Tag Archives: Textos

(INTERNACIONAL) COMUNICADO 93 DE ITS

I

“no hay un fin para esta guerra que libramos, no hay un fin en la confrontación, esto es heredado de generación en generación, y ante este monstruo de mil cabezas no hay certeza de que podamos derrotarlo. En este sentido ITS es pesimista pero realista a la vez, no hay nada que ganar, porque quien piensa ganar desde ese momento ya ha perdido. Muchos no entienden esta lógica, siguen con la misma visión del guerrillero setentero, el cual anhelaba ganar su guerra y establecer una revolución la cual siempre se tornó en reforma, nosotros no queremos un cambio de poder, no queremos el derrocamiento de la civilización para el reinado de la naturaleza (como lo quieren los tontos primitivistas), porque aunque eso se pueda dar en unos cientos de años, no lo vemos realizable hoy en día, por eso es que solo queremos el caos dentro de la civilización, no queremos ganar nada ni derrotar a la civilización (aparte porque es prácticamente imposible que un grupo de individuos puedan realizar semejante cosa), solo nos queda la desestabilización, hacer que la desesperanza y el desmadre reine, nosotros libramos una guerra individual, y en ese sentido la ganamos cuando salimos sanos y salvos de un atentado, cuando asestamos la puñalada o la bala en el objetivo y este muere, es ahí cuando el ego del individualista sube y se exalta con su acción, pero esto se queda en el plano individual y no va más allá (…) nosotros vivimos en el presente y a condiciones extremistas, respuestas extremistas.”
X.

Esta cita resume una de nuestras báses teóricas principales, lo hemos dejado claro mucha veces, hemos asumido que no podemos ganar, que ni con todos nuestros ataques podríamos jamás ni siquiera llegar a derrumbar una parte parcial del sistema o llegar a hacerle un daño de gran envergadura. Cada objetivo material destruido con fuego o explosivos es prontamente reconstruido y puesto en funcionamiento de nuevo. Cada cientifico, investigador, policía o ciudadano común que herimos o matamos es prontamente sustituido por otro. Y asi la rueda del progreso y la máquina social sigue girando, impasible a todo lo que pase, hasta que en el algún momento, ya sea por su propia insostenibilidad o por otras causas, todo se precipite y caiga al abismo. Que seamos conscientes de todo esto y lo asumamos como una realidad imperturbable no implica que no seamos conscientes de lo que nos rodea, de los cambios que se sucitan en la sociedad enferma en la que vivimos y de las oportunidades que se nos brindan.

Los acontecimientos de los ultimos meses no hacen mas que confirmar que la civilización y el mundo que conocemos ha entrado en un periodo de decadencia, esto desde luego no es algo nuevo pero es en momentos como este cuando más se acentua y se hace muy obvio. El orden impuesto se tambalea, las economías se desploman, aumentan las tendencias autoritarias de los gobiernos al mismo tiempo que estallan insurrecciones masivas, la tensión social se dispara y ahora un virus causa una pandemia global que ni todos sus medios tecnológicos, humanos ni toda su enrevesada burocracia, cuarentenas y cierres de paises enteros han conseguido frenar, el ser humano moderno y civilizado tiembla ante el oscuro presente-futuro que se avecina, todos se preguntan como es posible que esto haya pasado y nadie sabe con certeza lo que está por llegar.

Lo que si parece seguro es que vienen tiempos revueltos, el sistema ha dado muestras evidentes de sus multiples fallas e imperfecciones, desde luego nosotros tampoco sabemos a ciencia cierta lo que va a pasar, no sabemos si habrá un colapso financiero global del cual el mundo no se recupere, no sabemos si la pandemia del coronavirus acabara en unos meses o por el contrario se convertirar en una verdadera amenaza para la civilización y la vida humana aún mas grave de lo que ya es, lo que sí sabemos es que hay un antes y un después en el mundo tal como lo conocemos y aunque se acabe volviendo a la normalidad, creemos que nada volverá a ser igual.

II

La humanidad tiembla ante el COVID19, algo tan insignificante para los humanos modernos, nos ha hecho recordar la fragilidad de la vida humana, la fragilidad de la civilización y de la supuesta gloria de la humanidad, de todo cuanto existe por la mano del hombre y los ha puesto a todos a temblar frente al embiste de un elemento natural microscópico.

Ahora nos inundan de discursos y propaganda, por todas partes los políticos, los medios y las celebridades sermonean a las masas ansiosas de que alguien venga a arrelgar sus problemas, nos dicen que vendran tiempos difíciles pero que “todos juntos” lo superaremos, que hemos de apretarnos el cinturón para superar esta crisis y volver a la normalidad. Ahora muchos, sobre todo de las clases medias pequeñoburguesas, ven como todo lo que daban por seguro desaparece de golpe. Ellos pensaban que viviendo según dicta lo establecido, agachando la cabeza y obedeciendo tendrían una buena vida, buenos estudios, un buen trabajo y un buen futuro, su propia versión del “sueño americano”. Pero la vida no es un camino recto ya trazado en el mapa si no una trayectoria caótica donde nunca se sabe lo que va a pasar, lo único que tenemos es la incertidumbre.

Con todas las consecuencias “negativas” que el COVID19 pueda traer y afectarnos directamente también para nosotros (restricción de movimiento, aumento del control social, empobrecimiento o la enfermedad inclusive la muerte para nosotros mismos o algun ser querido..etc) aún con todo, es un escenario que preferimos infitas veces antes que volver a la normalidad de la vida mundana de los civilizados. Los tiempos duros no nos asustan, de hecho, los deseamos, no solo por que abren muchas posibilidades interesantes para nosotros (y no solo para nosotros) si no porque es en medio del desastre donde nos encontrámos realmente cómodos. Si la elección es entre la normalidad de la vida en la sociedad civilizada y la barbarie, la elección esta clara para nosotros.

III

“¡Maldito rincón del mundo, tu infamia hace reír al tiempo con una mueca burlona y tu desdicha no ha enternecido a ningún corazón delicado deseoso de fúnebres encantos! Visto desde los Balcanes, el universo es un arrabal por el que callejean mujerzuelas sifilíticas y zíngaros asesinos.
Su tremenda pasión por la basura, de revolverla al alegre son de trompetas funerarias, ni siquiera pudo inventar un dios libidinoso. ¿Qué astro anhelante de periferias habría podido caer por ahí? ¡Gusanos bulliciosos bailando la danza de la lepra!
C.

Ahora todo vuelve a reverdecer, avistamientos de animales “extraños” se presentan en las ciudades y puertos, las costas se limpian y el mar es cristalino o bioluminicente, se dejaron de emitir grandes cantidades de contaminantes, las ciudades mas asquerosamente pobladas lucen solitarias, el horizonte ya no tiene esa nata gris que imperaba hace unos meses atrás, la pandemia NO está dejando ver un “mundo nuevo”, está dejando ver el mundo como REALMENTE sería sin todas las consecuencias negativas que le hemos causado como especie. Lo salvaje “celebra” la purga de humanos, se manifiesta como nunca antes, 15 volcanes estallando en América, Europa y Asia, un incendio voráz ameazando la vieja planta nuclear de Chernobyl, tornados destruyendolo todo a su paso en Texas, alertas por el calor extremo en diferentes partes del globo, y todo deja ver la fragilidad de la especie humana, su patética y efímera existencia, ¡cuanta razón hemos tenido los misántropos que apostamos por el desden hacia el progreso humano! la vida puede serguir, continuar con su ciclo sin nosotros, la prueba está frente a sus malditos ojos y algunos aun reniegan de eso, pútridos humanistas, progresistas viciosos de los espejos negros con destellos de modernidad, incubadoras pestilentes de sedentarismo exaservado, que se sepa que NO vamos a hacer ningún esfuerzo para volver a la normalidad, no vamos a trabajar “todos unidos” para superar esta o ninguna otra crisis, no queremos que la sociedad se recupere y que volvamos al curso de las cosas. Vamos a trabajar, y muy duro, para empujarlo todo por el precipicio, para seguir esparciendo el caos, para llevar la situación a lo peor de lo peor.

IV

Se avecinan dias de Caos, y es ahi donde los individualistas deben centrar sus fuerzas y sus recursos. Porque si bien hemos dejado claro que no podemos ganar ni destruir la civilización tecno-industrial, sus muchas fallas y agujeros pueden ser aprovechados por individualistas como nosotros para asestar golpes certeros que contribuyan a hundirlo todo más aún en el caos y el desmadre. No hace falta ser adivino para vaticinar lo que se le viene encima a la humanidad. Y es en este escenario tan propicio para grupos como el nuestro donde nosotros incitamos a todos los individualistas que conforman las siglas alrededor de todo el mundo, y mas allá de nuestro grupo a todos quienes sienten el llamado de lo Salvaje, a quienes ansían ver el Caos esparcido por cada rincón del mundo, a quienes esperan pacientemente por el momento de atacar, a quienes viven para provocar el ocaso social, a que se preparen, afilen sus cuchillos, carguen sus balas, preparen sus explosivos, estudien sus objetivos, revisen sus prácticas de seguridad y estén atentos para el momento del desborde.

Como hemos dicho, el sistema tiene muchas fallas, y éstas ofrecen muchas oportunidades donde se le puede atacar para crear gran desestabilización y más aún en los tiempos que corren, dejaremos a cada individualista que elija y estudie cuidadosamente los objetivos que mas les plazca, ya sean tanto incendios, asesinatos, bombazos o infiltrandose en los disturbios e insurrecciones que sin duda estallarán en gran parte del planeta y se agravarán en los lugares donde ya existe una conflictividad latente. Poco nos importa ya que nos intenten silenciar o nos ignoren, como hicieron con nuestro comunicado donde reivindicamos la bomba en la estación de policia de Zografou en Grecia, igual que no nos importa en absoluto las criticas estériles de los humanistas bastardos, derechistas o izquierdistas, ni de los anarco-cristianos con su doble moral oportunista. Estamos aquí, seguimos vivos, libres y peligrosos, no hemos perdido el tiempo. Ya estamos haciendo nuestras tareas, y pronto volverán a tener noticias nuestras. Cuando la sangre vuelva a salpicar el asfalto, cuando el estruendo de la explosión sacuda la normalidad cotidiana y el fuego devore sus estructuras les vendrá un solo nombre a la cabeza: ITS.

¡HUNDAMOS LO EXISTENTE EN LA CAOS Y EL SALVAJISMO!
¡ADELANTE ITS!

Individualistas Tendiendo a lo Salvaje – Europa
Individualistas Tendiendo a lo Salvaje – América

(Chile) Entrenamiento de las FARC en atentado explosivo en Arauco?

La explosión de una camioneta bomba, la interrupción del tránsito y del suministro eléctrico en los alrededores del puente Lleu Lleu, en la provincia de Arauco, Región del Biobío, fue una demostración de fuerza.

Dirigentes de la Araucanía y el Biobío cuentan, bajo condición de anonimato, que se trata de no más de 70 personas, algunos de los cuales tendrían vínculos con organizaciones paramilitares e incluso habrían recibido entrenamiento en el exterior, por parte de grupos como las Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia (FARC). Aseguran que han sido ideologizados por organizaciones de la izquierda latinoamericana y lo que les parece más grave no es el ataque a una forestal, sino al propio pueblo mapuche.

Al mediodía del 13 de abril, de acuerdo con la querella ingresada en el juzgado de Garantía de Cañete, un grupo 30 personas encapuchadas y provistas de armas de fuego de alto calibre dispararon en contra de un vehículo policial que se dirigía a verificar una interrupción de tránsito, a la altura del kilómetro 30 de la
ruta P72-S. En paralelo, en el puente Lleu Lleu sujetos desconocidos detonaron un artefacto explosivo dentro de un vehículo, lo que dañó un transformador de la red pública de electricidad, que dejó sin luz a más de 3 mil familias. Por la gravedad de los hechos, el subsecretario del Interior, Juan Francisco Galli, viajó
hasta la Provincia de Arauco y el Gobierno interpuso esta querella apelando a la Ley Antiterrorista por los delitos de colocación y detonación de artefacto explosivo y homicidio frustrado a carabineros en acto de servicio.

Desde La Araucanía advierten que aunque estos hechos ocurrieron en Arauco (sur de la VIII Región) también afectan a su región (IX). Lo ejemplifican con un atentado ocurrido el miércoles -dos días después del ataque en Lleu Lleu-, cuando grupos armados expulsaron a trabajadores de una faena forestal en Cautín, en la
comuna de Los Sauces, del que se responsabiliza la resistencia mapuche de la comunidad de Llollowenko, en alianza con la Coordinadora Arauco-Malleco (CAM).
Hay mucha gente de Malleco involucrada. Se sabe de reuniones que han tenido lugar en Lonquimay y Temulemu para organizar estas actividades, argumentan.

Desde la macro zona sur no tienen pruebas de quiénes son exactamente los hombres vestidos de negro o con camuflaje militar que se fotografían portando armas de alto calibre y desafían a las autoridades. Una agrupación que firma como Resistencia Mapuche Lavkenche se adjudicó la responsabilidad de lo ocurrido el 13 de abril. Para algunos es posible que se trate de una nueva alianza que igual incorpora a gente que tiene más antigüedad en la lucha armada; por tanto están seguros de que la CAM sigue estando involucrada; otro hecho del que no dudan es de que están financiados y entrenados.

Recuerdan un episodio surgido hace más de una década, cuando el entonces fiscal regional de La Araucanía, Francisco Ljubetic, confirmó que miembros de la CAM recibieron instrucción paramilitar en el extranjero.

Ljubetic es ahora vicedecano de la Facultad de Derecho de la Universidad Autónoma de Temuco. Explica a El Líbero que gracias a un informe de la Policía de Investigaciones, que a su vez obtuvo la información de las autoridades de cada país, se logró establecer que había personas de la etnia mapuche que viajaron a Colombia y habían permanecido allá algunos de 2 a 3 meses, y en un caso hasta por un año. Normalmente, señala, esos viajes eran en pareja, conformada por una persona de la Región de La Araucanía y por otra del Biobío, específicamente de Cañete y Tirúa. Los viajes se realizaban por tierra, por lo que se obtuvo registros oficiales de Bolivia, Perú, Ecuador y también Venezuela. Los registros indican que los traslados ocurrieron entre el año 2004 y 2006.

