buscamos uma reestruturação das relações sociais, nem queremos humanos amantes da natureza, esta guerra é contra o humano e seus múltiplos conceitos, representações e instituições, ou seja, é contra a civilização em sua TOTALIDADE.

A civilização tecno-industrial se encarregou através de várias ferramentas de anular toda a capacidade crítica na cabeça dos híper-civilizados. É tão comum para eles acordar, dirigir até o trabalho ou escola, trabalhar, voltar para casa, dormir e assim levar cada um de seus dias sem se questionar absolutamente nada, sem questionar no que se converteu o humano moderno. Eles talvez se sintam vivos e cheios de alegria, mas nós não enxergamos mais do que robôs, estão apenas à espera da mais nova tendència que a civilização ditará para segui-la sem questioná-la ou se opor. E muito menos se dão conta de que ao perpetuar a civilização que dita suas tendências por diferentes meios, estão destruindo a Terra e tudo o que habita nela. Mas para os híper-civilizados o que importaria se eles tem sua cerveja e sua realidade virtual? O que importa a devastação das florestas e selvas se eles seguem montados em carros admirando infinidades de celulares? A eles não importa nada disso, então, por que deveríamos nos importar com suas patéticas vidas?

Como bem disseram nossos irmãos de sangue do “Grupúsculo Indiscriminado” e “Grupo Oculto Fúria de Lince”, aderentes a ITS, no décimo oitavo comunicado:

“Desde que o ser humano tornou-se sedentário ele foi condenado à sua própria extinção. Este mundo não necessita de mais pessoas, não necessita que o ser humano siga vivendo nele, para que haja um mundo mais belo é necessário a extinção do ser humano. Embora saibamos que isso está um pouco longe de acontecer, é possível que ocorra. Sabemos que nós NÃO acabaremos com a massa humana, mas enquanto pisarmos nesta Terra trateremos de assssinar a maior parte da massa humana, é por isso que atentamos em áreas com muita afluência.” (a)

O mundo não necessita de pessoas. Nenhuma atividade responsável com o meio ambiente será uma salvação, o humano NÃO é o salvador da Terra, é SEU destruidor. O humano moderno está tão determinado em seu anseio de ser Deus que usa de todos os mecanismos possíveis para alcançar isso. Agora suas inovadoras ciências posicionam o humano moderno mais perto de ser este “Deus” que tanto desejam se converter ou já se sentem, e para isso fazem o uso da nanotecnologia e da biotecnologia. As novas ciências surgem com a bandeira do humanismo prometendo “salvar” os humanos de doenças crônicas e alcançar uma melhora em sua qualidade de vida por meio destas inovações tecnológicas, mas, o humano moderno já está tão programado que nem sequer tenta questionar a ciência, e ela não é nada inocente, existe um interesse por trás dela. Ao ver o que estamos vivendo podermos refletir que aquela vida “mais cômoda” que promete a ciência é, na verdade, a artificialidade do todo existente. A comunicação nesta sociedade moderna se tornou “mais fácil” com o aprecimento das redes sociais, mas qual foi o resultado disso? Um mar de híper-civilizados que não podem dar mais de dois passos sem olhar na tela do celular. Portanto, em troca de uma “comodidade” vem uma atividade que tende ao artificial, por isso nos questionamos: Quão verdadeira será a comunicação com outra pessoa dentro das redes sociais? Por acaso esta “comodidade” oferecida pelos telefones não é viciante? Em troca de uma “comodidade” surge uma dependência no objeto que oferece a dita “comodidade”.

Assim como escrevemos anteriormente, a civilização já tem preparada a vida que o humano moderno levará, todas as estruturas dentro da civilização trabalham em prol de que o humano seja totalmente dócil e obediente. Uma das estruturas mais importantes, ao menos no México, para que esta civilização siga seu curso, é a igreja, já que esta contribui como uma ferramenta de subjugação através da moral e o temor à Deus. Por mais de 500 anos disseram o que é o “bem” e o que é o “mal”, por mais de 500 anos pisotearam as deidades dos antigos nativos e imporam a crença popular a seu Deus ocidental. A nós não nos assusta o seu Deus ocidental, tentamos manter vivas as crenças dos antigos nativos, crenças que não seriam entendidas pelas mentes ocidentalizadas dos seres humanos modernos. Assim como faziam nossos ancestrais, nos infiltramos em suas igrejas e deixamos algo que lhes ajudará a recordar que nós rimos de seu Deus.

– No dia 20 e 30 de dezembro de 2016 abandonamos dois artefatos incendiários em uma igreja localizada no centro de Torreón, um com um pavio caseiro e o outro que seria ativado por meio de um sistema de relógio. Não sabemos exatamente o que houve, o mais provável é que tenham sido fustrados. Ambos os dispositivos foram silenciados pela imprensa e as autoridades.

clock-320x397 inglesia-320x412Desprezamos o discurso “empreendedor” que adotam muitos humanos modernos a fim de conseguir seus mais banais desejos que são promovidos pela civilização, tais como; conseguir um bom carro, uma boa casa, trazer o relógio mais ridicularmente grande e caro, e não esquecendo, claro, alcançar o éxito econômico. Nesta ocasião decidimos atacar a uma empresa pouco conhecida no México, embora cresça cada vez mais, se trata da empresa Sanki, mais uma das que promovem o consumo e o aperfeiçoamento da nanotecnologia e biotecnologia por meio de seus produtos “milagrosos”, os quais levarão os híper-civilizados a melhorar sua “qualidade de vida”. Aparentemente, os líderes desta empresa não podem ser mais enjoados com o discurso empreendedor que manejam, o qual deixa evidente que para eles o mais importante é gerar mais e mais lucro à custa da descrença e idiotice alheia. A sujeitos como Fabián Meléndez, Jaime Ortega, Gerardo del Castillo e María Cassasa, o que importa o dano que causa e que causará o progresso nanotecnológico à Natureza Selvagem? Está mais do que claro de que não se importam com isso. Que respeito podemos ter pela vida de alguém que declara amar um tablet iPad? Sim, nos referimos a vocês del Castillo e Cassasa. Que se cuidem os membros da Sanki, tavez os eco-extremistas já assistiram a distintos “summits” organizados por vocês e nem se deram conta.

– No dia 1 de fevereiro de 2017 várias forças policiais foram mobilizadas em Torreón, Coahuila. O motivo: é emitido uma alerta de bomba em uma praça comercial. (b) Por meio deste comunicado assumimos a colocação do pacote-bomba que gerou a mobilização. A imprensa mente como já é de costume ao tratar de temas que atentem contra a ordem contidiana da sociedade. O “Siglo de Torreón” menciona que se tratava de uma bomba falsa (c), e nós desmentimos totalmente esta versão. O pacote que ao ser aberto detonaria estava dirigido ao líder da Sanki em Torreón: Fabián Meléndez, é por isso que o artefato foi abandonado nas imediações dos escritórios da Sanki. Infelizmente o pacote foi encontrado por alguém que avisou as forças de segurança que o desativaram rapidamente. Não se tratou de nenhuma bomba falsa, esta era real. Por que será que os policiais municipais não esperaram a chegada da SEDENA (Secretaria da Defesa Nacional) e optaram por deixar o local com o pacote? Claramente a versão de que se tratava de uma bomba falsa é mais conveniente em tempos próximos de eleições. Meléndez merecia que o pacote explodisse e os pregos enferrujados que estavam lá dentro perfurassem o seu corpo. Desta vez falhou, mas que lembrem-se disso aqueles que atentam contra a Terra em nome do progresso e do sucesso. NADA acabou.

alarmatorreon-320x213 wajaja-320x242Seguiremos conspirando e atacando, o eco-extremismo se expande. Escondidos desde suas cidades até as mais distantes montanhas sentimos o rugir do selvagem dentro de nós. Até as últimas consequências, até que matem al último eco-extremista, mas sempre tenham em mente: A Natureza Selvagem será vingada!