Fue en un período interno en estas dos regiones en que los ataques y la violencia se redujeron significativamente para después, coincidentemente, comenzar a aumentar no solamente en número, sino que también en el tipo de actividad violentista, es decir, se salió de los atentados en predios de carácter forestal y comenzó a ampliarse a atentados contra personas, contra viviendas, agricultores conocidos, recuerda Ljubetic.

Al preguntarle sobre si el accionar del grupo armado el lunes podría tener alguna relación con entrenamiento paramilitar, el ex fiscal de la Araucanía responde: No podría afirmarlo, pero sí hay una coincidencia muy real porque es cosa de ver las situaciones que ocurrían en Colombia con las Farc y sus métodos de actuación. En una de las investigaciones con motivo de esta materia, se logró incautar un manual acerca de cómo se preparaba a las personas para la realización de los diferentes actos violentistas, y ahí estaban las emboscadas, que carabineros las sufre permanentemente. El ataque a ciertas localidades o poblados o personas, la quema y la destrucción a través de artefactos explosivos en un vehículo. Si uno ve cada una de las actuaciones y ve cómo se materializan o concretan en los actos de violencia, tiene similitud con lo que ocurrió durante muchísimos años en Colombia y particularmente en la selva colombiana.

El propio Presidente de Colombia, Iván Duque, ha denunciado que los disidentes de las FARC se encuentran en territorio venezolano, incluso Luciano Marín (conocido con el alias «Iván Márquez»). Para Duque, no es un secreto que en Venezuela estarían jefes de las FARC que dieron la espalda al proceso de paz.

Desde la Araucanía lo resumen en que es la primera vez que utilizan un coche-bomba, en el uso de Lonquimay para reclutar gente y hacerse una base de apoyos y en que además, ese es un punto estratégico por ser fronterizo; en el que es posible pasar a pie o a caballo sin mayor tipo de control; lo que además permitiría la entrada de armas al territorio chileno.

Un ejemplo de esto es que en el comunicado en el que la organización Individualistas Tendiendo a lo Salvaje se atribuyen el artefacto explosivo enviado al presidente del Metro de Santiago, Louis de Grange, dicen que contaron con ayuda Argentina para elaborar el explosivo. Cruzamos la cordillera como nuestros ancestros que se movían de un lugar a otro por las sierras nevadas para hacer trueques, solo que esta vez no fue un intercambio de alimentos, pieles o ganado, en esta ocasión transamos un artefacto explosivo, así es, una bomba tipo paquete, dice el texto.

Para Ljubetic, la presencia de mucho armamento y de grueso calibre, que obviamente no está permitido en manos de particulares nos da cuenta de su capacidad. ¿Con qué recursos se adquieren esos medios? La cantidad de munición. Eso significa un costo, la logística, los traslados, los vehículos, en una zona que está muy depreciada desde el punto de vista económico y social. Es muy probable que lleguen ayudas, del extranjero y nacionales a lo mejor. Eso tampoco se ha podido investigar a fondo, pero el sentido común indica que debiera ser así. Yo no puedo aseverarlo, pero es una conclusión evidente que necesitan ayuda y la tienen.
Ataques contra el propio pueblo: Cualquier opción que lleve al pueblo mapuche a recuperar poder económico le quita gente a los radicales.

El comunicado de la Resistencia Mapuche Lavkenche cuestiona a algunos dirigentes de la zona a los que califican de yanaconas o traidores. Esto por trabajar mancomunadamente con la empresa forestal Mininco. Mencionan a Santos Reinao, Jorge Lincopan y Arturo Millahual.

Tras el atentado, la Asociación de Contratistas Forestales se pronunció: Llama la atención que ante estos hechos que son de público conocimiento y que hace muchos años se vienen desarrollando, la autoridad local y central se muestre impávida, sin una reacción estratégica ni proactiva y sin capacidad para prevenir y detener a estos violentistas organizados y fuertemente armados, que están destruyendo la convivencia de la provincia de Arauco y solo se limitan a presentar querellas contra quienes resulten responsables sin ningún resultado real, sin detenidos ni procesados. Dicen que en los últimos 7 años, de 70 casos que han llegado a la justicia solo hay 5 detenidos y procesados y es por la misma causa.

Ljubetic advierte que esta es la crónica de una violencia anunciada debido a que hay una suerte de entrega del territorio de la zona a estos grupos violentistas, porque no ha sido posible su control o no se han arbitrado todas las medidas necesarias para ese control público, y las múltiples querellas tampoco han entregado más y mejores antecedentes acerca de los autores de estos hechos. Creo que también una cuestión muy grave es que los adversarios que enfrentan a Carabineros son todas personas armadas, y con armamento de grueso calibre, que ha significado que haya múltiples funcionarios de la policía heridos, y heridos graves. Estas circunstancias, con la contingencia que vive nuestro país desde hace ya algunos meses, ha sido el mejor escenario para que estos grupos violentistas hagan de las suyas, y va a continuar si es que no existen medidas de búsqueda efectiva e intensa. No solamente de custodia de determinados sectores o de protección de determinados lugares o territorios, porque eso resulta insuficiente.

(it) Il Padre Sole e la struttura del cosmo

“Il Sole creò l’universo, per questo si chiama Padre Sole (pagë abé). Egli è il padre di tutti i Desana. Egli creò l’universo con il potere della sua luce gialla e gli diede vita e stabilità. Dal luogo dove stava, bagnato di riflessi gialli, il Sole fece la terra, con le sue foreste e i fiumi, gli animali e le piante. La sua creazione risultò perfetta.”

Il Creatore dell’universo, nella mitologia desana, corrisponde alla figura del Padre Sole. Questi può essere identificato come una forza creatrice, uno “stato” che si manifesta nella luce gialla emanata dal disco solare. Pagë abé è sempre esistito, ed emanò la Creazione senza una particolare intenzione. Una volta che la luce gialla ebbe eseguito questo atto, il Sole legiferò sul suo operato: stabilì i percorsi ciclici del processo della vita e impose le norme secondo le quali doveva vivere l’uomo e ordinarsi la società. Come vedremo in seguito, la legge fondamentale che i Desana avrebbero dovuto rispettare fu quella dell’esogamia. La stipulazione di questa legge avvenne in seguito all’incesto originario tra il Sole e sua figlia, che gettò il mondo nel caos.

“Il mondo nel quale viviamo ha la forma di un grande disco, un immenso piatto rotondo. È il mondo degli uomini e degli animali, il mondo della vita.La dimora del Sole è di colore giallo, il colore del suo potere, quella degli uomini e degli animali è di colore rosso, il colore della fecondità e del sangue degli esseri viventi. La nostra Terra è detta “piano di sopra” (vexkámaxa turí), perché in basso c’è un altro mondo, il “piano di sotto” (doxkámaxa turí), anche detto Axpikon-día, paradiso. Il paradiso è di colore verde, e lì vanno tutte le anime dei morti che sono stati dei buoni Desana durante la loro vita. Nel lato da cui sorge il Sole, in Axpikon-día, c’è un grande lago dove sboccano tutti ifiumi della terra, poiché tutti corrono verso est. In tale modo Axpikon-día è connesso con la nostra terra per mezzo delle acque dei fiumi. Nel lato dove il Sole scompare, in Axpikon-día, sta la Parte oscura. È la parte della notte ed è pericolosa. Vista da Axpikon-día la nostra terra è simile a una grande ragnatela. È trasparente e il Sole può guardarvi attraverso. I fili di questa ragnatela sono come le norme secondo le quali devono vivere gli uomini; essi si muovono lungo questi fili, cercando di vivere bene, e il Sole li guarda. Al di sopra della nostra terra il Sole ha creato la Via Lattea. Questa sgorga comeuna grande corrente spumosa da Axpikon-día e si dirige da est a ovest. Lungo la Via Lattea corrono i grandi venti e tutta quella parte è azzurra. È la regione intermedia tra il potere giallo del Sole e lo stato rosso della terra. Per questo è una zona pericolosa, perché è lì che la gente comunica con il mondo invisibile e con gli spiriti.”

In questo ultimo brano è presentata la struttura del cosmo generalmente accettata tra i Tukano. L’universo consiste in tre zone cosmiche sovrapposte: la Zona superiore o celeste, la Zona intermedia che è la nostra terra, e la Zona inferiore, quella del paradiso. L’elemento strutturale più importante della Zona superiore è la Via Lattea. Ognuna di queste zone è dominata da un particolare tipo di energia, a cui è associato un certo colore.
La Zona inferiore è la dimora del Padre Sole, che dopo la creazione e la promulgazione delle norme morali si è ritirato in Axpikon-día, la zona paradisiaca, continuando ad emanare la propria energia gialla. Il Sole visibile durante il giorno è un rappresentante di pagë abé nella Zona intermedia, e attraverso questi il Padre Sole continua ad inviare la propria energia fertilizzatrice sulla terra, permettendo la continuità della vita di tutte le creature, uomo compreso. La zona paradisiaca è ammantata di una tenue luce verde: il colore verde è quello delle foglie di coca, che se masticate fanno scomparire fame e fatica. Axpikon-día è quindi un luogo ove uno degli stimoli che più tormentano la vita dei Tukano, quello della fame, cessa di esistere.
La Zona intermedia è invece quella terrena, un mondo in cui si incontrano due principi complementari opposti: la terra, maschile, e l’acqua, femminile. Tra i Tukano si ritiene infatti che la foresta (terra) fertilizzi i fiumi (acqua). Prendendo atto di questa dicotomia, come approfondiremo in seguito, è possibile far luce su moltissimi aspetti della cultura Tukano, in primis sulla distribuzione delle attività quotidiane tra generi. Nel paragrafo precedente era stato sottolineato come caccia e pesca fossero attività proprie dell’uomo, ma che la prima fosse ritenuta più virile della seconda. Ciò è spiegato dal fatto che i pesci, vivendo nell’acqua, sono associati a un principio femminile, mentre la selvaggina, vivendo nella foresta, è associata a un principio maschile. Ne consegue che alimenti dal marcato carattere femminile, come il pesce, non possono essere mescolati ad alimenti dal marcato carattere maschile, come la carne, perché intrisi di essenze opposte.
Alla Zona intermedia è associato il colore rosso, un colore dall’essenza uterina. All’intera Zona intermedia è quindi associato un carattere generalmente femminile, benché vi si incontrino comunque principi sia maschili che femminili. Continue reading (it) Il Padre Sole e la struttura del cosmo

(en-pt) Entrevista con Guy McPherson acerca del Antropoceno y la Crisis Climática

Replicamos esta interesante entrevista realizada por un integrante del sitio web “Supremacía Ancestral”, sitio dedicado a estudiar el fenómeno del eco-extremismo y que se difunde en idioma portugués. En ella se abordan temas de suma importancia para la comprensión del estado actual del planeta en términos ecológicos. Aquí incluimos las versiones en inglés y portugués. También compartimos la traducción de la introducción realizada por el sitio de “Supremacía Ancestral”:

“Erva Daninha entrevista a Guy R. McPherson. Guy es un científico Américano, profesor emerito en recursos naturales, ecología y biología evolutiva en la Universidad de Arizona. Le agradecemos por esta entrevista con nosotros. Su sitio web es Nature Bats Last.”


Versión en Inglés:

DESCARGA en PDF: Link 1Link 2Link 3 (via onion).

Erva Daninha: First of all, we want to thank you for accepting this interview, Dr. Guy McPherson. Your scientific investigations into the climatic chaos within industrial civilization are of tremendous importance in pointing out the seriousness of the environmental crisis in the world caused by human activity.

So let’s begin, you are known for defending the idea of Near-Term Human Extinction (NTHE). Can you explain to us what NTHE is and what are the main ecological indicators that support this theory?

Guy R. McPherson: Thank you for the opportunity to engage with you and your audience.

Near-term human extinction (NTHE) as a result of abrupt climate change refers to the rapid demise of our species, Homo sapiens. I have predicted NTHE for many years, and I have recently been joined by others in my prediction.

Humans are animals. As with other animals, our species requires hábitat to survive. Specifically, humans are vertebrate mammals. Yet the projected rate of environmental change, using the gradual rate of change projected by the Intergovernment Panel on Climate Change (IPCC), outstrips the ability of vertebrates to adapt by a factor of 10,000 times (https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/ele.12144). Mammals will take millions of years to recover from the ongoing Mass Extinction Event (https://www.pnas.org/content/115/44/11262). I seriously doubt our species can avoid extinction even as non-human vertebrates and non-human mammals disappear.

At least seven species in the genus Homo have already gone extinct, even though none of those species were on Earth during a Mass Extinction Event. We are in the midst of a Mass Extinction Event. According to conservation biologist Gerardo Cellabos, lead author of a paper published 19 June 2015 in Science Advances indicating Earth is experiencing a Mass Extinction Event (https://advances.sciencemag.org/content/1/5/e1400253), “life would take many millions of years to recover, and our species itself would likely disappear early on.” (https://phys.org/news/2015-06-sixth-mass-extinction-declares.html). A paper with the same lead author published 25 July 2017 in the Proceedings of the National Academy of Sciences indicates Earth is well into the ongoing Mass Extinction Event (https://www.pnas.org/content/114/30/E6089.short).

A paper in the November 2018 issue of Scientific Reports indicates a 5-6 C global-average rise in temperature will cause the extinction of all life on Earth (https://www.nature.com/articles/s41598-018-35068-1). Such an increase in global-average temperature is expected shortly after the Arctic Ocean become free of ice, an event incorrectly projected to occur in 2016 + 3 years in the 2012 issue of Annual Review of Earth and Planetary Sciences (https://www.annualreviews.org/doi/abs/10.1146/annurev-earth-042711-105345). Despite this incorrect projection, an ice-free Arctic looms on the near horizon.

Commercial air travel poses an existential threat to all life on Earth. According to a paper in the 27 June 2019 issue of Atmospheric Chemistry and Physics, contrails alone could eliminate habitat for most, if not all, life on Earth by disrupting atmospheric circulation patterns (https://www.atmos-chem-phys.net/19/8163/2019/). This conclusion is supported by a study published online 12 December 2019 in Earth and Space Science Open Archive (https://www.essoar.org/doi/10.1002/essoar.10501296.1).