Peça defesa extrema e indiscriminada da Natureza Selvagem!

Que os pacotes-bombas se multipliquem!

Pelo terror e a morte dos híper-civilizados!

Pela expansão do eco-extremismo e do verdadeiro niilismo terrorista!

Cumplicidade e abraços aos compas de ITS Chile, Jalisco, Cidade do México, Estado do México, Brasil e Argentina!

Cumplicidade de sangue com os niilistas terroristas na Itália!

– Individualistas Tendendo ao Selvagem – Torreón

Clã Oculto Borda de Pedernal

Torreón, fevereiro de 2017

(es-pt) Reivindicación de ataques la civilización en Brasil

Traducción del comunicado del “Grupo de Hostilidad contra la Dominación”, en donde dichos individuos se hacen responsables de varios ataques incendiarios y vandalismo en contra de varios objetivos.

Desde “Maldición Eco-extremista” apoyamos este tipo de actos y este tipo de palabras, deseando que se generalicen hacia cualquier lugar que haya resquicio alguno de artificialidad y civilización.

¡Fuego para la civilización y sus estructuras artificiales!

¡Muerte a la subyugación de lo Salvaje!

_________________________________

Somos sobrevivientes de las masacres de la dominación. Vagamos por matas y encontramos otrxs errantes del progreso, del capitalismo verde y democrático. Recorremos las cercas de las haciendas, atravesamos pequeñas matas y nos alimentamos como los pumas atacando sus rebaños.

En este lugar de la tierra, volvemos a estar más cerca del sol, la temperatura sube, todo lo que está vivo siente. Los mocororós (higueras infernales) sueltan sus semillas, la maleza se esparce y brota por todas las grietas. ¡Somos nosotros! Vida salvaje que resuena pequeña y débil en medio de tanto cemento y vida preestablecida, pero que se expande y puede roer estructuras.

Como la tempestad de final de la tarde que arrasó Porto Alegre en enero de 2016, seguimos a lo largo del año provocando estragos en el buen funcionamiento del sistema de dominación. Incendiando antenas, bancos, retroexcavadoras, destruyendo monumentos de guerra.

Somos parte de los bandos que están atentos a los vampiros que saquean y alucinan con transformar todo en dinero. La inmensa red del sistema de dominación que lo hace funcionar cada día está alrededor nuestro. Estamos con la mirada atenta y el olfato agudizado por la venganza. En donde alcanzamos a entrar por detrás de las líneas enemigas dejamos nuestro recado, si lo hicimos nosotrxs qualquier unx puede. No te contentes con soñar mientras duermes. ¡Abre los ojos! ¡Estás tan vivo!

Cuando caía la noche del 7 de agosto/2016 invadimos la casa nº 89 de la calle Joaquin Nabuco. La vasa vacía, abrigaba en el fondo una torre de telefonía celular de la Oi. Incendiamos la base de la antena y su conexión hacia un conteiner. Las llamas altas, que vimos ya desde la calle, quemaron, en ese momento, la estupidez y la artificialidad, ese cañón de alienación y ondas cancerígenas.

Dos días después, en la fría noche del 9 de agosto, invadimos el estacionamiento del edificio Carlos Gomes Center, en la calle Soledade nº 550, barrio Bela Vista. El edificio de 18 pisos queda en un recoveco exclusivamente para ricos, con fuerte seguridad y monitoreo. Una fortaleza de lujo con oficinas de “alto padrón empresarial”, “buena imagen corporativa”, ambientes climatizados, alfombrado, con “elevadas especificaciones técnicas”, helipuerto, un centro comercial, financiero, bancario, jurídico, en donde el alquiler puede costar 85 mil reales.

En este templo del capital residen sedes de bancos apasionados por el agro-negocio, por la expansión del sistema de dominación, por nuestras desgracias perpetuas. Bradesco Private Bank, Sicredi, Espacio Private Santander, Itaú BBA con atendimiento coorporativo, está también el barón del cemento Votoratin Private Bank, los señores del caucho como el Banco Vipal y también gigantes del agronegocio como el Banco John Deere, mayor fabricante mundial de máquinas agrícolas y el banco De Lage Laden Brasil con intereses para el financiamiento industrial y del agro-negocio, salud privada y desarrollo de tecnologías, DLL que es una cola del grupo holandés RaboBank.

Residen ahí empresas internacionales de financiamiento y crédito así como “compañías de asociados”. Hay una oficina de la Bellenzier Pneus, otro magnate de la goma.

Un devastador de la tierra, de los mares, de todo, de alto potencial destructivo y tan necesario a la sociedad de consumo y de espectáculo mantiene su oficina en esta fortaleza. La Braskem, gigante de la industria del plástico y otros derivados de petróleo, que devasta agrede día y noche con los productos y residuos de sus polos petroquímicos.

Llega muy apropiadamente la posibilidad de alcanzar con las manos otra corporación inmensa, con un rol destacado en la ampliación del sistema de dominación, la Siemens que se proclama “referencia en la forma de electrificar, automatizar y digitalizar el mundo”. Su actuación en el mundo es una parte feroz de la misma expansión del capitalismo. Devorando tierras y personas con sus telégrafos, trenes, componentes electrónicos, turbinas. Invierte en la automatización industrial, en el sector energético, equipamientos hospitalarios, sistemas de vigilancia y monitoreo. Es la mayor corporación de tecnología integrada en el mercado brasilero, mantiene fábricas, centros de investigación y oficinas como esta en la fortaleza empresarial Carlos Gomes Center.

Sin haber sido invitadxs, a la media noche, entramos al interior del estacionamiento por el fondo de la fortaleza, saltamos muros, ocultándonos en las sombras, escalando paredes. Dejamos junto a los automóviles dos artefactos incendiarios con sistema de retardo en el segundo piso del estacionamiento. Con la aparición del guardia, no esperamos a los acontecimientos, nos retiramos e ignoramos las consecuencias de este gesto. El hecho es que estuvimos ahí, en la cueva del enemigo y armamos una cosita, suave, para ellos.

Todo lo que tiene autorización y es destacado en el escenario urbano sirve para el propio enaltecimiento de la lógica y de las reglas del poder. Los nombres de las calles, los monumentos son violentas afirmaciones de asesinos, colonizadores, “hombres ilustres”. Santifican sus atrocidades y las presentan como hechos heroicos. La noche del 13 de octubre nos acercamos al monumento a los soldados brasileros que sirvieron a los intereses de la ONU, tal cual hacen hoy en día en Haití. Dicen que es un monumento a la paz! Destruimos lo que pudimos y embadurnamos con pintura roja-sangre de la paz que promueven los ejércitos. De la misma forma en que aparecimos, desaparecimos, en un instante. Sin embargo, ahí ya todo ha cambiado.

En nuestras caminatas por los recovecos, villas, avenidas de lujo, pasajes olvidados y escondidos del escenario urbano, encontramos un estacionamiento, un cementerio de retroexcavadoras junto al rio Guaiba, atrás de la estación San Pedro. Allí estaba, totalmente carbonizada, la retroexcavadora que trabajo durante el invierno en las “obras de revitalización de la vera del río Guaíba”. Entramos en este estacionamiento la noche del 22 de octubre, prendimos fuego en una cargadora y quemamos hasta la pérdida total otra retroexcavadora.

La noche de navidad, 24 de diciembre, fuimos a llevar un modesto regalo al banco Bradesco de la calle 24 de octubre, Moinhos de Vento. Incendiamos un cajero automático y su vida artificial y domesticada, incendiamos la mercantilización de la vida. Celebramos el solsticio de verano con fuego brotando de nuestras manos.