The standard response to the ongoing climate crisis is to recommend a reduction in emissions of greenhouse gases. However, reduced industrial activity tranlates to an abrupt reduction in atmospheric aerosols. These aerosols reflect incoming solar radiation, thereby keeping Earth cooler than it would be without these aerosols. Research on the cooling effect of these aerosols has appeared in the peer-reviewed literature since 1929 (Angstrom, 1929, “On the atmospheric transmission of sun radiation and on dust in the air,” Geografiska Annaler, 11, 156–166). As little as a 20% reduction in industrial activity leads to a 1 C global-average temperature spike with a few weeks (Rosenfeld et al 2019, https://science.sciencemag.org/content/363/6427/eaav0566, and https://www.sustainability-times.com/environmental-protection/research-cooling-from-atmospheric-particles-may-mask-greater-warming/).

Erva Daninha: The well-known activist and writer Naomi Klein, unlike many climate deniers, argues that human activity is closely related to the climate crisis, however, she concentrates most of her efforts on painting capitalism as the great villain against the environment. Occasionally Naomi also criticizes the “industrial socialism” of some nations, but for the most part she defends the same thesis repeated by the great majority of leftists and ecologists around the world, “if we eliminate capitalism everything will be fine”. Dr. Guy, we believe that your criticisms are broader, they target the global industrial complex and not just a specific type of social order. Why do you think that the global technological-industrial society is the real problem and not just capitalism?

Guy R. McPherson: As pointed out with abundant research by Tim Garrett, civilization is a heat engine (https://faculty.utah.edu/u0294462-TIM_GARRETT/research/index.hml). In other words, this set of living arrangements produces heat. It matters little or not at all how industrial civilization operates. Solar panels and wind turbines heat the planet, just as burning fossil fuels. Civilization takes us to a Pliocene-style climate as early as 2030 (according to a paper in the Proceedings of the National Academy of Sciences published 26 December 2018 that relies upon the IPCC’s stunningly conservative Representative Concentration Pathways, https://www.pnas.org/content/115/52/13288.short). I cannot imagine humans or other vertebrate mammals could survive such a rapid rate of change. Yet, as I pointed out above, slowing or stopping civilization heats the planet even faster than keeping civilization running.

Erva Daninha: Among many others scenarios, we have the utopian and hopeful views defended by Naomi Klein regarding eco-socialism as an alternative to “save the world” of an ecological catastrophe, or a delusional “primitivist revolution” against industrial civilization defended by anarchists like Kevin Tucker and John Zerzan. How efficient do you think these systems would be when the global census predicts almost 10 billion people on the planet for 2050? We live on a finite planet with limited resources and most of these resources have already disappeared, even a radical change towards a supposedly sustainable system would require other massive sources of energy, transportation or mass activities for food production, and even in more extreme cases like the “primitive utopia” defended by some anarchists, massive activity like feeding and housing, or whatever it may be, would have an enormous environmental impact on a large scale.

Nature tends to exercise a self-regulatory control over species on earth to enforce an organic coexistence, something that some call the trophic cascade, but our species has escaped this and has used the modern technology to its advantage to surpass the population control enforced by nature, manipulating its surroundings and expanding beyond its limit, whilst consuming nature indiscriminately and destroying great part of the limited resources on earth, all for it’s own benefit. Don’t you believe that there is overpopulation in the world and that our modern culture is alienated and decadent and that given the amount of billions of people in the world, any proposal to create a global sustainable society would be flawed?

Guy R. McPherson: As indicated above, I seriously doubt we survive until 2030, much less 2050. Too many humans have been consuming too many finite materials for far too long. We have severely overshot a sustainable population of humans on Earth.

Erva Daninha: You have stated on a number of occasions that the IPCC is quite conservative in its estimates. Do you believe that there is some kind of internal law within these entities or in the scientific community itself that establishes a pattern of behavior in order to avoid alarms that would have an impact on the economy or in society itself? For example, here in Brazil the National Institute for Space Research (INPE) released alarming data corroborated by NASA about the drastic increase of deforestation in the Amazon Rain forest in the year 2019, which resulted in the dismissal of Ricardo Galvão, director of the agency, at the behest of president Jair Bolsonaro. We believe that although they do warn about the climate crisis, these entities and most scientists operate within the same logic as that of the culture of industrial-technological civilization and defend the maintenance of this logic that in theory would be the essence of climatic chaos, then perhaps at the behest of governments (such was the case in Brazil), or by their own initiative, institutions handle their data carefully so as not to expose the infeasibility of this ecocidial social order. What do you think about this?

Guy R. McPherson: The IPCC uses a very conservative approach in creating their assessments. Scientists within working groups typically employ reticence in reaching their conclusions. After an assessment is drafted by conservative scientists who are required by the IPCC to rely upon consensus, the assessment is sent to governments for review. As you can probably imagine, the governments of the world are primarily interested in sustaining economic growth. “Saving the world” is not on the agenda.

Erva Daninha: Recently a Brazilian scientist revealed that Antarctica reached a surprising temperature of 20º C, something that was “never seen before”. Such temperatures are harsh examples of global warming. The consequences of the temperature rise in these frozen environments are already well known, the rise of the sea levels is widely discussed in the scientific community, but the effects of the melting are not restricted to it. Nature magazine has already published a study in which it states that Antarctica is possibly retaining colossal amounts of methane gas produced over thousands of years within its ice sheet and that if this gas were to be released, it would have an aggressive impact on the greenhouse effect. The same is true for the Arctic with permafrost, where the situation is perhaps even more serious, as the Arctic soil is no longer frozen. Studies indicate that the permafrost contains twice the total amount of carbon currently in the Earth’s atmosphere, and that a massive leak of this material would be catastrophic for life on Earth, even being able to cause a mass extinction like that of the Permian-Triassic period. Do you believe that the “clathrate gun” effect could really endanger most life on earth up until the year 2040?

Guy R. McPherson: Not only do I agree, but renowned climate scientist James Hansen has discussed this possibility. A peer-reviewed paper by Hansen and colleagues indicated Earth was at its highest temperature with our species present in 2017 (https://arxiv.org/abs/1609.05878). Indeed, methane emissions from beneath ice and also methane emissions from the melting permafrost represent two of seven means by which the planet could heat very quickly, thereby destroying hábitat for humans (https://weeklyhubris.com/seven-distinct-paths-to-loss-of-habitat-for-humans/).

Erva Daninha: In 2014 at an interview with Russia Today quoting a study by the climate scientist Tim Garrett you said that only the total collapse of industrial civilization could prevent uncontrolled climate change. For logical reasons, a solution based on this premise will never come from any government or institutions like the UN. On the contrary, the weak Paris Agreement has already been abandoned by the United States, the bigest emitter of greenhouse gases of all history, and the Brazilian State has also shown signs of its intents to abandon the agreement. Studies like the one of the Universal Ecological Fundation have already pointed out that the agreement won’t be enough to limit the temperature increase to between 1.5º C to 2º C in relation to the levels of the pre-industrial era. Assessments such as yours indicate the possibility of an increase of more than 3.5º C in a short period of time. Stopping industrial activities is unthinkable in the modern world, as this would mean to deny the very logic in which most countries are inserted in, however this does not mean that scenarios like this one are impossible to achieve, only not through the action of governments, of course.

At the end of last year, Houthis rebels attacked the world’s largest oil refinery in Saudi Arabia with drones, interrupting half of the kingdom’s production, which supplies 10% of all oil consumed in the world. Although extreme, this is a real example of the abrupt interruption of an activity that is harmful to the environment. Groups like the Niger Delta Avengers have also caused catastrophic damage to oil production in countries like Nigeria. Studies published by the magazine Science Advances also concluded that the war in the Middle East caused pollution to decrease in some areas of that region, because the levels of industrial activity decreased and activities of urban life such as driving were affected. Leaving aside all judgment that could be made regarding this type of action and considering the fact that urgent actions to interrupt industrial activity are needed and governments will never offer them, do you consider that there is practical efficiency in this type of action to interrupt pollutant emissions or destruction of the environment in the world? I say it again, I ask from a purely practical perspective, leaving aside the judgment as to whether it is legal or illegal.

Guy R. McPherson: Please see preceding information about the aerosol masking effect.


Erva Daninha:
Dr. Guy, the world is currently facing a COVID-19 pandemic, one of the most catastrophic in recent times. The attention is practically all focused on the economic damage caused by this situation, there is a lot of talk about a new economic recession in the world and a global financial crisis similar to that of 2008, but little is said about the benefits of this pandemic to the environment. You yourself said that total interruption of industrial activities are the most beneficial events that can contribute to the non-rise in global temperature and that is exactly what this disease is causing.

In China, there was a major paralysis of the economic activities and the reduction of polluting gases was huge and abrupt, in February this year the concentration of these gases was 25% lower compared to the same period last year, according to the Center for Research on Energy and Clean Air. In Italy, with tourism reduced to zero, the waters of the Grand Canal in Venice looked better and the air quality improved in the area, according to the city hall. Data from the Sentinela-5P satellite of the Copernican program at the European Commission and the European Space Agency (ESA) showed that in general terms pollution had a strong decrease in Italy, especially in the northern region of the country, the ones that were most affected by the virus. Certainly the same is repeating in various regions around the planet, and not only because industrial activities have been paralyzed or reduced, but also because tourism, transportation and many other daily activities within the technological-industrial civilization have ceased.

Based on this, how do you see these major disasters and their environmental benefits? We believe that they contribute in curbing the global climate crisis and indicate that, for the planet, our civilized lifestyle is just as bad as a pandemic to us. We also think that disasters can function as a self-regulating catharsis from the earth trying to dismantle the harmful modern lifestyle and the great techno-industrial civilization.

Guy R. McPherson: Actually, I have revised my assessment regarding the horrors of industrial civilization, as I have indicated above. Industrial civilization fouls the air, dirties the wáter, and washes soil into the ocean. Industrial civilization is a plague on the living planet. Yet, from the perspective of abrupt climate change, maintaining civilization helps to retain hábitat for humans on Earth. In our absence, the world’s nuclear power plants will melt down catastrophically, thereby leaving the planet bathing in ionizing radiation. I suspect such as event will destroy hábitat for all life on Earth within a few generations after the lethal mutations begin.

Erva Daninha: today we see the rise of a global “Green New Deal” through new movements like Extinction Rebellion and Sunrise Movement and also by climate activists such as Greta Thunberg. For the uninformed it looks like something new, but the same thing happened in past times with several NGOs, with emphasis on Greenpeace, which over the years reduced its activities to peaceful performances to be registered and disseminated on social media, campaigns to sign petitions to the government and an intense greenwashing activity to promote supposedly sustainable consumption.

The great eco-organizations of the past are promoting a discourse of “individual change to change the world”, the famous “do your part” activism, since they were accepted and incorporated within the very logic of the system that they criticized, such is the case for Greenpeace, which made pacts with oil, timber and fishing companies, in addition to many others. Extinction Rebellion has a very youthful and attractive appearance, the movement attracts enough people to shout against global leaders and demand changes in environmental policies around the world, respecting the limits that the order imposes on them, indirectly using the same logic that they oppose to and expecting from global leaders the longed-for changes in environmental policies, the same leaders who demonstrate that they are unable to comply with basic agreements like the one in Paris. Don’t you think that there is naivety in these movements and that instead of addressing the root of the problem they indirectly advocate for reforms and perpetuate the destructive industrial civilization? If they are not fighting for the end of industrial society, but for the existence of a “better industrial society”, wouldn’t this struggle be a big problem and a mere greenwashing?

Guy R. McPherson: These movements are exceptionally naive. As I indicated above, industrial civilization is a heat engine, but slowing or stopping industrial civilization heats the planet very quickly. This represents a classic Catch-22.

Erva Daninha: A UN report released last year, probably conservative in terms of numbers, said that one million species of animals and plants are at risk of extinction. The main cause indicated by the report is industrial agriculture, pollution and the warming of the oceans. Many scientists point towards the same, do you also believe that we are currently experiencing the sixth mass extinction? This would be the first human-made mass extinction, right? Would Anthropocene be a suitable term?

Guy R. McPherson: Earth is in the midst of the Seventh Mass Extinction. We have long believed we were in the Sixth Mass Extinction, but a paper published in the peer-reviewed Journal of Historical Biology on 5 September 2019 indicates an additional, previously unknown Mass Extinction Event (https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/08912963.2019.1658096). That minor point aside, the ongoing Mass Extinction Event is generally termed the Anthropocene Mass Extinction because it results from human activities (notably, industrial civilization).

Erva Daninha: Mark Boyce’s study published in the Journal of Mammalogy on the experience of reintroducing wolves in the Yellowstone National Park reinforced what many already knew, nature is interconnected and interdependent with the species that live in it, be it animals, plants, fungi, whatever it is. If a single animal disappears forever, the entire trophic cascade is destabilized and the consequences can be immeasurable.

Currently, all terrestrial biomes are threatened by the advance of civilization and the speed with which species are going extinct is a thousand times above normal, according to a study by University College London. This massive extinction endangers the life not only of the species, but of the biomes themselves. The marine biome, perhaps the most important one for life on earth, is rapidly disappearing. Insects vital to earth cycles, such as pollinators, also die in catastrophic quantities. Do you think that this massive extinction wave can reach the human species itself at some moment?

Guy R. McPherson: Several other species in the genus Homo have gone extinct. Indeed, all individuals die and all species go extinct. The 13 November 2018 peer-reviewed paper in Scientific Reports indicates all life on Earth will go extinct with the kind of temperature rise forecast in the near future, largely as a result of co-extinctions (https://www.nature.com/articles/s41598-018-35068-1). In other words, species such as ours that rely upon other species for our own existence, face an existential risk specifically because we depend upon other species. The ongoing insect apocalypse, the rapid rate of environmental change, and our membership as life forms on Earth guarantee our near-term demise.

Erva Daninha: You are sometimes singled out within the scientific community and within the world of ecological discourse as someone who is tremendously pessimistic and hopeless. We think of you as someone who is just realistic and well informed. It’s reality itself that’s pessimistic and full of bad news for humanity’s future. Last year a text called “Hope is a Mistake and a Lie” was published on your website, in which you destroy the hopeful behavior about the future of our species. Dr. Guy, don’t you think that there is a bitter difficulty within the scientific community, and among militants and activists, normally anarchists and leftists, to accept the reality about our future and understand the fact that better days will never come?

Us in particular are very realistic (and also pessimistic) about the future of our species and we believe that as humans we draw our own end and that we will reap the consequences of the ecocidal structure that homo-sapiens has erected. This allows us to deal with reality in the hardest, coldest and most necessary way. Naive activists shout for their political leaders to adopt new environmental policies, anarchists and leftists already seem to know that there is no way out, but they prefer to deny it with all their strength and cling to comfortable utopian dreams that can not be achieved. Hope is like a drug and these types of people are addicted, they cannot accept the dark days to come, so they run in circles, because to renounce hope would be to renounce humanity itself and everything it has created until today. What do you think about this?