Lanzamos estas palabras para ser gasolina de los deseos incendiarios por desmoronar el reinado del poder, de la autoridad, del dinero. Nos hermanamos por el deseo de libertad, en el rechazo al poder y la autoridad, en el ataque contra el sistema de dominación y sus valores dentro y fuera de nosotrxs. Tenemos la certeza de que en esta guerra, no estamos solxs!

Saludamos a todxs lxs que están en lucha, contra la dominación, por el mundo, desde Chile hasta Grecia, de México a Alemania, de España a Turquía. Por la propagación del ataque.

Como la naturaleza, reaccionamos, al final somos parte de ella.

Grupo de hostilidad contra la dominación.

Verano 2017

http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2016/10/galeria_de_imagens/526669-monumento-da-praca-batalhao-suez-e-depredado-em-porto-alegre.html

____________________________________

Porto Alegre-Reivindicação de ataques contra o sistema de dominação e em defesa da terra

Somos sobreviventes dos massacres do domínio. Vagamos por matas e encontramos outrxs errantes do progresso, do capitalismo verde e democrático. Percorremos as bordas de fazendas,cruzamos pequenas matas e nos alimentamos como as pumas atacando seus rebanhos.

Neste ponto da terra voltamos a estar mais perto do sol, a temperatura sobe, tudo que é vivo sente. As mamonas explodem suas sementes, os inços se espalham e brotam por todas rachaduras. Somos nós! Vida selvagem que soa pequena e fraca em meio a tanto concreto e vida pré-estabelecida, mas se espalha e pode ruir estruturas.

Como a tempestade de fim de tarde que arrasou Porto Alegre em janeiro de 2016 seguimos ao longo do ano provocando estragos no bom funcionamento do sistema de dominação. Incendiando antenas, bancos, retroescavadeiras, destruindo monumentos da guerra.

Somos parte destes bandos que prestam a atenção nos vampiros que saqueiam e alucinam em transformar tudo em dinheiro. A imensa rede do sistema de dominação que o faz operar dia-a-dia está em nossa volta. Estamos de olhos atentos e com o faro aguçado pela vingança. Onde alcançamos entrar por trás das linhas inimigas damos nosso recado, se fizemos qualquer um/a pode. Não se contente em sonhar enquanto dorme. Abra os olhos! Você está vivx.

No cair da noite de 7 de agosto/2016 invadimos a casa nº89 na Rua Joaquim Nabuco. A casa vazia abriga em seus fundos uma torre de telefonia celular da Oi. Incendiamos a base da antena e conexões com um container, as chamas altas, as vimos já da rua queimando este monumento a estupidez e a artificialidade, este canhão de alienação e ondas cancerígenas.

Dois dias depois na fria noite de 9 de agosto invadimos o estacionamento do edifício Carlos Gomes Center na Rua Soledade nº550, bairro Bela Vista. O edifício de 18 andares fica em um beco só para ricos, com forte segurança e monitoramento. Uma fortaleza de luxo com escritórios de “alto padrão empresarial” com “boa imagem corporativa”, ambiente climatizado, acarpetado, com “especificações técnicas elevadas”, heliporto, um centro comercial, financeiro, bancário, jurídico, onde o aluguel pode custar 85 mil reais.

É neste templo do capital onde residem sedes de bancos apaixonados pelo agronegócio, pela expansão do sistema de dominação, por nossas desgraças perpétuas. Bradesco Private Bank, Sicredi, Espaço Private Santander,Itaú BBA com atendimento corporativo, está o barão do cimento Votorantin Private Bank, os senhores da borracha como o banco Vipal e também gigantes do agronegócio como o banco John Deere, maior fabricante mundial de máquinas agrícolas e o banco De Lage Laden Brasil com interesse para financiamento industrial e agronegócio, saúde privada e desenvolvimento de tecnologias, DLL é um rabo do grupo holandês RaboBank.

Reside ai empresas internacionais de financiamento e crédito e “companhias de participações”. Há um escritório da Bellenzier Pneus outro magnata da borracha.

Um devastador da terra, dos mares, de tudo, de alto potencial destrutivo e tão necessário a sociedade do consumo e do espetáculo mantém seu escritório nesta fortaleza. A Braskem gigante da indústria do plástico e outros derivados do petróleo devasta, agride, dia e noite com os produtos e resíduos de seus polos petroquímicos.

Vem muito boa a possibilidade de alcançarmos com as mãos outra corporação imensa com papel destacado na ampliação do sistema de dominação como a Siemens. Proclama-se: “referência na forma de eletrificar, automatizar e digitalizar o mundo”. Sua atuação no mundo é parte feroz da própria expansão do capitalismo. Devorando terras e gentes com seus telégrafos, trens, componentes eletrônicos, turbinas. Investe na automação industrial, setor energético, equipamentos hospitalares, sistemas de vigilância e monitoramento. É a maior corporação de tecnologia integrada no mercado brasileiro, mantêm fábricas, centros de pesquisa e escritórios como este na fortaleza empresarial Carlos Gomes Center.

Sem sermos convidados, pela meia noite, acessamos o interior do estacionamento pelos fundos da fortaleza, pulamos muros, se ocultando nas sombras, escalando paredes. Deixamos junto a automóveis dois artefatos incendiários com retardo no 2º andar do estacionamento. Com a aparição do segurança não aguardamos os acontecimentos nos retiramos e ignoramos as consequências deste gesto. O fato foi que estivemos lá na toca do inimigo e armamos uminha, suave, pra eles.

Tudo que tem autorização e destaque no cenário urbano é para a própria louvação da lógica e regras do poder. Os nomes de ruas, os monumentos são violentas afirmações de assassinos, colonizadores, “homens ilustres”. Santificam suas atrocidades e pintam como feitos heroicos. Na noite de 13 de outubro nos aproximamos do monumento aos soldados brasileiros que serviram aos interesses da ONU. Como fazem hoje no Haiti. Dizem ser um monumento da paz! Destruímos o que podemos e lambuzamos tudo com tinta vermelho-sangue da paz que os exércitos promovem. Da mesma forma que aparecemos, desaparecemos, em um instante, porém tudo havia mudado.

Em nosso caminhar pelos becos, vielas, avenidas de luxo, cantos esquecidos e escondidos do cenário urbano, encontramos um estacionamento, um cemitério, de retroescavadeiras, junto ao rio Guaíba, atrás da estação São Pedro. Ali estava totalmente carbonizada a retroescavadeira que trabalhou no inverno nas “obras de revitalização da orla do Guaíba”. Entramos no estacionamento na noite de 22 de outubro, tocamos fogo em uma empilhadeira e demos perda total em mais uma retroescavadeira.

Na noite de Natal, 24 de dezembro, fomos levar um modesto presente ao banco Bradesco na Rua 24 de outubro, Moinhos de Vento. Incendiamos um caixa eletrônico e sua vida artificial e domesticada, incendiamos a mercantilização das vidas. Celebramos o solstício de verão com o fogo saindo de nossas mãos.

Lançamos estas palavras para ser gasolina na vontade incendiária por desmoronar o reino do poder, da autoridade, do dinheiro. Nos irmanamos pelo desejo por liberdade,no rechaço ao poder e a autoridade, no ataque contra o sistema de dominação e seus valores dentro e fora de nós. Temos certeza que não estamos sós nesta guerra!

Saudações a todxs em luta contra a dominação pelo mundo, do Chile a Grécia, do México a Alemanha,da Espanha a Turquia. Pela propagação do ataque.

Como a natureza, reagimos. Afinal somos parte dela.

Grupo de hostilidades contra a dominação

Verão 2017