Guy R. McPherson: The society has promulgated the idea that hope is universally good. I believed it for a long time. Then I looked up the definition of the word in the dictionary. As you indicated, I prefer reality to wishful thinking. And hope is one versión of wishful thinking.

Erva Daninha: Dr. Guy, what do you think about the anthropocentric perspective of the world? This type of thinking that places the human being at the center of everything and gives it more importance than other species is present even in the contemporary schools of thought that present a radical ecological critique, such is the case with eco-anarchism. We believe that the human being is just one more species among the thousands that exist, and perhaps is not even that important. The life-death cycle is constantly present in nature and it’s a part of the life of any living being, beings are being born and dying all the time. The modern human being denies death and always seeks to extend its existence. It is not wrong to say that the evolution of medicine, especially modern medicine, which has provided humans with such longevity, has caused them to mock natural selection and to expand at a very accelerated pace. Today the techniques of biotechnology and nanotechnology flirt with immortality. We believe that this type of thinking has also influenced humanity’s capability to reach a higher degree of ecocide on earth and it’s the basis for the values that support civilizations. What do you think about this?

Guy R. McPherson: I could not agree more. Homo sapiens represents one species among millions to occupy Earth. We have created environmental conditions contrary to the continuation of life on this beautiful planet. We strive for immortality at the level of individuals and at the level of our species. To the contrary, acceptance of one’s own death is a gift filled with peace. The same sentiment holds true at the level of our species.

Erva Daninha: Dr. Guy, is there a possibility that global warming could reveal to the world something as serious as the current coronavirus pandemic? Recent news showed that the melting in the Arctic and other frozen regions was resulting in the reappearance of bacteria and viruses considered to be extinct and also had the possibility of bringing back prehistoric bacteria and viruses of unknown pathogenic capacity. The magazine Scientific Reports has already published that the melting of the ice in the Arctic has released a virus normally found in the Atlantic that has contaminated sea otters in Alaska. We think that pathogenic super-microorganisms could, through the melting at the extreme poles of the earth, reach the coasts of several countries and start pandemic infections as occurred with the coronavirus on China, which could have started on a seafood market. Based on your experience as a researcher, do you believe that this possibility is real?

Guy R. McPherson: There is little question about the interaction between climate change and COVID-19. Most notable are (1) the potential for a reduction of the aerosol masking effect as industries slow, and (2) reappearance of many viruses as a result of melting ice (accelerated by climate change). Twenty-eight new virus groups were found recently in a melting glacier (https://www.popularmechanics.com/science/health/a30643717/viruses-found-melting-glacier/). The novel coronavirus currently in the news is the first of many such difficulties we face.

Erva Daninha: A survey by the science magazine called Advances in Atmospheric Sciences revealed that 2018 was the warmest year on record for ocean temperatures since monitoring began. Many people erroneously claim that forests are the “lungs of the earth”. Although important for oxygen production, carbon absorption and climate regulation, forests do not produce most of the world’s oxygen, the oceans do. What happens is that with global warming the temperatures in the oceans are increasing since more or less 93% of all the heat from climate change is absorbed by the oceans.

Biomes and marine fauna are extremely sensitive to climate change, and it is not only climate change that attacks the seas, but also pollution (including noise pollution from boats and submarines), industrial fishing, tourism, etc. The world’s oceans are in a very delicate situation, and unlike a terrestrial ecological reserve, where human destruction can be easily controlled and with great effort, reversed, what happens in the seas is that mitigation actions are out of control. Although possible, it is not easy to “plant” marine corals, planting grass is not the same as “planting algae”, although there are bizarre geoengineering experiments that propose this (which could be more disastrous than efficient). What diagnosis would you make out of the situation of the global oceans and what can happen if they continue to lose marine life?

Guy R. McPherson: We are products of the ocean. All life is dependent upon the ocean. Paul Watson, author and founder of the Sea Shepherd Conservation Society, says it best: “We cannot live on this planet with dead oceans. If our oceans die, we die.” We are in midst of the a global coral bleaching event, the third one in history. It is also the third one since 1998. Deoxygenation is a pressing problem in marine systems right now. I present abundant evidence from the peer-reviewed literature: https://guymcpherson.com/2018/12/ocean-deoxygenation-as-an-indicator-of-abrupt-climate-change/

Erva Daninha: Last year, an unreliable study by the Science magazine revealed that to limit the increase in global temperature to 1.5º C (Paris Agreement target) 1.2 trillion new trees would be needed worldwide, and the study advocated the indiscriminate planting of trees to absorb and reduce excess carbon dioxide in the earth’s atmosphere. We think that the study is unreliable because it presents only the quantity as a solution, without thinking about the complexity of the process and its side effects. The indiscriminate planting of trees, according to what we have read in the scientific literature and also to the opinions of scientists, such as that of the Brazilian Gerhard Overbeck, who refuted a proposal like this one from the Federal Institute of Technology in Zurich published in the article The global Tree Restoration Potential; can have environmental consequences. From our point of view, planting trees indiscriminately seems irresponsible and inconsequential. Nature is complex, self-regulating and interconnected, nature is not just quantity, but complexity. Biomes cannot be generated abruptly and in the long run the massive planting of trees could also bring environmental consequences such as depletion of underground water reserves, migrations or extinctions of species of animals and plants, etc. What do you think about this proposal of massive and indiscriminate planting of trees to reduce the amount of carbon dioxide in the Earth’s atmosphere?

Guy R. McPherson: This is a terrible idea. I wrote about it here: https://guymcpherson.com/2020/02/can-trees-sequester-enough-carbon/

Erva Daninha: Theodore Kaczynski, best known as the Unabomber, once wrote a text called “The Ship of Fools”. The text is metaphorical and very intelligent, it places the “ship” as our civilization, and the crew as the social figures that stand out the most in public complaints. In the story, the captain of the ship, who represents political leaders in the real world, is a very vain and confident person, as well as the crew, so they madly decide to travel in murky waters, towards dangerous icebergs. In the text, the captain, supported by his crew, leads the ship, which symbolizes civilization, towards increasingly dangerous waters, something that could easily result in the sinking of the boat if it crashed into icebergs. The dangerous waters in the text clearly symbolize the wrong course that our species is taking, and icebergs would be the end, the extinction. In the tale, while the captain steers the boat towards the icebergs, the crew begins to complain about various problems on the ship. There is the poor crew member who complains about earning little, there is the female crew member who complains about the inequality between women and men on the boat, there is the immigrant crew member who complains about the inequality in the treatment of foreigners, there is the crew member who is an Indian native who complains that the white stole their land and that is why he ended up on that ship and shouldn’t even be there, there is the gay crew member who complains that he is discriminated for his sexual preferences, there is the crew member who is vegan and who complains that the animals on the boat are being abused, there is the crew member who is a university professor and kind of an intellectual who defends and supports all previous complaints, and there is also another crew member, an individual who is being ignored by all the previous ones, and who says that while everybody complains about what bothers them, the ship is heading towards icebergs and that could kill all of them very soon. As the tale goes on, the complaints continue and the captain attends to each complaint little by little, granting more rights to stop the protests and calm the spirits. The same scenario is repeated a few times and the captain always manages to calm his crew down by granting them a little more rights, but without ever turning the boat’s course. At the end of the story everyone is more or less satisfied with their achievements, which are not big, but are significant anyways, and suddenly the boat crashes into a huge iceberg and everyone dies.

Dr. Guy, we believe that it does not take much effort to understand that this story perfectly reflects the critical situation in the world, with the serious ecological crisis underway, demagogue political leaders, social movements and their complaints, and that one percent who realizes about the delicate situation we are in and tries to alert about the ecocide or to act on their own way against the climate catastrophe. Do you believe that this tale lucidly reflects the reality of the world and the existing social movements?

Guy R. McPherson: Yes, without question. Kaczynski was well ahead of his time.

Erva Daninha: The respectable Brazilian scientist Antonio Donato Nobre published in 2014 a report called “The Climate Future of the Amazon” that points out that due to deforestation and degradation, the Amazon forest could be close to what he calls the “point of no return”, when it’s no longer able to regenerate on its own and begins to move towards total desertification. Since then, six years have passed and deforestation has intensified considerably, especially after the election of Jair Bolsonaro and the management of Ricardo Salles, Minister of the Environment. In other tropical forests of Asia and Africa the unfolding is the same, there is intense deforestation, according to some scientific reports. Tropical forests are extremely important in the world, they help to do things like regulating the climate and the rain cycle, so if these forests disappear the rains could also disappear and a myriad of ecosystems would be affected, perhaps extinguished. Dr. Guy, do you think there is a possibility that in the short term we will see a severe process of desertification in the world? This process is already happening in the world, including here in Brazil, especially in the northeast and northern regions of the country, but do you think that the world’s tropical forests can reach the “point of no return” and collapse at the point of becoming desertic, as Dr. Antonio Donato Nobre defends?

Guy R. McPherson: The ongoing exploitation of the Amazon is emblematic of our rush to greed. There are many examples of forests turned into deserts by “civilized” humans. The Amazonian example follows other previous examples in the Fertile Crescent, much of the Middle East and northern Africa, and so on. Given these examples, we can expect a similarly dire outcome in the Amazon.

Erva Daninha: Dr. Guy, a study by the Rights and Resources Initiative (RRI), Woods Hole Research Center (WHRC) and World Resources Institute (WRI) indicated that indigenous reserves hold 24% of the carbon stored on the terrestrial surface. The native peoples have different perspectives of existence and a different relation with the land, that is why they preserve it, they preserve it because they consider it to be sacred and because it is from it that they directly get their food, from hunting and gathering. Preservation is just a consequence, a beautiful and intelligent consequence.

We believe that there is a cultural crisis within civilization, especially with the arrival of the ultratechnological and cyber-connected modernity. Our diet, sleep patterns, cacophony, repetitive routine, types of work, the pressure from the family, work or society itself, over and under protection of the family, physical inactivity, obesity, cancer, epidemics and pandemics, “infocalypse”, social isolation on social networks, confinement, the artificialization of everything, vision pollution, the grayness of the cities, the speed at which everything goes (days, information, people, etc.), the climate changes that influence our disposition, social control, surveillance, pornography, advertisements, trends, traumas, abuses, drugs, ideologies, abstraction, loss of identity, loss of roots, liquidity of social, familiar and loving relationships, violence, police, prisons, wars, psychological illnesses, disorders, anxiety, depression, suicide, fear. We believe that a great part of all these problems comes from civilized life and its values, beliefs, routines and behaviors, especially modern life, and that these problems will only get worse over the years, and possibly even in the scenario of some socialistic, vegan, anarchistic or permacultural society. We don’t know if you have ever experienced this, but when we walk through a forest and feel its serenity, the smell of wet earth, the noise of the animals, everything seems to be fine, as if it were therapeutic. Perhaps it is ancient information contained in our DNA that brings back the memories of ancestral life in the forest. Some of us are direct descendants of native tribes and Quilombolas or have strong ties to what is left of these ancestral cultures and we feel that the solution to the global ecocide and the cultural crisis in civilization is not to think ahead, but to look back, to our past, to the ancestral way of life, at their respectful relations with the land, which is the reason why the indigenous people preserve their reserves and consequently they can absorb carbon. We are not naive, we do not romanticize tribal people and much less believe in a “primitive future” as the one preached by anarchists like John Zerzan and Kevin Tucker, nor do we think that it would be healthy for any ecosystem that a large part of the world’s population would change their lifestyle to a primitive model to “save the world”. With the number of humans that exist today on earth, we believe that no model would be sustainable in the long run. What we believe is that in another reality (currently existing) far from civilization and mass society, the wisdom and way of life of ancestral peoples really demonstrates the possibility of long-term coexistence with nature, where there is a future not only for the human species, but for all others. Of course, that is not what the future currently holds for the human species. But regardless of the end that is getting closer, what do you think about this idea of looking back, to ancestral times, and not further away to the future?

Guy R. McPherson: Absolutely. Many pre-civilized societies learned and practiced sustainability to a far greater extent than contemporary humans, as pointed out by Turnbull (The Forest People [1961], The Mountain People [1972]) and Quinn (Ishmael [1992], Beyond Civilization [1999]). A classic and often-cited example is the Iroquois Confederacy making decisions only after considering the impacts seven generations in the future. Padgett provided an education-based overview in 2018 (“Sustainability of Education: An Ecopedagogical Approach,” Journal of Sustainability Studies 1(1), Article 5, https://ir.una.edu/sustainabilityjournal/vol1/iss1/5). Clearly, learning was an important part of everyday living for the Iroquois Confederacy and other pre-civilized societies. In contrast, the evidence presented herein indicates that contemporary humans have not learned to practice sustainable actions.

Erva Daninha: You say stopping industrial civilization abruptly will bring the immediate demise for human life on earth, and maybe all life. But letting it go on, will have the same consequences, maybe twenty or thirty years into the future. So… What should we do? What do you propose? What’s your personal stance on this?

Guy R. McPherson: The certainty of death, coupled with the absurdity of life, helps me live with urgency and authenticity.

I am asked nearly every day for advice about living. I recommend living where you feel most alive. I recommend living fully. I recommend living with intention. I recommend living urgently, with death in mind. I recommend the pursuit of excellence. I recommend the pursuit of love. It’s small wonder I am often derided, mocked, rejected, and isolated by my contemporaries in the scientific community.

Pursue right action. Do not be attached to the outcome.

In light of the short time remaining in your life, and my own, I recommend all of the above, louder than before. More fully than you can imagine. To the limits of this restrictive culture, and beyond.

For you. For me. For us. For here. For now.

Live large. Be you, and bolder than you’ve ever been. Live as if you’re dying. The day draws near.

Erva Daninha: Dr. Guy, we appreciate the opportunity to interview you. It was a pleasure. If you want to leave a message feel free to do so.

Guy R. McPherson: Thank you. I appreciate the opportunity to inform people about the world we occupy.

..

Versión en portugués:

DESCARGA en PDF: Link 1Link 2Link 3 (via onion).

Erva Daninha: Antes de mais nada, queremos agradecer pelo senhor ter aceitado participar desta entrevista, Dr. Guy McPherson. As suas investigações científicas sobre o caos climático na civilização industrial são de enorme importância ao apontar a gravidade da crise ambiental no mundo provocada pela atividade humana.

Vamos lá. Você é conhecido por defender a ideia de Extinção Humana a Curto Prazo (NTHE). Você pode nos explicar o que é a NTHE e quais são os principais indicadores ecológicos que sustentam essa teoria?

Guy McPherson: Obrigado pela oportunidade de iniciar esta conversação com você e seu público.

A Extinção Humana a Curto Prazo (NTHE) *NdT1 como resultado das mudanças climáticas abruptas refere-se ao desaparecimento precoce da nossa espécie, o Homo Sapiens. Eu estive prognosticando a NTHE por vários anos, e outros começaram a compartilhar este prognóstico de forma recente.

Os humanos são animais e, como outros animais, nossa espécie requer um habitat para sobreviver. Especificamente, os seres humanos são mamíferos vertebrados. No entanto, o ritmo projetado das mudanças climáticas, usando o índice gradual de mudança prevista pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) *NdT2, supera a capacidade dos vertebrados de se adaptar por um fator de 10.000. (https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/ele.12144). Os mamíferos levarão milhões de anos para se recuperar do evento de Extinção em Massa atualmente em processo (https://www.pnas.org/content/115/44/11262). Duvido seriamente que nossa espécie possa evitar a extinção, sobretudo quando os vertebrados não-humanos e os mamíferos não-humanos desapareçam.

Pelo menos sete espécies do gênero Homo já foram extintas, apesar de que nenhuma destas espécies se encontrava na Terra durante um evento de Extinção em Massa. Nós estamos no meio de um evento de extinção massiva. De acordo com o biólogo da conservação Gerardo Ceballos, principal autor de um artigo publicado em 19 de junho de 2015 na revista Advanced Science, indicando que a Terra está experimentando um evento de Extinção em Massa (https://advances.sciencemag.org/content/1/5/e1400253), “a vida levará muitos milhões de anos para se recuperar, e nossa própria espécie poderia desaparecer antes que isso aconteça”. (https://phys.org/news/2015-06-sixth-mass-extinction-declares.html). Um artigo com o mesmo autor publicado em 25 de Julho de 2017 na Proceedings of the National Academy of Sciences indica que a Terra está em um processo de Extinção em Massa bastante avançado (https://www.pnas.org/content/114/30/E6089.short).

Um artigo na publicação de Novembro de 2018 da revista Scientific Reports indica que uma elevação média de 5-6 graus na temperatura global levaria à extinção toda a vida na terra (https://www.nature.com/articles/s41598-018-35068-1). Esse aumento da temperatura média global é esperado logo após os oceanos do Ártico ficarem sem gelo, um evento incorretamente projetado para o ano 2016 + 3 na publicação de 2012 da Annual Reviews sobre A Terra e as Ciências Planetárias (https://www.annualreviews.org/doi/abs/10.1146/annurev-earth-042711-105345). Apesar desta projeção incorreta, um Ártico sem gelo aparece no horizonte próximo.

As viagens comerciais aéreas representam uma ameaça existencial para toda a vida na Terra. De acordo com um artigo publicado na revista Atmospheric Chemistry and Physics de 27 de Junho de 2019, apenas os rastros dos aviões poderiam eliminar o habitat da maioria, senão de todas as formas de vida sobre a terra, ao interromper os padrões da circulação atmosférica (https://www.atmos-chem-phys.net/19/8163/2019/). Esta conclusão é apoiada por um estudo publicado on-line em 12 de Dezembro de 2019 na Earth and Space Science Open Archive (https://www.essoar.org/doi/10.1002/essoar.10501296.1).

A resposta padrão à atual crise climática é recomendar a redução das emissões de gases do efeito estufa. No entanto, a atividade industrial reduzida se traduz em uma redução abrupta dos aerossóis atmosféricos. Estes aerossóis refletem a radiação solar recebida, mantendo a Terra mais fria do que seria sem esses gases. Investigações sobre o efeito de resfriamento destes aerossóis apareceram na literatura científica sob revisão por pares desde 1929 (Angstor, 1929, “Sobre a transmissão atmosférica da radiação solar e sobre a poeira no ar”, Geografiska Annaler, 11, 156–166). A redução de apenas 20% da atividade industrial levaria a um aumento de 1 grau na temperatura global média em questão de semanas (Rosenfeld et al 2019, https://science.sciencemag.org/content/363/6427/eaav0566, e https://www.sustainability-times.com/environmental-protection/research-cooling-from-atmospheric-particles-may-mask-greater-warming/).

Erva Daninha: A conhecida ativista e escritora Naomi Klein, ao contrário de muitos negacionistas climáticos, argumenta que a atividade humana está intimamente relacionada à crise climática; no entanto, ela concentra a maior parte de seus esforços na pintura do capitalismo como o grande vilão do meio ambiente. Ocasionalmente, Naomi também critica o “socialismo industrial” de algumas nações, mas na maioria das vezes ela defende a mesma tese repetida pela grande maioria dos esquerdistas e ecologistas de todo o mundo: “se eliminarmos o capitalismo, tudo ficará bem”. Dr. Guy, acreditamos que suas críticas são mais amplas, elas visam o complexo industrial global e não apenas um tipo específico de ordem social. Por que você acha que a sociedade tecnológico-industrial global é o problema real e não apenas o capitalismo?

Guy McPherson: Como Tim Garrett apontou com base em extensas pesquisas, a civilização é uma máquina de calor (https://faculty.utah.edu/u0294462-TIM_GARRETT/research/index.hml). Em outras palavras, esse agrupamento de estruturas e seres vivos produz calor. Pouco importa como a civilização industrial opera. Os painéis solares e turbinas eólicas aquecem o planeta de igual maneira como a queima de combustíveis fósseis. A civilização está nos levando a um clima ao estilo do Plioceno que poderia chegar em 2030 (de acordo com um artigo da Proceedings of the National Academy of Sciences publicado em 26 de Dezembro de 2018, que se apoia no fortemente conservador Representative Concentration Pathways do IPCC, https://www.pnas.org/content/115/52/13288.short). Não consigo imaginar que humanos e outros mamíferos vertebrados sejam capazes de sobreviver a uma taxa tão alta de mudanças. Ainda sim, como apontei acima, desacelerar ou deter a civilização aqueceria o planeta ainda mais rápido do que se a mantivéssemos em pé.

Erva Daninha: Entre muitos outros cenários, temos destacadas as visões utópicas e esperançosas defendidas por Naomi Klein em relação ao ecossocialismo como uma alternativa para “salvar o mundo” de uma catástrofe ecológica e temos também a delirante “revolução primitivista” contra a civilização industrial apoiada por anarquistas como Kevin Tucker e John Zerzan. Em sua opinião, quão eficientes esses sistemas seriam quando o censo global prevê quase 10 bilhões de pessoas no planeta para 2050? Vivemos em um planeta finito com recursos limitados e a maioria desses recursos já desapareceram; mesmo uma mudança radical em direção a um sistema supostamente sustentável exigiria outras fontes massivas de energia, especialmente vinculadas a atividades de transporte ou para a produção de alimentos e, mesmo em casos mais extremos, como os da “utopia primitiva” defendida por alguns anarquistas, atividades em massa como alimentação e moradia, ou o que quer que seja, teriam um enorme impacto ambiental.

A natureza tende a exercer um controle auto-regulador sobre as espécies da Terra para impor uma coexistência orgânica, algo que alguns chamam de cascata trófica, mas a nossa espécie escapou disso e usou a tecnologia moderna a seu favor para superar o controle populacional imposto pela natureza manipulando o meio ambiente e expandindo-se para além de seus limites, enquanto consome a natureza indiscriminadamente e destrói grande parte dos recursos limitados da Terra, unicamente a benefício próprio. Você não acredita que exista uma superpopulação no mundo e que nossa cultura moderna seja alienada e decadente e que, dada a quantidade de bilhões de pessoas no mundo, qualquer proposta para criar uma sociedade global sustentável seria falha?

Guy McPherson: Como indiquei acima, duvido seriamente que sobreviveremos até 2030, muito menos até 2050. Uma população excessiva de humanos está consumindo excessivamente materiais finitos por um tempo excessivo. Superamos severamente o número sustentável de população humana sobre a terra.

Erva Daninha: Você afirmou em várias ocasiões que o IPCC é bastante conservador em suas estimativas. O senhor acredita que exista algum tipo pacto de conduta nessas entidades ou na própria comunidade científica que estabeleça um padrão de comportamento para evitar alarmes com impacto na economia ou na própria sociedade? Por exemplo, aqui no Brasil, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) divulgou dados alarmantes corroborados pela NASA sobre o aumento drástico do desmatamento na floresta amazônica no ano de 2019, e esta ação resultou na demissão de Ricardo Galvão, diretor da agência, a pedido do presidente Jair Bolsonaro. Acreditamos que, embora alertem sobre a crise climática, estas entidades e a maioria dos cientistas operam dentro da mesma lógica que a da cultura da civilização industrial-tecnológica e defendem a manutenção dessa lógica que, em teoria, seria a essência do caos climático, então, talvez por ordem dos governos (como foi o caso no Brasil), ou por iniciativa própria, as instituições manejam seus dados com precaução para não expor a inviabilidade dessa ordem social ecocida. O que você pensa sobre isso?

Guy McPherson: O IPCC usa uma abordagem muito conservadora para desenvolver as suas avaliações. Os cientistas dentro dos grupos de trabalho geralmente recorrem à relutância ao tirar suas conclusões. Depois que uma avaliação é preparada por cientistas conservadores, exigidos pelo IPCC para obter consenso, essa avaliação é enviada aos governos para uma revisão. Como você pode imaginar, os governos do mundo estão interessados principalmente em sustentar o crescimento econômico. “Salvar o mundo” não está na sua agenda.

Erva Daninha: Recentemente, um cientista brasileiro revelou que a Antártica atingiu uma temperatura surpreendente de 20º C, algo que “nunca foi visto antes”. Tais temperaturas são drásticos exemplos do aquecimento global. As consequências do aumento da temperatura nesses ambientes congelados já são bem conhecidas, o aumento do nível do mar é amplamente discutido na comunidade científica, mas os efeitos do derretimento não se restringem a apenas isso. A revista Nature já publicou um estudo no qual afirma que a Antártica está possivelmente retendo quantidades colossais de gás metano produzido ao longo de milhares de anos dentro de sua camada de gelo e que, se esse gás fosse liberado, teria um impacto agressivo no efeito estufa. O mesmo vale para o Ártico com permafrost, onde a situação é talvez ainda mais grave, pois o solo do Ártico não está mais congelado. Estudos indicam que o permafrost contém o dobro da quantidade total de carbono atualmente na atmosfera da Terra, e que um vazamento massivo desse material seria catastrófico para a vida na Terra, podendo até causar uma extinção em massa como a do período Permiano-Triássico. Você acredita que o efeito da “arma de clatratos” poderia realmente colocar em risco a maior parte da vida na Terra até 2040?

Guy McPherson: Não só eu concordo, como também o renomado cientista climático James Hansen que discutiu esta possibilidade. Um artigo de 2017 revisado entre pares por Hansen e seus colegas, indicava que a Terra se encontrava em suas temperaturas mais altas desde a existência da nossa espécie (https://arxiv.org/abs/1609.05878). De fato, as emissões de metano provenientes do fundo do gelo e também as emissões de metano que saem do derretimento do permafrost representam dois dos sete meios pelos quais o planeta poderia aquecer muito rapidamente, destruindo o habitat para os seres humanos (https://weeklyhubris.com/seven-distinct-paths-to-loss-of-habitat-for-humans/).

Erva Daninha: Em 2014, em uma entrevista à Russia Today, citando um estudo do cientista climático Tim Garrett, você disse que apenas o colapso total da civilização industrial poderia impedir mudanças climáticas descontroladas. Por razões lógicas, uma solução baseada nessa premissa nunca virá de nenhum governo ou instituição como a ONU. Pelo contrário, o fraco Acordo de Paris já foi abandonado pelos Estados Unidos, o maior emissor de gases de efeito estufa de toda a história, e o Estado brasileiro também mostrou sinais de sua intenção de abandonar o acordo. Estudos como o da Universal Ecological Fundation já apontaram que o acordo não será suficiente para limitar o aumento da temperatura entre 1,5º C e 2º C em relação aos níveis da era pré-industrial. Avaliações como a sua indicam a possibilidade de um aumento superior a 3,5º C em um curto período de tempo. A interrupção das atividades industriais é impensável no mundo moderno, pois isso significaria negar a própria lógica na qual a maioria dos países estão inseridos. No entanto, isso não significa que cenários como esse sejam impossíveis de serem alcançados, apenas não através da ação de governos, claro.

No final do ano passado, os rebeldes houthis atacaram a maior refinaria de petróleo do mundo na Arábia Saudita com drones, interrompendo metade da produção do reino, que fornece 10% de todo o petróleo consumido no mundo. Embora extremo, este é um exemplo real da interrupção abrupta de uma atividade que é prejudicial ao meio ambiente. Grupos como os Vingadores do Delta do Níger também causaram danos catastróficos à produção de petróleo em países como a Nigéria. Estudos publicados pela revista Science Advances também concluíram que a guerra no Oriente Médio fez com que a poluição diminuísse em algumas áreas da região, porque os níveis de atividade industrial diminuíram e as atividades da vida urbana, como dirigir, foram afetadas. Deixando de lado todo o julgamento que poderia implicar esse tipo de ação e considerando o fato de que são necessárias ações urgentes para interromper a atividade industrial e os governos nunca as oferecerão, você considera que há eficiência prática nesse tipo de ação para interromper as emissões de poluentes ou destruição do meio ambiente no mundo? Repito, pergunto de uma perspectiva puramente prática, deixando de lado o julgamento sobre se é legal ou ilegal.

Guy McPherson: Consulte as informações anteriores sobre o efeito do Escurecimento Global.

Erva Daninha: Dr. Guy, o mundo está atualmente enfrentando uma pandemia do COVID-19, uma das mais catastróficas dos últimos tempos. A atenção está praticamente toda focada nos danos econômicos causados por essa situação, fala-se muito de uma nova recessão econômica no mundo e de uma crise financeira global semelhante à de 2008, mas pouco se fala sobre os benefícios dessa pandemia para o meio ambiente. Você mesmo disse que a interrupção total das atividades industriais são os eventos mais benéficos que podem contribuir para o não aumento da temperatura global e é exatamente isso que esta doença está causando.

Na China, houve uma grande paralisia das atividades econômicas e a redução de gases poluentes foi enorme e abrupta. Em fevereiro deste ano, a concentração desses gases foi 25% menor em relação ao mesmo período do ano passado, segundo o Center for Research on Energy and Clean Air. Na Itália, com o turismo reduzido a zero, as águas do Grande Canal de Veneza pareciam melhores e a qualidade do ar melhorava na área, segundo a prefeitura. Dados do satélite Sentinel-5P do programa Copernican da Comissão Europeia em parceria com a Agência Espacial Europeia (ESA) mostraram que, em termos gerais, a poluição teve uma forte queda na Itália, especialmente na região norte do país, que foi a mais afetada pelo vírus. Certamente, o mesmo se repete em várias regiões do planeta, e não apenas porque as atividades industriais foram paralisadas ou reduzidas, mas também porque o turismo, o transporte e muitas outras atividades diárias da civilização tecnológico-industrial cessaram.

Com base nisso, como você vê esses grandes desastres e seus benefícios ambientais? Acreditamos que eles contribuem para conter a crise climática global e indicam que, para o planeta, nosso estilo de vida civilizado é tão ruim quanto uma pandemia é para nós. Também pensamos que os desastres podem funcionar como uma catarse auto-reguladora da terra, tentando desmantelar o estilo de vida moderno e prejudicial e a grande civilização tecno-industrial.

Guy McPherson: Na verdade, revi minha avaliação sobre os horrores da civilização industrial, conforme observado acima. A civilização industrial intoxica o ar, suja as águas e enche os mares de óleo. A civilização industrial é uma praga para o planeta vivo. No entanto, partindo da perspectiva das mudanças climáticas, manter a civilização ajuda a sustentar o habitat dos seres humanos na Terra. Na nossa ausência, as plantas nucleares do mundo entrariam em colapso catastroficamente, deixando assim o planeta banhado em radiação ionizante. Suspeito que um evento destas características destruiria o habitat para todas as formas de vida na Terra em poucas gerações depois que as mutações letais começassem.

Erva Daninha: Atualmente vemos o surgimento de um “Green New Deal” global através de novos movimentos como o Extinction Rebellion e o Movimento Sunrise e também por ativistas climáticos como Greta Thunberg. Para os pouco informados, parece algo novo, mas o mesmo aconteceu em tempos passados com várias ONGs, com ênfase no Greenpeace, que ao longo dos anos reduziu suas atividades a performances pacíficas a serem registradas e disseminadas nas mídias sociais, campanhas para assinar petições para o governo e uma intensa atividade de greenwashing para promover o consumo supostamente sustentável.

Hoje as grandes eco-organizações do passado estão promovendo um discurso de mudança individual para mudar o mundo, o famoso ativismo “faça a sua parte”, uma vez que foram aceitas e incorporadas na própria lógica do sistema que criticaram, como é o caso o caso do Greenpeace, que fez pactos com empresas de exploração petroleira e da área madeireira e pesqueira, além de algumas outras. O Extinction Rebellion tem uma aparência muito jovem e atraente, o movimento atrai muitas pessoas para gritar contra líderes globais e exigir mudanças nas políticas ambientais em todo o mundo, respeitando os limites que a ordem lhes impõe e, indiretamente, usando a mesma lógica à qual se opõem e esperando dos líderes globais as tão esperadas mudanças nas políticas ambientais, os mesmos líderes que demonstram que são incapazes de cumprir acordos básicos como o de Paris. Você não acha que há ingenuidade nesses movimentos e que, em vez de abordar a raiz do problema, eles indiretamente defendem reformas e perpetuam a civilização industrial destrutiva? Se eles não estão lutando pelo fim da sociedade industrial, mas pela existência de uma “sociedade industrial melhor”, essa luta não seria um grande problema e um mero greenwashing?

Guy McPherson: Estes movimentos são excepcionalmente ingênuos. Como indiquei acima, a civilização industrial é uma máquina de calor, mas diminuir ou parar a civilização industrial aqueceria o planeta muito rapidamente. Isso representa um clássico Ardil 22 *NdT3.

Erva Daninha: Um relatório da ONU divulgado no ano passado, provavelmente conservador em termos numéricos, disse que um milhão de espécies de animais e plantas estão em risco de extinção. A principal causa indicada pelo relatório é a agricultura industrial, a poluição e o aquecimento dos oceanos. Muitos cientistas apontam para o mesmo. Você também acredita que estamos atualmente enfrentando a sexta extinção em massa? Esta seria a primeira extinção em massa causada pela espécie humana, certo? Antropoceno seria um termo adequado?

Guy McPherson: A terra se encontra no meio da Sétima Extinção em Massa. Passamos muito tempo acreditando que estávamos na Sexta Extinção em Massa, mas um artigo publicado na revista Historical Biology em 5 de Setembro de 2019 indica um evento de Extinção em Massa anteriormente desconhecido (https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/08912963.2019.1658096). Deixando esse pequeno ponto de lado, a atual evento de Extinção em Massa é comumente denominado Extinção em Massa do Antropoceno, porque é resultado das atividades humanas (principalmente, da civilização industrial).

Erva Daninha: O estudo de Mark Boyce publicado no Journal of Mammalogy sobre a experiência de reintroduzir lobos no Parque Nacional de Yellowstone reforçou o que muitos já sabiam, a natureza é interconectada e interdependente com as espécies que vivem nela, sejam animais, plantas, fungos, o que quer que seja. Se um único animal desaparece para sempre, toda a cascata trófica é desestabilizada e as consequências podem ser incomensuráveis.

Atualmente, todos os biomas terrestres estão ameaçados pelo avanço da civilização e a velocidade com que as espécies são extintas é mil vezes superior ao normal, segundo um estudo da University College London. Essa extinção massiva põe em perigo a vida não apenas das espécies, mas também dos próprios biomas. O bioma marinho, talvez o mais importante para a vida na Terra, está desaparecendo rapidamente. Os insetos vitais para os ciclos terrestres, como os polinizadores, também morrem em quantidades catastróficas. Você acha que essa enorme onda de extinção pode atingir a própria espécie humana em algum momento?

Guy McPherson: Várias outras espécies do gênero Homo foram extintas. De fato, todos os indivíduos morrem e todas as espécies se extinguem. O artigo revisado por pares de 13 de Novembro de 2018 na Scientific Reports indica que toda a vida na Terra se extinguirá com os aumentos de temperatura prognosticados para o futuro próximo, principalmente como resultado de co-extinções (https://www.nature.com/articles/s41598-018-35068-1). Em outras palavras, espécies como a nossa, que dependem de outras espécies para sua própria existência, enfrentam um risco existencial especificamente porque dependem de outras espécies. O atual apocalipse de insetos, o ritmo acelerado das mudanças climáticas, etc. A união interdependente de tantas formas de vida na Terra garante a nossa extinção a curto prazo.

Erva Daninha: Às vezes você é apontado na comunidade científica e em círculos ecologistas como alguém tremendamente pessimista e sem esperança. Nós pensamos em você como alguém que é apenas realista e bem informado. Na verdade é a própria realidade pessimista e cheia de más notícias para o futuro da humanidade. No ano passado, um texto chamado A esperança é um erro e uma mentira foi publicado em seu site, no qual você destrói o comportamento esperançoso sobre o futuro de nossa espécie. Dr. Guy, você não acha que há uma dificuldade amarga na comunidade científica, e entre militantes e ativistas, normalmente anarquistas e esquerdistas, de aceitar a realidade sobre o nosso futuro e entender o fato de que dias melhores nunca virão?

Nós em particular, somos bastante realistas (e também pessimistas) sobre o futuro de nossa espécie e acreditamos que, como seres humanos, traçamos nosso próprio fim e que colheremos as consequências da estrutura ecocida que os homo sapiens ergueram. Isso nos permite lidar com a realidade da maneira mais dura, fria e necessária. Ativistas ingênuos gritam para seus líderes políticos adotarem novas políticas ambientais, anarquistas e esquerdistas já parecem saber que não há saídas, mas eles preferem negar isso com todas suas forças e se apegam a sonhos utópicos confortáveis que não podem ser alcançados. A esperança é como uma droga e este perfil de pessoas é viciado, não podem aceitar os dias sombrios que estão por vir, então correm em círculos, porque renunciar à esperança seria renunciar à própria humanidade e a tudo o que ela criou até hoje. O que você pensa sobre isso?

Guy McPherson: A sociedade adotou a ideia de que a esperança é universalmente boa. Eu acreditei nisso por um longo tempo, então busquei a definição no dicionário. Como você indicou, prefiro a realidade dura a submergir-me em delírios que dificilmente serão alcançados, e a esperança é uma versão destes pensamentos inalcançáveis.

Erva Daninha: Dr. Guy, o que você acha da perspectiva antropocêntrica de se enxergar as coisas? Esse tipo de pensamento que coloca o ser humano no centro de tudo e lhe dá mais importância do que as outras espécies está presente mesmo nas escolas contemporâneas de pensamento que apresentam uma crítica ecológica radical, como é o caso do eco-anarquismo.

Acreditamos que o ser humano é apenas mais uma espécie dentre as milhares que existem, e que talvez nem seja tão importante. O ciclo vida-morte está omnipresente na natureza e faz parte da trajetória de qualquer ser vivo; os seres nascem e morrem o tempo todo. O ser humano moderno nega a morte e sempre busca prolongar a sua existência. Não é errado dizer que a evolução da medicina, especialmente a medicina moderna, que proporcionou aos humanos tanta longevidade, fez com que burlassem a seleção natural e se expandissem em um ritmo muito acelerado. Hoje, as técnicas de biotecnologia e nanotecnologia flertam com a imortalidade. Acreditamos que esse tipo de pensamento também influenciou a capacidade da humanidade de alcançar um maior grau de ecocídio na Terra e é a base dos valores que apoiam as civilizações. O que você pensa sobre isso?

Guy McPherson: Estou completamente de acordo. O Homo Sapiens representa uma espécie entre milhões que ocupam a Terra. Criamos as condições ambientais contrárias à continuação da vida neste maravilhoso planeta. Nós nos esforçamos para alcançar a imortalidade a nível individual e a nível de espécie. Pelo contrário, a aceitação da própria morte é um presente cheio de paz. O mesmo sentimento mantém sua veracidade ao nível da espécie.

Erva Daninha: Dr. Guy, existe a possibilidade de que o aquecimento global possa revelar ao mundo algo tão sério quanto a atual pandemia de coronavírus? Notícias recentes mostraram que o derretimento no Ártico e em outras regiões congeladas estava resultando no reaparecimento de bactérias e vírus considerados extintos e também tinha a possibilidade de liberar bactérias e vírus pré-históricos de capacidade patogênica desconhecida. A revista Scientific Reports já publicou que o derretimento do gelo no Ártico liberou um vírus normalmente encontrado no Atlântico que contaminou lontras marinhas no Alasca. Acreditamos que os super-microrganismos patogênicos poderiam, através do derretimento nos polos extremos da terra, alcançar as costas de vários países e iniciar infecções por pandemia, como ocorreu com o coronavírus na China, que poderia ter começado em um mercado de frutos do mar. Com base na sua experiência como pesquisador, você acredita que essa possibilidade é real?

Guy McPherson: Há poucas dúvidas sobre as interações entre as mudanças climáticas e o COVID-19. As mais importantes são (1) a potencial redução do efeito do Escurecimento Global à medida que as indústrias desaceleram, e (2) o reaparecimento de muitos vírus como resultado do derretimento do gelo (acelerado pelas mudanças climáticas). 28 novos grupos virais foram encontrados recentemente em uma geleira que estava derretendo (https://www.popularmechanics.com/science/health/a30643717/viruses-found-melting-glacier/). O novo coronavírus atualmente nos noticiários é a primeira de muitas dessas dificuldades que vamos enfrentar.

Erva Daninha: Uma pesquisa da revista Science Advances in Atmospheric Sciences revelou que 2018 foi o ano mais quente já registrado para as temperaturas dos oceanos desde o início do monitoramento. Muitas pessoas afirmam erroneamente que as florestas são os “pulmões da terra”. Embora importantes para a produção de oxigênio, absorção de carbono e regulação do clima, as florestas não produzem a maior parte do oxigênio do mundo, os oceanos produzem. O que acontece é que, com o aquecimento global, as temperaturas nos oceanos estão aumentando, uma vez que mais ou menos 93% de todo o calor das mudanças climáticas é absorvido pelos oceanos.

Os biomas e a fauna marinha são extremamente sensíveis às mudanças climáticas, e não são apenas as mudanças climáticas que atacam os mares, mas também a poluição (incluindo a poluição sonora de barcos e submarinos), a pesca industrial, o turismo etc. Os oceanos do mundo estão em uma situação muito delicada e, ao contrário de uma reserva ecológica terrestre, onde a destruição humana pode ser facilmente controlada e com grande esforço, revertida, o que acontece nos mares é que as ações de mitigação estão fora de controle. Embora possível, não é fácil “plantar” corais marinhos, plantar grama não é o mesmo que “plantar algas”, embora existam experiências bizarras de geoengenharia que proponham isso (o que poderia ser mais desastroso do que eficiente). Que diagnóstico você faria da situação dos oceanos globais e o que pode acontecer se eles continuarem a perder a vida marinha?

Guy McPherson: Nós somos produtos do oceano. Todas as formas de vida dependem do oceano. Paul Watson, autor e fundador da Sea Shepherd Conservation Society, afirma da melhor forma: “Não podemos viver neste planeta com os oceanos mortos. Se os oceanos morrem, nós morreremos”. Estamos no meio de um evento global de “branqueamento de corais”, o terceiro na história. Também é o terceiro desde 1998. A desoxigenação é um problema urgente para os sistemas marinhos atualmente. Eu apresentei evidências abundantes na literatura revisada por pares: https://guymcpherson.com/2018/12/ocean-deoxygenation-as-an-indicator-of-abrupt-climate-change/

Erva Daninha: No ano passado, um estudo pouco confiável da revista Science afirmou que para limitar o aumento da temperatura global a 1,5º C (meta do Acordo de Paris) seriam necessários 1,2 trilhão de novas árvores em todo o mundo, e o estudo defendeu o plantio indiscriminado de árvores para absorver e reduzir o excesso de dióxido de carbono na atmosfera da Terra. Achamos que o estudo não é confiável, pois apresenta apenas a quantidade como solução, sem pensar na complexidade do processo e em seus efeitos colaterais. O plantio indiscriminado de árvores, de acordo com o que lemos na literatura científica, como a análise do brasileiro Gerhard Overbeck, que confrontou uma proposta como essa do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique publicada no artigo The global tree restoration potential (O potencial global de restauração de árvores); pode ter consequências ambientais. Do nosso ponto de vista, plantar árvores indiscriminadamente parece irresponsável e inconsequente. A natureza é complexa, auto-reguladora e interconectada, a natureza não é apenas quantidade, mas complexidade. Os biomas não podem ser gerados abruptamente e, a longo prazo, o plantio massivo de árvores também pode trazer consequências ambientais, como o esgotamento das reservas de água subterrâneas, migrações ou extinções de espécies de animais e plantas, etc. O que você acha dessa proposta de cultivo massivo e plantio indiscriminado de árvores para reduzir a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera da Terra?

Guy McPherson: Esta ideia é terrível. Escrevi a respeito aqui: https://guymcpherson.com/2020/02/can-trees-sequester-enough-carbon/

Erva Daninha: Theodore Kaczynski, mais conhecido como Unabomber, escreveu uma vez um texto chamado “O Navio dos Tolos”. O texto é metafórico e muito inteligente, coloca o “navio” como nossa civilização e a tripulação como figuras sociais que mais se destacam em reclamações públicas. Na história, o capitão do navio, que representa líderes políticos no mundo real, é uma pessoa muito vaidosa e confiante, assim como a tripulação, então eles decidem loucamente viajar em águas turvas, em direção a perigosos icebergs. No texto, o capitão, apoiado por sua tripulação, lidera o navio, que simboliza a civilização, em direção a águas cada vez mais perigosas, algo que poderia facilmente resultar no naufrágio do barco se ele colidisse com icebergs. As águas perigosas no texto simbolizam claramente o rumo errado que nossa espécie está tomando, e os icebergs seriam o fim, a extinção. No conto, enquanto o capitão dirige o barco em direção aos icebergs, a tripulação começa a reclamar de vários problemas no navio. Há o membro da tripulação pobre que reclama de ganhar pouco, há a membra da tripulação feminina que reclama da desigualdade entre homens e mulheres no barco, há o membro da tripulação imigrante que reclama da desigualdade no tratamento de estrangeiros, há o membro da tripulação que é um índio que reclama que os brancos roubaram suas terras e é por isso que ele acabou naquele navio e nem deveria estar ali, há o membro da tripulação gay que reclama que ele é discriminado por suas preferências sexuais, há o membro da tripulação que é vegano e queixa-se de que os animais no barco estão sendo maltratados, há o membro da tripulação que é professor universitário e um tipo de intelectual que defende e apoia todas as queixas anteriores, e há também outro tripulante, um indivíduo que é ignorado por todos os anteriores e que diz que, embora todos se queixem do que os incomoda, o navio está indo em direção a icebergs e isso poderia matar a todos eles muito em breve. À medida que a história continua, as queixas continuam e o capitão atende a cada uma delas pouco a pouco, concedendo mais direitos para interromper os protestos e acalmar os ânimos. O mesmo cenário é repetido algumas vezes e o capitão sempre consegue acalmar a sua tripulação, concedendo-lhes um pouco mais de direitos, mas sem nunca mudar o rumo do barco. No final da história, todos estão mais ou menos satisfeitos com suas realizações, que não são grandes, mas são importantes de qualquer maneira, e de repente o barco colide com um imenso iceberg e todos morrem.

Dr. Guy, acreditamos que não é preciso muito esforço para entender que essa história reflete perfeitamente a situação crítica do mundo, com a grave crise ecológica em andamento, líderes políticos demagogos, movimentos sociais e suas queixas, e aquele 1% que percebe a delicada situação em que estamos e tenta alertar sobre o ecocídio ou agir à sua maneira contra a catástrofe climática. Você acredita que esse conto reflete lucidamente a realidade do mundo e os movimentos sociais existentes?

Guy McPherson: Sim, sem sombra de dúvidas. Kaczynski esteve a frente de seu tempo.

Erva Daninha: O respeitável cientista brasileiro Antonio Donato Nobre publicou em 2014 um relatório chamado O Futuro Climático da Amazônia, que destaca que, devido ao desmatamento e degradação, a floresta amazônica pode estar próxima do que ele chama de “ponto sem retorno”, quando não é mais capaz de se regenerar por conta própria e começa a se mover em direção à desertificação total. Desde então, seis anos se passaram e o desmatamento se intensificou consideravelmente, principalmente após a eleição de Jair Bolsonaro e a gestão de Ricardo Salles, Ministro do Meio Ambiente. Em outras florestas tropicais da Ásia e da África, o desdobramento é o mesmo, há intenso desmatamento, de acordo com alguns relatórios científicos. As florestas tropicais são extremamente importantes no mundo, pois ajudam a regular o clima e o ciclo das chuvas; portanto, se essas florestas desaparecerem, as chuvas também poderão desaparecer e uma infinidade de ecossistemas seriam afetados e, talvez até extintos. Dr. Guy, você acha que existe a possibilidade de que, a curto prazo, possamos ver um processo severo de desertificação no planeta? Esse fenômeno já está ocorrendo no mundo, inclusive aqui no Brasil, especialmente nas regiões nordeste e norte do país, mas você acha que as florestas tropicais do mundo podem atingir o “ponto de não retorno” e colapsar e tornarem-se desertos, como defende o Dr. Antonio Donato Nobre?

Guy McPherson: A atual exploração da Amazônia é um emblema de nossa corrida à ganância. Existem muitos exemplos de florestas transformadas em desertos pelos humanos “civilizados”. O exemplo da Amazônia é uma continuação de outros exemplos anteriores no Crescente Fértil, grande parte do Oriente Médio e o Norte da África, e assim por diante. Em vista destes exemplos, podemos esperar um resultado terrível para a Amazônia.

Erva Daninha: Dr. Guy, um estudo da Rights and Resources Initiative (RRI), Woods Hole Research Center (WHRC) e World Resources Institute (WRI) indicou que as reservas indígenas detêm 24% do carbono armazenado na superfície terrestre. Os povos nativos têm perspectivas de existência distintas da nossa e uma relação diferente com a terra, por isso a preservam, a preservam porque a consideram sagrada e porque é dela que obtêm sua comida diretamente, da caça, coleta e baixa agricultura. A preservação é apenas uma consequência, uma consequência bonita e inteligente.

Acreditamos que há uma crise cultural dentro da civilização, especialmente com a chegada da modernidade ultratecnológica e cibernética. Nossa dieta, padrões de sono, cacofonia, rotina repetitiva, tipos de trabalho, pressão da família, trabalho ou sociedade, super e subproteção familiar, sedentarismo, obesidade, câncer, epidemias e pandemias, “infocalipse”, isolamento social nas redes sociais, confinamento, artificialização de tudo, poluição visual, o acinzentado das cidades, velocidade com o que tudo passa (dias, informações, pessoas, etc.), mudanças climáticas que influenciam em nossa disposição, controle social, vigilância, pornografia, publicidade, tendências, traumas, abusos, drogas, ideologias, abstração, perda de identidade, perda de raízes, liquidez de relacionamentos sociais, familiares e amorosos, violência, polícia, prisões, guerras, doenças psicológicas, distúrbios, ansiedade, depressão, suicídio, medo. Acreditamos que boa parte de todos esses problemas advém da vida civilizada e de seus valores, crenças, rotinas e comportamentos, principalmente da vida moderna, e que esses problemas só pioram com o passar dos anos e, possivelmente, alguns deles podem reincidir mesmo no cenário de alguma sociedade socialista, vegana, anarquista ou permacultural. Não sabemos se você já reparou nisso, mas quando caminhamos por uma floresta e sentimos a sua serenidade, o cheiro de terra molhada, o barulho dos animais, tudo parece estar bem, como se fosse terapêutico. Talvez seja a informação antiga contida em nosso DNA que traz de volta as memórias da vida ancestral na floresta. Alguns de nós somos descendentes diretos de tribos nativas e quilombolas ou temos fortes laços com o que resta dessas culturas ancestrais e sentimos que a solução para o ecocídio global e a crise cultural na civilização não é pensar no futuro, mas olhar para trás, ao nosso passado, ao modo de vida ancestral, em suas respeitosas relações com a terra, razão pela qual os povos indígenas preservam suas reservas e, consequentemente, elas podem absorver o carbono. Não somos ingênuos, não romantizamos povos tribais e muito menos cremos em um “futuro primitivo” como aquele pregado por anarquistas como John Zerzan e Kevin Tucker, nem achamos que seria saudável para qualquer ecossistema que uma grande parte da população mundial mudasse seu estilo de vida para um modelo primitivo para “salvar o mundo”. Com o número de humanos que existem hoje na Terra, acreditamos que nenhum modelo seria sustentável a longo prazo. O que acreditamos é que, em outra realidade (atualmente existente) longe da civilização e da sociedade de massas, a sabedoria e o modo de vida dos povos ancestrais realmente demonstram a possibilidade de coexistência a longo prazo com a natureza, onde há um futuro não apenas para o ser humano, mas para todas as outras espécies. Certamente, não é isso que o atualmente o futuro reserva para a espécie humana. Mas, independentemente do fim que está se aproximando, o que você acha dessa ideia de olhar para trás, para os tempos ancestrais e não para o futuro?

Guy McPherson: Coincido absolutamente. Muitas sociedades pré-civilizadas aprenderam e praticaram a sustentabilidade muito mais que os humanos contemporâneos, como observou Turnbull (The Forest People [1961], The Mountain People [1972]) e Quinn (Ishmael [1992], Beyond Civilization [1999]). Um exemplo clássico e muito citado é o da Confederação dos Iroqueses tomando decisões depois de considerar o impacto que teriam em sete gerações no futuro. Padgett nos fornece uma análise baseada na educação em 2018 (“Sustainability of Education: An Ecopedagogical Approach,” Journal of Sustainability Studies 1(1), Article 5, https://ir.una.edu/sustainabilityjournal/vol1/iss1/5). Claramente, o aprendizado era uma parte importante na vida cotidiana da Confederação dos Iroqueses e de outras sociedades pré-civilizadas. Pelo contrário, as evidências apresentadas aqui indicam que os humanos contemporâneos não aprenderam a praticar ações sustentáveis.

Erva Daninha: Guy, você diz que frear a civilização industrial abruptamente levaria à morte imediata de toda a vida humana na Terra, e talvez de toda forma de vida. Mas deixá-la continuar terá as mesmas consequências, vinte ou trinta anos mais tarde. Então… o que deveríamos fazer? O que você propõe? Qual é a sua postura pessoal a respeito?

Guy McPherson: A certeza da morte, junto com o absurdo da vida, me ajuda a viver com urgência e autenticidade.

Quase todos os dias as pessoas me pedem conselhos sobre como viver. Eu recomendo morar onde você se sinta mais vivo. Recomendo viver plenamente. Recomendo viver com intenção. Recomendo viver com urgência, com a morte em mente. Recomendo a busca da excelência. Recomendo a busca do amor. Não é de surpreender que eu seja frequentemente ridicularizado, alvo de piadas, rechaço e seja isolado por meus próprios contemporâneos na comunidade científica.

Persiga a ação correta. Não se apegue aos resultados. Considerando o pouco de tempo restante em sua vida e na minha, recomendo tudo isso acima, mais do que nunca. Mais intensamente do que você possa imaginar. Para os limites desta cultura restritiva e além. Por você. Por mim. Por nós. Por aqui. Pelo agora. Viva grande. Seja você mesmo, e mais ousado do que nunca. Viva como se estivesse prestes a morrer. O dia se aproxima.

Erva Daninha: Certo! Dr. Guy, agradecemos a oportunidade de entrevistá-lo. Foi um prazer. Se você quiser deixar uma mensagem, sinta-se à vontade para fazê-lo.

Guy McPherson: Agradeço a você. Aprecio a oportunidade de informar as pessoas sobre o mundo que ocupamos.

Notas do Tradutor:

1. NTHE, por suas siglas em inglês (Near-term human extinction).

2. IPCC, por suas siglas em inglês (Intergovernment Panel on Climate Change).

3. Ardil 22 é uma novela satírica antibelicista de ficção histórica escrita por Joseph Heller e publicada em 1961.

(es) [Italia] Nuevo paquete-bomba en Milán

Otro paquete-bomba, idéntico a los enviados a la capital en las últimas semanas, fue entregado el martes por la tarde a un hombre de 59 años de Cologno Monzese, en la provincia de Milán. Mismo papel, mismo contenedor: solo que esta vez el sobre explosivo fue más allá de las fronteras romanas a Lombardía, ya afectado por la emergencia del Coronavirus.

Los carabinieri de Milán, llamados en el acto, lograron detonar el contenido y ahora trabajan junto con los investigadores romanos y antiterroristas para determinar el origen y la posibilidad de que hay detrás de todos los paquetes entregados hasta la fecha en la capital.

Por el momento, la fiscalía de Monza ha abierto un archivo que, con toda probabilidad, será transferido a Roma, donde durante semanas se llevaron a cabo investigaciones sobre los sobres explosivos enviados a una docena de personas. En Piazzale Clodio, se hipotetizan ataques terroristas y lesiones personales. Incluso el último paquete enviado a Lombardía tiene las mismas características que los demás. Para los investigadores romanos, el camino privilegiado sigue siendo algún grupo anárquico.

(es) [Holanda] Carta-bombas y ataques anónimos cunden Amsterdam

Dos bombas carta explotaron el miércoles por la mañana en dos oficinas separadas de clasificación de correo en lo Holanda. Los ataques se produjeron mientras la policía continúa investigando una serie de ataques similares en las principales ciudades holandesas el mes pasado.

Uno de los dispositivos descubiertos el miércoles explotó en la sala de correos de un edificio de oficinas en Amsterdam, mientras que el otro fue enviado a una compañía de clasificación en la ciudad de Kerkrade, en el sur de Holanda.

Nadie resultó herido por las explosiones.

Según la policía de Amsterdam, un empleado que trabajaba en el distrito occidental de Bolstoen intentaba abrir la carta cuando escuchó un fuerte silbido.
Después de tirar la carta, hubo una pequeña explosión y el edificio fue evacuado cuando la policía llegó al lugar.

“El departamento de investigación criminal está investigando el origen de la carta en colaboración con investigaciones forenses”, dijo la policía de Amsterdam en una declaración escrita.
“El escuadrón de bombas llegó a la escena para una mayor investigación, pero no encontró explosivos”.

Casi 200 kilómetros al sur, cerca de Maastricht, otro empleado que trabajaba en una oficina de correos en la ciudad de Kerkrade encontró una carta similar.
Según los investigadores, la explosión causó daños menores.
Los dos ataques provienen de una serie de incidentes similares que afectaron el país a principios de enero.

El 3 de enero, el personal del hotel Okura en Amsterdam notificó a la policía después de recibir un paquete que creían que contenía una bomba.
El dispositivo era uno de al menos siete que se enviaron a varias direcciones en tres ciudades holandesas al comienzo del año nuevo, con ataques que ocurrieron en direcciones aparentemente aleatorias.

Hasta ahora, dos hoteles, dos estaciones de servicio, una agencia de bienes raíces, un concesionario de automóviles y la agencia central de cobro de deudas han sido atacados, junto con los ataques del miércoles.

[es] La mierda de niñx debacle

Recibimos al mail este texto analizando y criticando los planteos del grupo músical chileno concido como “Niñx Debacle”.


Siempre percibí algo extraño en toda la escena de trap/rap anarco en Chile. Muchas de las personas involucradas parecen ser sinceras en sus intenciones y en sus posturas, pero hay un grupo en particular que resalta por la poca consistencia de sus ideas a lo largo de su desarrollo musical, estoy hablando de “Niñx Debacle”. Especialmente desde que se sacaron el tema llamado “eco-extremismo”, y el niño, el principal cantante del grupo, hizo su patético intento de modificarlo a su conveniencia. “Eco-extremismo hazlo tu mismx”. Pues no, el eco-extremismo no lo haces tú wacho, lo hacemos nosotros. Los hombres y mujeres que desde hace años formamos parte de esta tendencia. Los hombres y mujeres que no nos cansamos de salir a poner a bombas, a generar terror y a lastimar gente, a cualquier persona, porque lo nuestro es el ataque ciego, creas en él o no.

Nunca quise decir nada, porque al fin y al cabo, a muchos de mis compas si les gustaba esa madre y pues, tampoco hacía tanto daño verdad? Pero eso ya terminó. Ellos trazaron su terreno y es hora de que nosotros marquemos el nuestro, no tanto para los niñx debacle pues ellos mismos se encargaron de alejarse monumentalmente de nosotros en su momento. Sino para las personas afines a la tendencia, por dentro y por fuera de ITS. Creo que es importante que demos nuestra postura y si bien no estoy hablando por parte de todos los miembros del grupo, como que casi.

ITS es un grupo anti-colonialista por definición, nos oponemos a la imposición Europea tanto en la práctica como en la teoría. Nos oponemos a su verdad ilustrada, a su moralidad occidental, a la idea cristiana del “amor al prójimo”, al progreso (representado aquí por la idea de revolución). Nosotros no creemos que el desarrollo de la humanidad vaya en línea recta ni esperamos la “superación del capitalismo”. ¿Acaso “el capitalismo es el verdadero virus”? ¿Que mierda significa eso? Si eliminamos a todos los empresarios, dueños, hombres de negocios y demás, dejando el poder en manos de sus nuevos amigos sin techo. O de la masa en general, el dueño del kiosko, el del puesto de diarios y todos esos a quienes ahora van a defender. No hay nada que nos haga pensar que ellos aplicarían su predicada solidaridad y apoyo mutuo para crear sistemas sustentables y dejar que la tierra sane. La gente es vil, siempre buscan sacar ventaja, tienden a ir tras su propio beneficio, no les importa las cabezas que tengan que pisar para llegar a un lugar de comodidad.

El problema no es el capitalismo, ni cualquier sistema de organización social en concreto. El problema está en la especie que puso a su propio interés en un pedestal, que se vio a sí misma como la más importante y no le importó destruir todo con tal de perpetuarse.

Hoy en día la humanidad es un virus sobre la tierra, esto no es una frase que hayamos copiado de las redes sociales (porque esas palabras están bien de moda ahora). Esto es algo que vimos hace años cuando miramos su comportamiento y su desarrollo histórico. La humanidad depreda los recursos del planeta, se esparce y es parasitica.

En el mundo sobran las ONGs y agrupaciones humanistas varias, y está claro que no vamos a ponernos a criticar cada una de ellas. El problema es que estos “niñxs” son unos mentirosos e incluso su mismo nombre les queda “chico” ya. Sus palabras podrán ser incendiarias, pero sus acciones son las de un cristiano radical. Atacan, pero solo a los ricos, a los guardianes, a los “poderosos”. Y ahora se disfrazan de Robin Hood para salir a hacer de trabajadores sociales pero encapuchados, con estrellas octarinas en la espalda. Su praxis fomenta la cohesión social, refuerza la idea de la superioridad humana, afianza el humanismo y perpetúa la idea de que todos somos hermanos y que el valor humano es universal. El Caos no sigue dogmas, no tiene morales ni nada que ver con la puta solidaridad indiscriminada que ellos practican.

Nosotros queremos bien lejos a todos estos personajes ambiguos o humanistas declarados. No se puede ser anti-humanista o eco-extremista, ni si quiera un verdadero nihilista o egoísta anti-social y al mismo tiempo velar por el bienestar de gente a la que ustedes no le importan en los absoluto. No se puede hablar honestamente del deseo de ver caer a la sociedad, cuando aún llevan en sus corazones esa empatía devenida en solidaridad indiscriminada. Porque si esta sociedad cae, no habrá solo floresitas saliendo del asfalto. Habrá violaciones, torturas, muertes y millones de “atrocidades” y el único orden que reinara será el del terror, solo quedará la ley del más fuerte.

La guerra contra la sociedad no es un juego, no tienen el “privilegio” de elegir los rasgos que más les guste para crear al “nuevo ser humano”. El humano es lo que es y siempre lo será. Con su egoísmo, su autoritarismo, su desconsideración por los más débiles y todos esos rasgos que ustedes desprecian.

¿Realmente anhelan un mundo sin capitalismo? Pues cuidado con lo desean, porque lo que asoma en el horizonte no trae buenos augurios para la humanidad. Cuando el momento llegue esta perderá todas sus ropas para mostrarse tal cual es y mientras ustedes llenan su ojos de horror, nosotros le daremos la bienvenida.

Un miembro de ITS

Posdata: https://www.youtube.com/watch?v=lvMs4nC1yMc … https://www.youtube.com/watch?v=OrvPTPmHT0c

[es] Nuevo trabajo editorial

Con mucho agrado hacemos público este bello compilado por parte de “punta de flecha”, el cual recibimos a nuestra casilla de correo. Un trabajo de introducción al eco-extremismo, que contiene algunos textos de gran importancia para la comprensión de los planteos fundamentales de la tendencia anti-humanista.

¡Saludamos este nuevo proyecto editorial!


HASTA TU MUERTE O LA MÍA

Contenido:

pg. III – Notas sobre la extinción

pg. XIV – Sobre Eco-extremismo

pg. XX – Tendencias Cristianas Pseudo-Humanistas

pg. XXXVIII – Débiles palabras respecto al razonamiento humano

pg. XLI – Tendiendo al salvajismo: desarrollo reciente del pensamiento eco-extremista en México

[es] (Italia) Múltiples sobres indiscriminados de bombas explotan en Roma, Rieti, Viterbo y otros

Desde la prensa Italiana.


15 de marzo

ROMA – Pequeñas pistas, pistas falsas, elementos distribuidos en un orden más confuso que dispersó. Es una especie de sudoku de investigación que desde hace dos semanas recae en la fiscalía de Roma y en los expertos antiterroristas de la policía y la policía. Un enigma que, en Italia devastado por la emergencia del coronavirus, tendrá que resolverse en el menor tiempo posible, antes de que alguien salga lastimado. Desde principios de marzo hasta ayer por la noche, cuando la última llegó a una señora que vive en Fara Sabina, se enviaron por correo once sobres explosivos (incluso si los bombarderos de los Ucigos prefieren hablar de sobres incendiarios) a tantas direcciones, todo en Lazio, causando heridas leves a tres personas. Pero el alcance del daño no debe ser engañoso, porque la impresión es que detrás de este asunto hay alguien con ideas muy claras.

Los sobres
La investigación antiterrorista inevitablemente comienza con los sobres enviados. Y en particular de los sin explotar. Estos son los sobres amarillos clásicos, hechos de papel, para documentos en formato A3.

Lo primero que sorprendió a los investigadores fue la calidad de su factura y también el hecho de que eran obsesivamente idénticos entre sí: remitente (obviamente falso) en la parte superior izquierda, receptor en la parte inferior derecha (y esto podría aludir a un motivo político ). En la parte superior derecha, una fila de tres sellos. En el interior, una caja de madera contrachapada con una cantidad mínima de polvo pirico en el interior, que se encuentra fácilmente en cada emporio (“solo vaciar un raudo”) y una batería para cebar.

No podían lastimar de ninguna manera, y mucho menos matar. A lo sumo, causa quemaduras en los dedos. Más. «Si quieres lastimar a alguien, razones de un investigador, no haces dos paquetes. La bomba debe explotar de inmediato “.

“Unabomber”
“Tanta precisión obsesiva frente a un potencial ofensivo tan bajo, explican los investigadores, sugiere una mano. Lo que deja abiertas dos hipótesis: la primera es que es un grupo que utiliza un solo blaster, la segunda es que es un solitario actuar, alguien que tiene su propia estrategia en mente, la suya, aún no entendida. Tal vez solo está probando … ” Un emulador de Unabomber, y esta es la hipótesis que más asusta. Porque, como enseña la historia, la caza de un lobo solitario, atormentado por quién sabe qué frustración o motivo, es ciertamente más compleja que la de un grupo. Al principio, en verdad, los investigadores se volvieron hacia la clásica “pista anarquista” que, sin embargo, hora tras hora convence cada vez menos.

Las direcciones
La hipótesis de una sola es, en cambio, compatible con otra certeza, entre las pocas hasta la fecha en manos de los investigadores. Los sobres viajaron unos pocos kilómetros y no en avión. Todos han sido publicados en Lazio. De hecho, el correo aéreo está “radiogenado”, es decir, se pasa a los rayos X. Y ese control habría detenido esas parcelas mucho antes de que llegaran. Los destinatarios elegidos también confirman que es una historia muy de Lazio.

El último fue entregado hace 24 horas (pero solo ayer por la noche estaba seguro de que era un Unabomber) a la dirección de una señora en Fara Sabina. En los días anteriores, habían sido enviados (y entregados o interceptados en los centros de clasificación de correo) en las provincias de Rieti, Viterbo y Roma.

La pista militar
Desde el principio, los investigadores se vieron afectados por la gran heterogeneidad de los receptores. Como se mencionó, al principio, lo más plausible parecía el camino anarquista, dado que los destinatarios incluían al ex abogado de Priebke y un escape de Casa Pound, dos víctimas perfectas. Sin embargo, todas las últimas investigaciones sobre paquetes de bombas habían llevado a círculos anarquistas.

Luego llegaron los otros destinatarios. Una dirección de INAIL y finalmente, ciertamente más interesante, dos bombas dirigidas a un ex empleado de la Universidad del Sagrado Corazón (que sin embargo fue interceptado en el centro de clasificación en Fiumicino, donde hirió a un empleado) y a un ex maestro de bioquímica de la Universidad de Tor Vergata. “Ambos receptores tenían relaciones, aunque mediadas, con círculos militares”, explican los investigadores.

Tor Vergata coopera con la Fuerza Aérea; El Sagrado Corazón con el Cuerpo de Ejército de Reacción Rápida en Italia. Finalmente, un sobre llegó a un pastelero, con dos hermanos militares. “La investigación, confía un investigador, es complicada. Pero en una inspección más cercana, hay pequeñas pistas dispersas en nuestros escritorios. La impresión es que solo tenemos que tratar de juntar las piezas y pronto tendremos la solución “.

[pt] Reivindicação de uma série de ataques incendiários no centro de Atenas

Tradução ao português do comunicado recebido em grego no dia 19 de fevereiro, reivindicando ataques incendiários em Atenas.


Tão fácil e tão simples é deixar em ridículo a paz social e ao mesmo tempo a asquerosa decoração plantada por Xrysoxoidi em diferentes bairros de Atenas para manter a lei e a ordem. Passamos despercebidos e executamos todas as ações que tínhamos planejadas.

A razão pela qual atacamos diferentes alvos é para deixar claro que não estamos lutando apenas contra a indústria da carne ou a propriedade estatal… mas contra tudo o que a civilização produz. Poderíamos escrever 40 páginas cheias de bobagens filosóficas e as razões pelas quais fizemos o ataque. Nossas ações não estão pensadas como resposta a nenhum chamado de solidariedade nem estão sujeitas a nenhuma corrente política, nem são parte de nenhum movimento ou apelo à ação. Estamos cansados de ter que buscar razões ou desculpas para justificar o que fazemos.


A única motivação para nós é seguir nossos instintos que nos guiam e atear fogo a todo o existente. O resto é política e os jogos políticos nos aborrecem.


Jamais seguimos uma tendência política como aqueles que tentam atrair a sociedade para o seu lado, tampouco somos estes niilistas de fachada que se dizem os “perigosos” na internet (redes sociais e blogs) e criticam tudo desde a web e do conformo de suas casas. Também não somos filósofos insurrecionais que se limitam a ler livros empoeirados.


Então, assumimos a responsabilidade pelos seguintes atos:

– 9 de Janeiro: deixamos dois artefatos incendiários ao mesmo tempo em um açougue e em uma loja de equipamentos de segurança, câmeras, alarmes, etc. Na rua Agia Zoni, bairro de Kypseli.

– 22 de Janeiro: colocamos três artefatos incendiários, um grande e outros dois menores, nos escritórios da ELTA e nas duas vans que estavam estacionadas do outro lado da rua Prigiponison, em Polygono.

23 de Janeiro: queimamos três carros em Kolonaki, colocando tabletes de parafina nas rodas. O primeiro carro foi um jipe Porsche e os outros dois foram escolhidos aleatoriamente, simplesmente porque os encontramos na nossa frente.

Estes ataques foram a verdadeira expressão de nosso egoísmo, que busca prazer através do ataque contra o existente. Semeamos caos e terror na sociedade-prisão da civilização, destruindo, mesmo que por um instante, a normalidade.

Tenham a certeza de que voltaremos…

– Um punhado de lunático niilistas –